Confiança da indústria no Brasil fecha ano com 5ª queda e no menor nível em mais de 1 ano

Avaliação mostra cenário menos favorável sobre o momento atual e expectativas mais cautelosas para 2022 .

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

Pressão nos custos, escassez de insumos e elevada incerteza na indústria explica o atual cenário

Acessibilidade


O índice que mede a confiança da indústria no Brasil teve sua quinta queda consecutiva em dezembro, fechando o ano no nível mais fraco em mais de um ano, com uma avaliação menos favorável sobre o momento atual e expectativas mais cautelosas para 2022.

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) recuou 2,0 pontos este mês, a 100,1 pontos, seu menor nível desde agosto do ano passado (98,7), mostraram dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

LEIA TAMBÉM: Bilionários, mas por pouco tempo: conheça 10 nomes que entraram e saíram da lista da Forbes em 2021

“Tal resultado se explica por problemas que se estenderam ao longo do ano, como pressão nos custos, escassez de insumos e elevada incerteza”, explicou a economista do FGV IBRE, Claudia Perdigão, em nota.

Ela destacou ainda que o desemprego e a inflação, responsáveis pela queda no poder de compra das famílias e, consequentemente, na demanda, têm influência tanto nas avaliações da situação presente quanto para os próximos meses.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Índice Situação Atual (ISA), que mede o sentimento em relação à atualidade, caiu 2,7 pontos, a 101,0 pontos, mínima desde agosto de 2020 (97,8).

O Índice de Expectativas (IE), indicador da percepção sobre os próximos meses, teve queda de 1,2 ponto, para 99,1 pontos, menor patamar desde maio deste ano (99).

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada –indicador presente sobre se a indústria está produzindo a pleno vapor ou não– cedeu 1,0 ponto percentual, para 79,7%, mesmo patamar de agosto.

“Sobre a escassez de insumos, espera-se uma normalização a partir do segundo semestre do próximo ano. Nesse contexto, o setor encerra 2021 com gargalos ainda não resolvidos, incitando recuo das expectativas”, acrescentou Perdigão.

Compartilhe esta publicação: