Ibovespa abre em alta impulsionado por mercados internacionais

Dólar recua após novas decisões monetárias do Federal Reserve.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta de 0,54% na abertura do pregão de hoje (16), a 107.998 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. Os investidores acompanham o desenrolar da aprovação da PEC dos Precatórios, enquanto o Banco Central reduz a previsão para o crescimento econômico. No cenário internacional as bolsas se movimentam de forma positiva, enquanto as atenções estão voltadas para as decisões monetárias no mundo.

O dólar inicia o dia em queda de 0,61% ante o real por volta das 10h10. A moeda, que fechou o último pregão em nova máxima, a R$ 5,7072, agora é negociada a R$ 5,6709, após as novas definições do Federal Reserve sobre a política monetária.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O Banco Central (BC) piorou sua projeção de crescimento econômico brasileiro em 2022 para 1,0%, contra 2,1% da estimativa anterior, conforme o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado hoje.

No documento, o BC reajustou a perspectiva de expansão para o Produto Interno Bruto (PIB) para uma alta de 4,4% neste ano, ante estimativa de 4,7% calculada em setembro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Ministério da Economia, por sua vez, prevê expansão de 5,1% para o PIB neste ano e de 2,1% para o próximo, enquanto o mercado, segundo o boletim Focus mais recente, estima que a economia crescerá 4,65% em 2021 e 0,50% no ano que vem.

O Banco Central também piorou sua estimativa para o déficit em transações correntes em 2021 a US$ 30 bilhões neste ano, ante rombo de US$ 21 bilhões projetado em setembro, enxergando para 2022 saldo negativo de US$ 21 bilhões, contra um de US$ 14 bilhões da estimativa anterior.

Por outro lado, o BC previu crescimento no estoque total de crédito no país de 14,6% neste ano, ante estimativa de 12,6% feita em setembro, conforme dados de seu Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Em Brasília, a Câmara dos Deputados concluiu ontem a votação em dois turnos dos trechos da PEC dos Precatórios pendentes de aprovação pela Casa, que agora serão encaminhados para promulgação.

Os dispositivos aprovados pelos deputados agora receberam o aval tanto da Câmara quanto do Senado.

Outros pontos incluídos pelo Senado, como o caráter permanente do Auxílio Brasil, a vinculação do espaço fiscal a ser aberto a gastos com seguridade social e com o novo programa, além do limite para a quitação dessas dívidas judiciais, foram mantidos no texto.

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve, sinalizando que sua meta de inflação foi cumprida, disse ontem que encerrará em março suas compras de títulos adotadas durante a pandemia, pavimentando o caminho para três aumentos de 0,25 ponto percentual nas taxas de juros até o fim de 2022, conforme encerra as políticas monetárias implementadas no início da crise sanitária.

Em novas projeções econômicas divulgadas após o término da reunião de política monetária de dois dias, as autoridades previram que a inflação ficará em 2,6% no próximo ano, em comparação com a taxa de 2,2% projetada em setembro. Além disso, a taxa de desemprego cairia para 3,5%.

Após a decisão, as bolsas mundiais abriram em alta. “A reação das bolsas foi positiva porque o aperto monetário tem potencial de combater a inflação elevada no país, mas em um ritmo que não afeta a economia de forma significativa”, avalia Paula Zogbi, analista de investimentos da Rico.

Na Ásia, um índice das principais ações chinesas terminou em alta nesta quinta-feira, com ganhos nos setores industrial e financeiro compensando a fraqueza nas empresas de consumo básico, enquanto papéis do setor de energia tiveram alta graças aos fortes preços do petróleo e do carvão.

O Hang Seng, de Hong Kong, valorizou 0,23%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em alta de 0,20%. Já na China continental, o índice Shanghai ganhou 0,75%; e no Japão, o índice Nikkei avançou 2,13%.

Na Europa, o superávit comercial da zona do euro ficou muito menor do que o esperado em outubro, mostraram dados nesta quinta-feira, conforme o déficit comercial do bloco em energia aumentou devido aos preços mais altos do gás e do petróleo. Hoje, o foco se volta para as decisões de política monetária na do Banco Central Europeu (BCE) e no Reino Unido (BoE).

Por volta das 10h10, o Stoxx 600 ganhava 1,47%; na Alemanha, o DAX sobe 1,64%; o CAC 40 em alta de 1,43% na França; na Itália, o FTSE MIB sobe 1,04%; enquanto o FTSE 100 tem valorização de 1% no Reino Unido.

Compartilhe esta publicação: