Wall Street abre em alta com decisão do Fed ainda no radar

O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego aumentou de forma moderada na semana passada.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Matteo Colombo/Reuters

Acessibilidade


As bolsas de Nova York abriram hoje (16) em alta, mas agora operam sem direção definida, após o Federal Reserve, banco central norte-americano, anunciar ontem (15) que irá acelerar a redução de estímulos à economia para combater a inflação. O comunicado veio em linha com as expectativas do mercado.

“Lembrando que outros bancos centrais também estão tomando suas decisões ao longo dessa semana, como os do México, da Inglaterra e da Europa. De modo geral, a expectativa é que a maioria mantenha o tom mais duro, seguindo também a linha do Fed em relação à preocupação com a inflação”, diz Pietra Guerra, especialista de ações da Clear Corretora.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Às 12h12 de Brasília, o Dow Jones subia 0,40%, a 36.056 pontos; o S&P 500 perdia 0,01%, a 4.709 pontos; e o Nasdaq registrava baixa de 0,79%, a 15.445 pontos.

O Departamento de Trabalho dos EUA informou que o número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego aumentou de forma moderada na semana passada. O volume permaneceu em níveis consistentes com o aperto nas condições do mercado de trabalho.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Foram 18 mil novas solicitações no período, totalizando 206 mil em dado ajustado sazonalmente. Economistas consultados pela Reuters previam 200 mil pedidos. Os pedidos geralmente aumentam durante a temporada de fim de ano por causa de fechamentos temporários das empresas, mas uma escassez aguda de trabalhadores amenizou esse padrão sazonal.

O dólar opera em baixa de 0,04%, negociado a R$ 5,7035. A moeda acompanha a melhora global no apetite por risco após o anúncio da decisão monetária do Fed. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: