Ibovespa abre em leve alta após IPCA encerrar 2021 a 10,42%

Dólar recua com dados de consumo nos EUA melhorando.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta de 0,02% na abertura do pregão de hoje (23), a 105.260 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. Os investidores aguardam repercussões da nova alta no IPCA. No cenário internacional, o feriado de Natal prevê um pregão mais tranquilo, apesar das preocupações com a variante Ômicron do coronavírus.

O dólar caía 0,44% frente ao real às 10h10. A moeda era negociada a R$ 5,6416.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) teve alta de 0,78% em dezembro frente a novembro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, o índice encerrou 2021 em 10,42%, maior acumulado anual desde 2015, quando chegou a 10,71%.

“Avalio que os itens que sofreram influência da Black Friday, como lanche e perfumes, trouxeram informações relevantes no tocante ao seu comportamento. A variação destes no IPCA-15, que praticamente repetiu o observado no IPCA de novembro, sugere que o pulso foi revertido, o que pode gerar pressão altista no fechamento de dezembro”, avaliou Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Brasil abriu 324.112 vagas formais de trabalho em novembro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado nesta quinta-feira pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

No acumulado do ano, foram gerados, em termos líquidos, 2.992.898 postos, sobre abertura de 121.931 postos em igual período de 2020.

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, o índice de confiança do consumidor dos EUA, divulgado ontem, melhorou ainda mais em dezembro, sugerindo que a economia continuaria a se expandir em 2022. A pesquisa do Conference Board, organização independente de pesquisa, mostrou que mais consumidores planejam comprar uma casa e itens de alto valor, como automóveis e eletrodomésticos grandes, bem como tirar férias nos próximos seis meses.

Na Ásia, o mercado acionário chinês fechou em alta, com os setores de consumo e industrial registrando os maiores ganhos, enquanto as notícias de um novo grupo estatal de terras raras impulsionou as ações de recursos básicos.

O Japão melhorou sua projeção de crescimento para o próximo ano fiscal que começa em abril, afirmando esperar que o Produto Interno Bruto (PIB) vai atingir um recorde mesmo em meio aos riscos da variante Ômicron e restrições de oferta, disseram autoridades do Escritório do Gabinete.

A projeção de expansão para o ano fiscal de 2022 passou a 3,2%, de alta de 2,2% calculada na revisão de meio de ano de julho, ajudada por um orçamento de estímulo extra recorde aprovado pelo Parlamento japonês esta semana.

O Hang Seng, de Hong Kong, valorizou 0,40%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em alta de 0,68%. Já na China continental, o índice Shanghai ganhou 0,57%; e no Japão, o índice Nikkei avançou 0,83%.

Na Europa, os governos buscam alternativas para conter o avanço da variante Ômicron, que já afeta boa parte dos países.

Por volta das 10h10, o Stoxx 600 ganhava 0,62%; na Alemanha, o DAX sobe 0,62%; o CAC 40 em alta de 0,38% na França; na Itália, o FTSE MIB sobe 0,28%; enquanto o FTSE 100 tem valorização de 0,13% no Reino Unido.

Commodities

A demanda global por petróleo voltou a crescer em 2021 quando o mundo começou a se recuperar da pandemia de coronavírus, e o consumo mundial geral poderia atingir um novo recorde em 2022 – apesar dos esforços para reduzir o consumo de combustível fóssil para mitigar as alterações climáticas.

O uso de gasolina e diesel aumentou neste ano, à medida que os consumidores retomaram as viagens e a atividade comercial aumentou. Para 2022, o consumo de petróleo deve chegar a 99,53 milhões de barris por dia (bpd), ante 96,2 milhões de bpd neste ano, segundo a Agência Internacional de Energia. Isso seria algo menos que o consumo diário de 2019, de 99,55 milhões de barris. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: