Ibovespa fecha em alta impulsionado por minério de ferro e balanços

O dólar fechou em queda de 1,74%, registrando menor patamar desde o início de outubro.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou hoje (11) em alta de 1,54%, a 107.594 pontos, puxado pelas ações da Vale e pelos balanços corporativos positivos. A mineradora, que tem peso significativo na carteira teórica do índice, registrou avanço de 3,53% na esteira da alta dos preços do minério de ferro e outros produtos siderúrgicos na China.

Usiminas (USIM5), Gerdau (GGBR4) e CSN (CSNA3) também se beneficiaram do movimento e subiram 6,24%, 5,99% e 7,46%, respectivamente, figurando entre os destaques da sessão.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As vendas no varejo em setembro mostraram recuo de 1,3% na comparação com agosto, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado ficou abaixo das expectativas dos economistas, que esperavam queda de 0,6%. Apesar de o indicador refletir a inflação elevada do país, ele não chegou a impactar a Bolsa de forma significativa.

Os investidores mantêm a PEC (proposta de emenda constitucional) dos Precatórios no radar. O texto-base foi aprovado em segundo turno na Câmara dos Deputados na última terça-feira (9), e segue para o Senado, onde deve encontrar mais resistência.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Entre os destaques positivos desta sessão estão as ações da Méliuz (CASH3) e da Azul (AZUL4), que fecharam em altas de 10,34% e 9,83%, respectivamente. A companhia aérea liderou os ganhos por boa parte do dia, mesmo após divulgar prejuízo bilionário no terceiro trimestre. O seu desempenho hoje foi puxado pelo resultado operacional medido pelo Ebitda, que cresceu para R$ 485,6 milhões de julho a setembro.

Em Wall Street, os índices encerraram o dia com resultados mistos. O Dow Jones recuou 0,44%, a 35.921 ponto;, o S&P 500 teve leve alta de 0,06%, a 4.649 pontos, e o Nasdaq registrou ganhos de ,52%%, a 15.704 pontos.

Apesar de a inflação nos Estados Unidos estar mais forte do que o esperado, atingindo uma máxima dos últimos 30 anos, segundo dados divulgados pelo Bureau of Labor Statistics ontem (10), os investidores não desaceleraram o ritmo de compra de ações.

Segundo Arthur Hogan, estrategista-chefe de mercado da National Securities, os investidores são capazes de enxergar além do curto prazo, pois “simplesmente temos mais demanda do que oferta. Isso provavelmente é bom para o crescimento futuro dos resultados corporativos”, diz ele.

A Walt Disney Company (DIS; DISB34) despencou 7,07%, liderando as perdas entre os nomes listados no Dow Jones, após relatar o menor crescimento das assinaturas do serviço de streaming Disney+ desde o seu lançamento, além de lucro considerado decepcionante em sua divisão de parques temáticos.

O dólar fechou em queda de 1,74%, negociado a R$ 5,4041 na venda, registrando sua maior desvalorização diária em mais de dois meses e o menor patamar desde o início de outubro. O câmbio operou sob a influência de expectativas de aperto monetário mais intenso no Brasil, por causa da inflação elevada, e do otimismo em relação ao avanço da PEC dos Precatórios no Congresso. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: