Ibovespa abre em baixa na expectativa da decisão do Federal Reserve

Dólar opera em leve queda de olho nas decisões sobre política monetária.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em leve queda na abertura do pregão de hoje (3), com perda de 0,15%, a 105.397 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. O mercado doméstico continua de olho nos balanços financeiros e na repercussão da nova ata do Copom. No cenário internacional, o sentimento é de cautela na expectativa da decisão sobre política monetária do Federal Reserve, que acontece nesta tarde.

Nesta quarta-feira, o Banco Central divulgou a ata do Copom. O documento mostra que o Comitê de Política Monetária avaliou acelerar a alta da Selic para além do ajuste de 1,5 ponto percentual que adotou, mas chegou à conclusão que com o ritmo adotado é possível levar a inflação à meta em 2022.

De acordo com o BC, o objetivo é viável a despeito da deterioração da perspectiva para as contas públicas, o que ocorreu após o governo indicar a disposição de driblar a regra do teto de gastos para distribuir um benefício de no mínimo R$ 400 no âmbito do novo Bolsa Família, batizado de Auxílio Brasil.

Também na manhã de hoje, a FGV (Fundação Getúlio Vargas) mostrou que os preços do grupo de Habitação subiram com menos intensidade em outubro. Com isso, o IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor Semanal) encerrou o período com avanço de 0,77% ante a alta de 1,43% no mês anterior. Os dados levaram o índice acumulado em 12 meses até outubro a uma elevação de 9,73%.

Além disso, de acordo com estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o recente salto dos preços de energia terá impacto negativo bilionário na atividade econômica do Brasil em 2021 e 2022, com os efeitos se espalhando para o mercado de trabalho e o consumo das famílias.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O custo mais alto da energia elétrica resultará em perda de R$ 8,2 bilhões no PIB (Produto Interno Bruto) neste ano a preços de 2020 em comparação com o que ocorreria sem a crise energética, aponta a pesquisa.

Em Brasília, a atenção segue voltada para a possibilidade de nova tentativa de votação da PEC dos precatórios na Câmara.

Nesta manhã, o dólar opera em leve queda ante o real, enquanto investidores internacionais operam com cautela à espera das decisões de política monetária do Fed. Às 10h10, a moeda era negociada em queda de 0,14%, a R$ 5,6620.

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve deve detalhar nesta quarta-feira planos para encerrar as compras de títulos da era da pandemia até meados de 2022. A instituição volta o foco para o que fazer em relação a um salto na inflação que está durando mais do que o esperado.

Na ata da reunião de 21 e 22 de setembro, as autoridades do banco central norte-americano sinalizaram que uma redução das compras mensais de ativos de US$ 120 bilhões seria aprovada no encontro desta semana do Comitê Federal de Mercado Aberto.

O que a ata descreveu como “uma trajetória ilustrativa de redução” vai diminuir as compras de ativos pelo Fed em US$ 15 bilhões por mês a partir de novembro ou dezembro.

De acordo com o Relatório Nacional de Emprego da ADP, em outubro, foram 571 mil novas vagas de emprego criadas no setor privado dos Estados Unidos. O resultado supera as 523 mil vagas de setembro e contraria a expectativa de mercado de 400 mil vagas para o mês.

Na Ásia, as ações da China fecharam em queda nesta quarta-feira, já que o sentimento do mercado foi abalado após o premiê do país, Li Keqiang, alertar para pressões negativas sobre a segunda maior economia do mundo. O alerta deve-se à máxima em quase três meses dos novos casos de Covid-19 transmitidos localmente.

A Comissão Nacional de Saúde da China confirmou 93 novos casos sintomáticos locais de Covid-19 ontem (2), acima dos 54 do dia anterior e a leitura diária mais alta desde 9 de agosto, pico do último grande surto na China.

Por lá, a atividade do setor de serviços chinesa expandiu a um ritmo mais forte em outubro, impulsionado pela demanda robusta. Isso ocorreu embora o aumento das pressões inflacionárias tenha pesado sobre a confiança das empresas para o ano à frente, mostrou a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI) do Caixin Markit.

Os dados divulgados nesta quarta-feira mostram que o PMI de serviços subiu a 53,8 pontos em outubro ante os 53,4 pontos de setembro.

O Hang Seng, de Hong Kong, desvalorizou 0,30%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em baixa de 0,43%. Já na China continental, o índice Shanghai perdeu 0,20%; e no Japão, o índice Nikkei permanece fechado.

Na Europa, as bolsas operam perto da estabilidade nesta manhã, após a presidente do BCE, Christine Lagarde, afirmar que é muito improvável que o Banco Central Europeu (BCE) eleve as taxas de juros no ano que vem, já que a inflação continua baixa demais,

“Em nossa orientação futura para as taxas de juros, articulamos claramente as três condições que precisam ser satisfeitas antes de as taxas começarem a subir”, disse ela durante um evento em Lisboa.

Na União Europeia, a taxa de desemprego teve leve queda de 7,5% em agosto para 7,4% em setembro.

O Stoxx 600 ganhava 0,59%; na Alemanha, o DAX com queda leve de 0,03%; o CAC 40 em alta de 0,22% na França; na Itália, o FTSE MIB sobe 0,38%; enquanto o FTSE 100 tem desvalorização de 0,44% no Reino Unido.

No mercado de commodities, os contratos futuros do carvão metalúrgico chinês subiram pela primeira vez em seis pregões nesta quarta-feira, disparando mais de 14% em meio à oferta restrita, com os preços do coque também subindo.

A China sinalizou nesta quarta-feira que tem como meta uma redução de 1,8% no uso médio de carvão para geração de eletricidade em usinas de energia nos próximos cinco anos, em uma tentativa de diminuir as emissões de gases de efeito estufa.

Os futuros do minério de ferro na bolsa de Dalian caíram 0,4%, para 590 iuanes () por tonelada. O minério de ferro com teor de 62% para entrega na China caiu US$ 3, para US$ 99 por tonelada.

E os preços do petróleo continuam em queda com o aumento dos casos de Covid-19 na Europa, Rússia e China. Por volta das 10h10 da manhã, os futuros do petróleo Brent caíam 2,94%, para US$ 81,44. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: