Ibovespa encerra em queda com pressão vinda do exterior

Empresas ligadas a commodities, como Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3 e PETR4), também devolveram os ganhos da abertura.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou hoje (14) em queda de 0,58%, a 106.759 pontos, enquanto os mercados permanecem atentos às decisões de política monetária nos Estados Unidos. “O índice começou com forte alta devido ao cenário local, mas ao longo da sessão ele se deixou levar por um tom mais negativo puxado principalmente pelas bolsas norte-americanas”, comenta Victor Licarião, líder de produtos e alocação em renda variável da Blue3.

Empresas ligadas a commodities, como Vale (VALE3) e Petrobras (PETR3 e PETR4), também devolveram os ganhos da abertura e passaram a acompanhar o desempenho negativo do minério de ferro e do petróleo. Os seus papéis fecharam em baixas de 0,01%, 1,40% e 1,19%, respectivamente.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Por outro lado, os grandes bancos, como Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC3), registraram ganhos após a divulgação da ata da decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central. A ata reiterou a mensagem vista como ‘dura’ e revelou que a autoridade monetária chegou a avaliar alta maior que 1,5 ponto percentual na Selic.

Entre os destaques positivos do dia, estão os papéis da Marfrig (MRFG3), JBS (JBSS3) e BRF (BRFS3), que registraram avanços de 6,80%, 5,34% e 3,58%, respectivamente. Os ganhos chegaram após a BRF confirmar a manutenção da Qatar Investment Authority no controle da holding TBQ Foods.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em Wall Street, a sessão foi de perdas. O Dow Jones recuou 0,30%, a 35.544 pontos; o S&P 500 perdeu 0,75%, a 4.634 pontos; e o Nasdaq caiu 1,14%, a 15.237 pontos.

Segundo divulgou o Departamento de Trabalho hoje, o índice de preços ao produtor norte-americano (PPI, na sigla em inglês) subiu 9,6% nos 12 meses até novembro, maior ganho desde novembro de 2010. Em outubro, o índice havia registrado aumento acumulado de 8,8%.

A notícia reforça as expectativas de que o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, irá sugerir uma redução mais rápida de incentivos à economia norte-americana e um início antecipado do aumento dos juros. O banco anunciará sua decisão de política monetária amanhã (15).

Apenas um dos 11 principais índices setoriais do S&P 500 fechou em alta, com o financeiro registrando avanço de 0,71%, já que investidores esperam um tom duro com a inflação por parte do Fed ao fim de sua reunião de dois dias.

O dólar fechou em alta de 0,40%, negociado a R$ 5,6937 na venda, recuperando completamente as perdas registradas durante a sessão e fechando em alta pelo quarto pregão consecutivo, no maior patamar desde abril. O movimento veio em linha com as expectativas de que o Federal Reserve anunciará um ritmo mais rápido para a redução de estímulos amanhã. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: