Wall Street abre em baixa com aumento dos preços ao produtor

O mercado também aguarda com apreensão a reunião do Federal Reserve, banco central norte-americano, que divulgará sua decisão de política monetária amanhã (15).

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Matteo Colombo/Reuters

Acessibilidade


As bolsas de Nova York abriram hoje (14) em queda, após dados mostrarem que os preços ao produtor aumentaram mais do que o esperado em novembro. Segundo relatório do Departamento de Trabalho divulgado nesta terça, o índice de preços nos 12 meses até novembro subiu 9,6%, maior ganho desde novembro de 2010, após aumento de 8,8% em outubro.

O mercado também aguarda com apreensão a reunião do Federal Reserve, banco central norte-americano, que divulgará sua decisão de política monetária amanhã (15).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Todos estão focados no Fed esta semana e na orientação que conseguirmos sobre as compras de títulos e aumento das taxas de juros. Há uma expectativa de que haverá uma aceleração da redução gradual de estímulos e há um pouco de ansiedade até lá”, disse Ryan Jacob, gerente-chefe de portfólio da Jacob Internet Fund.

Às 12h10 de Brasília, o Dow Jones caía 0,29%, a 35.548 pontos; o S&P 500 recuava 1,06%, a 4.619 pontos; e o Nasdaq registrava perdas de 1,74%, a 15.141 pontos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A variante Ômicron da Covid-19, de rápida disseminação e que já provocou a morte de um paciente no Reino Unido, também segura o ânimo do mercado. Sete dos 11 setores do S&P 500 operam em queda, e os declínios são liderados por ações de megacaps de tecnologia e do setor de comunicação. Meta Platforms (META, ex-Facebook), Microsoft (MSFT), Tesla (TSLA), Alphabet (GOOGL) e Amazon.com (AMZN) caem entre 0,8% e 3%.

O dólar opera em queda de 0,28%, negociado a R$ 5,6557, após a ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) revelar que o Banco Central avaliou ajuste mais intenso na taxa Selic do que a alta de 1,50 ponto percentual promovida na última quarta (8). (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: