Lucro da CCR cresce 53% no 3º tri com recuperação do tráfego em rodovias

A empresa anunciou lucro comparável de US$ 180,9 milhões de julho a setembro.

Redação
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


A operadora de concessões de infraestrutura CCR teve forte aumento do lucro no terceiro trimestre, beneficiada pela recuperação do tráfego nas rodovias com a gradual retomada da atividade econômica devido ao arrefecimento da pandemia.

A empresa anunciou hoje (12) lucro comparável de US$ 180,9 milhões de julho a setembro, aumento de cerca de 53% sobre um ano antes. Em termos consolidados, o lucro evoluiu 55,5%.

LEIA TAMBÉM: Cemig vende fatia na Renova Energia por R$60 milhões

“O resultado refletiu a recuperação do tráfego nas rodovias, que cresceu 14,5%”, afirmou a CCR no relatório de resultados.

A receita líquida da companhia no trimestre somou R$ 2,57 bilhões. Na mesma base de comparação, a alta foi de 6%, com destaque para veículos leves. E as despesas totais subiram 4,4% na mesma base, ritmo inferior ao da inflação no período.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com isso, o resultado operacional da companhia medido pelo lucro antes de impostos, juros, amortização e depreciação (Ebitda) ajustado subiu 21,1%, para R$ 1,61 bilhão. E a margem Ebitda evoluiu 3,3 pontos percentuais, a 63,1%. Entre o final de 2022 e começo de 2023 deve voltar aos patamares pré-pandemia.

Segundo a gerente de relações com investidores da CCR, Flavia Godoy, o movimento em rodovias administradas pela companhia no acumulado do ano tende a superar o do ano passado, dadas as perspectivas positivas para este quarto trimestre.

Já nas concessões de mobilidade urbana, o tráfego de passageiros no trimestre nas concessões da CCR, que incluem linhas do metrô paulistano, foi 33% maior ano a ano, enquanto o movimento nos aeroportos foi mais de 300% mais alto.

“Mantida a atual tendência de recuperação, o nível de tráfego em mobilidade urbana e aeroportos tende a voltar aos níveis pré-pandemia entre o final de 2022 e o começo de 2023”, disse a porta-voz da companhia.

A dívida líquida atingiu R$ 16 bilhões no fim de setembro, com o indicador dívida líquida/Ebitda ajustado em 2,4 vezes, contra 2,7 vezes um ano antes. “A empresa tem bastante espaço no balanço para aproveitar novas oportunidades”, disse Godoy.

A CCR garantiu em outubro a concessão por mais 30 anos da Via Dutra (BR-116), principal ligação rodoviária São Paulo-Rio de Janeiro, e da BR 101, entre Rio e Ubatuba (SP), ofertando desconto de 15,3% no valor de pedágio, além de uma outorga de R$ 1,77 bilhão, batendo a rival Ecorodovias. O novo contrato começa em 1 de março de 2022. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: