Ibovespa sobe na abertura apesar do novo corte na estimativa de crescimento econômico

Dólar é negociado em alta atento aos efeitos da nova variante do coronavírus no mundo.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa opera em alta de 0,98% abertura do pregão de hoje (6), a 106.102 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. O mercado doméstico repercute novos cortes na estimativa de crescimento econômico do país. No cenário internacional, alta nos casos da nova variante Ômicron do coronavírus continuam no radar enquanto os EUA se preparam para uma guinada na política monetária do Federal Reserve, o banco central norte-americano.

O dólar avança 0,01% ante o real. Por volta das 10h10, a moeda era negociada a R$ 5,6815.

O mercado financeiro voltou a cortar estimativas para o crescimento da economia brasileira neste ano e no próximo. Os economistas também aumentaram as previsões para a inflação, enquanto passaram a ver uma taxa de câmbio mais depreciada. Assim, a expectativa de alta de 1,50 ponto percentual da Selic nesta semana foi mantida, mostrou a pesquisa Focus do Banco Central divulgada hoje.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O boletim, uma compilação de previsões de cerca de cem respondentes da sondagem do BC, aponta que a taxa básica de juros fechará 2021 em 9,25%, mesma previsão da semana anterior. A Selic finalizaria 2022 em 11,25%, mesmo prognóstico da semana anterior.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Na visão dos economistas, o BC deve aumentar a taxa básica de juros em 1,50 ponto-percentual na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) desta semana, em face de persistentes preocupações fiscais.

A inflação, motivo pelo qual o BC tem promovido um aperto monetário agressivo, deve ficar ainda mais elevada neste ano e no próximo, mostrou o boletim Focus.

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) do FGV Ibre caiu 4,1 pontos em novembro, para 83,0 pontos, a menor leitura desde abril. O indicador foi afetado por quedas em todos os seus componentes e num indicativo de que a recuperação do mercado de trabalho vem perdendo força.

“A expectativa para os próximos meses parece não ser muito positiva, considerando que inclusive o setor de serviços, que vinha puxando a recuperação do emprego, começa a perder fôlego. Apesar do avanço da vacinação, o ambiente macroeconômico mais frágil tem deixado os empresários cautelosos, o que limita a retomada do emprego”, afirmou Rodolpho Tobler, economista do FGV Ibre, em texto que acompanhou a divulgação do indicador.

Todos os sete componentes do IAEmp contribuíram negativamente para o resultado de novembro. Os destaques foram os indicadores de Emprego Previsto e de Situação Atual dos Negócios da Indústria, que recuaram 8,1 e 7,2 pontos, na margem, e o indicador de Situação Atual dos Negócios de Serviços, que caiu 7,6 pontos sobre o mês anterior.

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, alguns investidores estão se preparando para uma guinada “hawkish” (mais dura com a inflação) por parte do Federal Reserve, comprando ações de empresas cíclicas, à medida que aumentam as expectativas de que o banco central está se concentrando no combate à inflação.

A diferença entre as ações de crescimento e suas contrapartes focadas em valor, que incluem empresas como bancos, do setor financeiro e firmas de energia, flutuou ao longo do ano, em parte por apostas sobre a rapidez com que o Fed normalizará a política monetária.

Nos últimos dias, sinais de que o banco central se moverá mais rapidamente do que o esperado abalaram as ações de empresas de crescimento e tecnologia.

Ao mesmo tempo, alguns investidores têm fortalecido apostas nas chamadas ações de valor, esperando que apresentem um desempenho melhor em um ambiente de política monetária restritiva. Essas ações dispararam no início de 2021, com a reabertura da economia dos Estados Unidos, mas vacilaram depois que investidores se voltaram para ações de tecnologia.

Na Ásia, o mercado chinês fechou em baixa nesta segunda-feira. Segundo analistas, as declarações do premiê Li Keqiang sobre o corte nas taxas de depósito compulsório dos bancos podem ser insuficientes para reverter o ciclo econômico de baixa.

Baidu e Alibaba Group, chinesas que estão entre as ações de maior peso em um índice de mercados emergentes, afundaram mais de 5,5% cada, após a decisão da empresa Didi Global Inc de deixar a Bolsa de Valores de Nova York na semana passada.

O principal “thinktank” –um tipo de centro de estudos– do governo da China recomendou nesta segunda-feira que o governo estabeleça uma meta de crescimento econômico acima de 5% para o próximo ano, à medida que a economia desacelera devido aos persistentes casos de Covid-19 e aos altos preços das commodities.

“Uma meta acima de 5% deixa uma certa margem de manobra, o que é uma decisão relativamente prudente. Também permitiria que todas as partes se concentrassem em promover reformas e inovação e pressionaria por um desenvolvimento de alta qualidade”, disse a repórteres Li Xuesong, pesquisador da Academia Chinesa de Ciências Sociais (CASS).

O Hang Seng, de Hong Kong, desvalorizou 1,76%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em baixa de 1,65%. Já na China continental, o índice Shanghai perdeu 0,50%; e no Japão, o índice Nikkei recuou 0,36%.

Na Europa, o surgimento da variante Ômicron do coronavírus aumentou a preocupação entre alguns economistas de que a economia da região pode enfrentar obstáculos ao crescimento após um período difícil desde o início de 2020.

Na zona do euro, as ações ligadas ao petróleo ajudam a impulsionar uma recuperação após perdas acentuadas no fim da semana passada.

Por lá, as bolsas operam em alta. O Stoxx 600 ganhava 0,63%; na Alemanha, o DAX sobe 0,40%; o CAC 40 em alta de 0,78% na França; na Itália, o FTSE MIB sobe 0,90%; enquanto o FTSE 100 tem valorização de 0,91% no Reino Unido.

Commodities

Os contratos futuros do minério de ferro em Dalian e Singapura subiram nesta segunda-feira, na esperança de que uma flexibilização da política monetária na China possa conter os riscos de queda enfrentados pela maior produtora e consumidora de aço do mundo. Os ganhos, no entanto, foram limitados por temores de controle da produção de aço.

O minério de ferro mais negociado para entrega em maio na Bolsa de Commodities de Dalian fechou em alta de 1,6%, a 615,50 iuanes (US$ 96,58) a tonelada, após disparar 4,2% no início da sessão.

Compartilhe esta publicação: