Previsão de déficit primário tem menor rombo em 7 anos

Ministério da Economia reduziu em R$ 6 bilhões o déficit previsto para o ano se comparado com o cálculo apresentado em novembro.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Thiago Nori/GettyImages
Thiago Nori/GettyImages

Com a retomada da atividade econômica, os dados da arrecadação tributária tiveram elevação

Acessibilidade


Em um ano marcado por forte crescimento na arrecadação tributária, o Ministério da Economia revisou suas estimativas e passou a prever que o Governo Federal encerrará 2021 com um déficit primário de R$ 89,8 bilhões, o melhor resultado em 7 anos.

A previsão faz parte de relatório de receitas e despesas extemporâneo publicado pelo Tesouro Nacional em seus sistemas no dia 20 de dezembro sem que houvesse divulgação à imprensa. A reestimativa permitirá uma ampliação de gastos de ministérios no fechamento do ano.

Na nova projeção, a pasta reduziu em R$ 6 bilhões o rombo previsto para o ano, se comparado com o cálculo apresentado em novembro, quando a conta apontava para um déficit de R$ 95,8 bilhões.

O resultado reflete uma elevação de R$ 10,3 bilhões na receita líquida prevista para o ano, enquanto as despesas foram reestimadas para cima em R$ 4,3 bilhões.

Os números dizem respeito ao governo central, que reúne as contas de Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com a retomada da atividade econômica após o arrefecimento da pandemia do coronavírus, os dados da arrecadação tributária tiveram forte elevação ao longo do ano, com registro recordes mensais. As receitas também foram favorecidas pela aceleração da inflação e pelo aumento do preço do petróleo no mercado internacional, que impactou o recolhimento de royalties.

Para o fechamento do ano, o Ministério da Economia espera uma receita líquida de R$ 1,565 trilhão, ante R$ 1,555 trilhão estimado cerca de um mês antes e R$ 1,302 trilhão previsto na lei orçamentária aprovada no fim do ano passado.

Pelo lado das despesas, entre as estimativas de novembro e dezembro, a pasta ampliou em 5,4 bilhões de reais a conta das despesas discricionárias e cortou em R$ 1,1 bilhão a previsão de gastos obrigatórios.

De acordo com a secretaria especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, a publicação do relatório extemporâneo foi feita para fins de fechamento do exercício, permitindo uma melhor estimativa das despesas e melhor gestão dos gastos sujeitos à regra do teto, que limita o crescimento dos gastos federais.

Ainda segundo o órgão, a medida permitirá uma redução do empoçamento de recursos, quando os ministérios têm verba disponível, mas não conseguem executá-las em razão de restrições legais ou travas burocráticas.

Com Reuters

Compartilhe esta publicação: