Fusões movimentam recorde de US$5,8 trilhões em 2021

Pesquisa da Grant Thornton mostrou que o volume de negócios crescerá apesar das regulamentações e da pandemia.

Da Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Empresas dos setores de tecnologia e saúde, que normalmente representam a maior parcela do mercado de M&A, puxaram a fila novamente em 2021 (Crédito: Getty Images)

Acessibilidade


O mercado de fusões e aquisições deve manter ritmo efervescente no próximo ano, após um 2021 histórico, devido em grande parte à disponibilidade de dinheiro barato e mercados de ações em alta. O volume envolvido na compra e venda de participações de empresas em 2021 atingiu 5,8 trilhões de dólares em 2021, um aumento de 64% em relação ao ano anterior, e acima do recorde anterior de 4,55 trilhões de dólares de 2007, mostraram os dados da Dealogic.

Grandes fundos de private equity, empresas e financistas fecharam 62.193 negócios em 2021, alta de 24% ano a ano. Os banqueiros de investimento disseram que esperam que o frenesi de negociações continue bem no próximo ano, apesar do aumento das taxas de juros.

Taxas de juros mais altas aumentam os custos de empréstimos, o que pode desacelerar a atividade. Mas consultores de negócios ainda esperam uma enxurrada de grandes fusões em 2022. Os Estados Unidos lideraram o mercado, respondendo por quase metade dos volumes globais – o valor das fusões e aquisições quase dobrou para 2,5 trilhões de dólares em 2021, apesar de um ambiente antitruste mais difícil sob a administração Biden.

Os maiores negócios do ano incluíram o negócio da AT&T 43 bilhões de dólares para fundir seus negócios de mídia com a Discovery; a compra alavancada de 34 bilhões de dólares da Medline Industries; a aquisição por 31 bilhões de dólares da Kansas City Southern pela Canadian Pacific Railway; e as cisões das gigantes General Electric e Johnson & Johnson.

De acordo com uma pesquisa da Grant Thornton, o volume de negócios deve crescerá apesar dos desafios impostos pelas regulamentações e pela pandemia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Negócios em setores como tecnologia, financeiro, industrial e energia e energia responderam pela maior parte dos volumes de fusões. As aquisições apoiadas por empresas de private equity mais do que dobraram este ano, ultrapassando a marca de 1 trilhão de dólares pela primeira vez, segundo a Refinitiv.

Apesar de uma desaceleração na atividade no segundo semestre, a negociação envolvendo empresas de aquisição de propósito específico impulsionou ainda mais os volumes de fusões em 2021. Os negócios de SPAC representaram cerca de 10% dos volumes globais.

Compartilhe esta publicação: