Dívida pública federal sobe 2,34% em novembro

Montante chegou a R$ 5,499 trilhões.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Em novembro, a dívida pública federal chegou a R$ 5,499 trilhões

Acessibilidade


A dívida pública federal do Brasil subiu 2,34% em novembro sobre outubro, a R$ 5,499 trilhões, em período marcado por um volume mais alto de emissões e aumento nos custos de venda dos títulos.

O montante da dívida se aproxima do piso da banda estabelecida para 2021 no PAF (Plano Anual de Financiamento), de R$ 5,500 trilhões a R$ 5,800 trilhões.

LEIA TAMBÉM: Brasil tem déficit em transações correntes de US$ 6,5 bi em novembro com piora na balança comercial

De acordo com os dados apresentados hoje (22) pelo Tesouro Nacional, foi registrado em novembro volume de R$ 102,916 bilhões em emissões da dívida pública federal, ao mesmo tempo que foram observados R$ 18,280 bilhões em resgates.

Como resultado, o mês encerrou com uma emissão líquida de R$ 84,636 bilhões. Também houve apropriação positiva de juros de R$ 41,087 bilhões, o que contribuiu para o aumento do estoque em novembro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No período, a dívida pública mobiliária interna avançou de R$ 5,106 trilhões para R$ 5,233 trilhões.

Segundo o Tesouro, o custo médio acumulado em 12 meses do estoque da dívida pública federal subiu de 8,02% ao ano em outubro para 8,62% em novembro, maior valor desde outubro de 2020. No mesmo período, o custo médio das emissões em oferta pública da dívida interna aumentou de 7,48% ao ano para 8,02%.

De acordo com o coordenador-geral de Operações da Dívida Pública do Tesouro Nacional, Luis Felipe Vital, o mês de novembro teve uma piora na percepção de risco dos países emergentes, o que incluiu o Brasil, mesmo que em menor grau, com incertezas sobre a evolução da variante Ômicron do coronavírus.

Segundo ele, o ciclo de alta de juros no mercado doméstico está afetando os indicadores de custo da dívida.

“As estatísticas de custo seguem com tendência de aumento”, disse. “Tivemos um aumento no custo médio de emissão em todos os tipos de título, em todos os indexadores”, completou.

Vital afirmou, no entanto, que houve redução das taxas mais longas de juros no país com uma visão mais otimista, especialmente por causa da aprovação da PEC dos Precatórios.

Houve encurtamento do prazo médio de vencimento da dívida federal, que caiu de 3,97 anos em outubro para 3,92 anos em novembro.

Por outro lado, foi registrada leve melhora em relação ao percentual da dívida a vencer em até 12 meses, que passou de 21,50% em outubro para 21,31% em novembro. No fim de 2020, essa medida estava em 27%.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna ficou praticamente estável, em 10,52%, com um aumento de R$ 16,68 bilhões no estoque nas mãos dessa categoria entre outubro e novembro.

Compartilhe esta publicação: