Ibovespa cai na abertura com atenção voltada ao desenrolar da PEC dos Precatórios

Dólar em queda de olho nas novas decisões fiscais e monetárias dos EUA.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em queda de 0,35% na abertura do pregão de hoje (24), a 103.290 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. O mercado doméstico repercute o desenrolar da PEC dos Precatórios na CCJ. No cenário internacional, a indicação de Jerome Powell para mais quatro anos na presidência do Federal Reserve continua movimentando os mercados.

O dólar cai 0,43% ante o real, por volta das 10h10. A moeda era negociada a R$ 5,5842.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

No cenário interno, o destaque fica para a leitura do relatório na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do senador Fernando Bezerra da PEC dos Precatórios. A expectativa, porém, é que haja concessão de vistas aos senadores que integram o colegiado e que o texto seja votado na quinta-feira (25).

Nesta manhã, a FGV (Fundação Getúlio Vargas) informou que a confiança dos consumidores brasileiros piorou a uma mínima em sete meses no mês de novembro. A instituição destacou fatores como inflação elevada, juros mais altos e aumento no endividamento das famílias como fatores para o resultado. O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) teve queda de 1,4 ponto, para 74,9 pontos, o menor patamar desde abril deste ano (72,5).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Um dos integrantes do ICC, o Índice de Situação Atual (ISA), que mede a percepção do consumidor sobre o momento presente, perdeu 2,1 pontos, para 66,9 pontos. Essa piora deveu-se principalmente à deterioração da situação econômica local e das finanças das famílias. Já o Índice de Expectativas (IE), que acompanha o sentimento em relação aos próximos meses, caiu 1,0 ponto, a 81,4, pressionado pelo indicador que mede as perspectivas sobre a situação financeira familiar.

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, com a nomeação de Jerome Powell para mais quatro anos à frente do Fed, banco central norte-americano, a questão é se o novo presidente e os demais formuladores de política monetária precisarão retirar o apoio emergencial da economia dos Estados Unidos mais rapidamente em face da inflação elevada.

Ao indicar Powell para um segundo mandato na segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deixou claro que tanto o governo quanto o banco central tomariam medidas para enfrentar os crescentes custos de itens cotidianos, como alimentos, gasolina e o aluguel.

Em outubro, os preços ao consumidor norte-americano subiram ao ritmo anual mais rápido em 31 anos, testando a suposição atual do Fed de que o pico inflacionário induzido pela pandemia de Covid-19 seria temporário.

Na tarde de hoje, o Fed vai divulgar a ata da última reunião do Fomc, quando anunciou o cronograma para o tapering, processo de retirada de estímulos à economia dos EUA.

Na Ásia, as ações da China fecharam em alta nesta quarta-feira, uma vez que os papéis de mineradoras de carvão e de alimentos e bebidas avançaram, enquanto a melhora do sentimento no setor imobiliário sustentou os papéis de incorporadoras.

O vice-ministro do Comércio da China, Ren Hongbin, disse nesta quarta-feira que ainda há muitas preocupações com o comércio exterior, especialmente para os pequenos exportadores em dificuldades, e que a China vai adotar uma nova rodada de medidas para estabilizá-lo no devido tempo.

Ainda há muita pressão sobre as pequenas e médias empresas, em particular as que atuam no comércio exterior, disse Ren em coletiva de imprensa em Pequim.

As exportações da China superaram repetidamente as expectativas neste ano devido à forte demanda internacional, ajudando a impulsionar o crescimento econômico.

O Hang Seng, de Hong Kong, valorizou 0,14%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em baixa de 0,55%. Na China continental, o índice Shanghai ganhou 0,10%; e no Japão, o índice Nikkei recuou 1,58%.

Na Europa, a confiança empresarial alemã se deteriorou pelo quinto mês seguido em novembro, uma vez que os gargalos de oferta na indústria e um salto nas infecções por coronavírus pioraram as perspectivas de crescimento econômico, mostrou uma pesquisa nesta quarta-feira.

O instituto alemão Ifo informou que o índice de clima de negócios caiu a 96,5, de 97,7 em outubro. Pesquisa da Reuters com analistas apontava para uma leitura de 96,6 em novembro. “Gargalos de oferta e a quarta onda do coronavírus estão desafiando as empresas alemãs”, disse o presidente do Ifo, Clemens Fuest.

Ao mesmo tempo, o Banco Central Europeu tenta manter os custos dos empréstimos sob controle uma vez que a pandemia de coronavírus se arrasta e não há sinais de que a inflação esteja saindo de controle, disse o membro do conselho do BCE Fabio Panetta nesta quarta-feira.

A expectativa é que o BCE chegue a um acordo sobre a redução do PEPP (Programa de Compras de Emergência da Pandemia), de € 1,85 trilhão, no mês que vem. O debate agora é sobre quantos títulos continuarão serão comprados após o término do PEPP, em março, sob um outro programa de compra de ativos do BCE.

Por lá, as bolsas operam sem direção definida. O Stoxx 600 perdia 0,09%; na Alemanha, o DAX cai 0,70%; o CAC 40 em queda de 0,30% na França; na Itália, o FTSE MIB cai 0,01%; enquanto o FTSE 100 tem valorização de 0,15% no Reino Unido.

Commodities

Os contratos futuros do carvão metalúrgico chinês subiram mais de 13% nesta quarta-feira, impulsionados pela melhora do sentimento no mercado imobiliário e pelas expectativas de maior demanda por ingredientes siderúrgicos nas usinas, embora analistas estejam sinalizando riscos sobre fundamentos fracos.

Os reguladores financeiros disseram a alguns bancos para conceder mais empréstimos a empresas imobiliárias para o desenvolvimento de projetos, em esforços para aliviar as tensões de liquidez em todo o setor, de acordo com fontes.

Os futuros do minério de ferro de referência ampliaram os ganhos após atingirem o limite diário de 10% de negociação na terça-feira e subiram 5,8%, para 617 iuanes por tonelada.

Compartilhe esta publicação: