Ano novo, dívida velha: chegou a hora de sair das dívidas e virar o jogo

Com o aumento da Taxa Selic, permanecer endividado vai ficar cada vez mais caro.

Eduardo Mira
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

O que vai te ajudar a sair das dívidas e virar o jogo são ações práticas que envolvem foco e disciplina

Acessibilidade


Se você está endividado e deseja mudar esse quadro em 2022, eu tenho algumas informações que podem te ajudar no planejamento disso.

É óbvio ninguém fica endividado porque quer. Especialmente nos últimos dois anos, a pandemia causou grandes danos à economia, e um deles foi o aumento do desemprego. Com isso, muita gente não teve alternativas a não ser recorrer ao crédito.

Entretanto, não são apenas os fatores externos que comprometem o orçamento familiar, e é sobre isso que eu quero refletir junto com você.

Quantas vezes você já prometeu que iria gastar menos com objetos supérfluos e guardar dinheiro para uma viagem ou curso que acabou não acontecendo?

Ou ainda, quem nunca ficou com uma peça de roupa dentro do armário por mais de um ano sem nunca ter sido usada e que acabou indo para doação ainda com a etiqueta da loja?

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

E o que houve com aquela meta de fazer a pé as atividades que são próximas de casa, ao invés de usar o carro?

Eu poderia ficar o dia todo aqui falando sobre esses pequenos hábitos, e eu tenho certeza que você se identificaria com boa parte deles. Mas, a ideia não é te convencer que será economizando no cafezinho que você irá sair do endividamento. Até porque, eu estaria mentindo pra você.

O que vai te ajudar a sair das dívidas e virar o jogo são ações práticas que envolvem foco e disciplina. O compromisso que você assume consigo em realizar pequenas mudanças é que surtirá grandes efeitos no longo prazo.

Você pode sair destas estatísticas

Na última semana, dados divulgados pelo Banco Central sobre o endividamento dos brasileiros apontou para recordes muito preocupantes.

O saldo das dívidas das famílias equivale hoje a 49,4% da sua renda acumulada em 12 meses, e em média, 26,2% da renda é comprometida para pagar o serviço de dívidas, que envolve não só o montante principal, mas também juros e outros custos.

Temos ainda os dados da pesquisa da Confederação Nacional do Comércio, Bens, Serviços e Turismo (CNC) que aponta que no mês de outubro, 74,6% das famílias possuíam dívidas a vencer no crédito consignado, cheque especial, cartão de crédito ou carnês de loja.

Desses quase 75% de endividados, 1/3 afirma que já possuem contas em atraso. E aí chegamos ao número mais alarmante, divulgado também em outubro, no Mapa da Inadimplência, do Serasa: 63,4 milhões de pessoas estão inadimplentes no país.

São números muito preocupantes, por isso, eu achei importante falar com você sobre isso hoje. Afinal, estamos na virada de ano, aquele momento em que todo mundo se dedica a fazer novos planos e definir metas.

Eu sou um defensor incondicional de metas e fico realmente preocupado em ver que a maioria das pessoas abandona suas metas de ano novo antes mesmo de finalizar o segundo trimestre.
Esse comportamento, de certa forma, contribui para a questão do endividamento.

Sair do endividamento não é simples, principalmente para quem está desempregado ou teve sua renda mensal reduzida nos últimos meses. Entretanto, com o aumento da Taxa Selic, permanecer endividado vai ficar cada vez mais caro, então, você precisa agir rápido para evitar que a situação se transforme numa bola de neve.

Como se planejar para começar a romper o ciclo do endividamento

O primeiro passo é sentar e mapear todos os seus custos mensais. Seja realista e honesto consigo, anote absolutamente tudo.

Em seguida, calcule a sua média mensal de despesas e compare com sua renda. Aí você já terá um indicador importante: a diferença entre receita e despesa, se positiva, é o valor que você poderá usar para começar a negociar e quitar as dívidas mais caras que você tenha em aberto.

Mas, se o saldo entre receita e despesa está negativo, ou seja, você gasta mais do que ganha, existem apenas duas alternativas: reduzir seus gastos, ou encontrar meios de aumentar a renda.
Nenhuma das duas medidas é simples, eu sei disso. Mas ficará ainda mais difícil se você não começar já.

Em paralelo a esta medida de redução de gastos ou a busca por mais receita, é necessário traçar um plano para eliminar as dívidas.

Em julho de 2021 foi sancionada a Lei do Superendividamento (Lei 14.181/21) que possibilita que você renegocie todas as suas dívidas ao mesmo tempo, definindo uma única fonte de renda para quitar as contas em aberto.

De acordo com a lei, podem ser renegociadas, para pagamento em até cinco anos, dívidas de contas de luz, água, carnês de lojas, empréstimos, etc. Ficam excluídos da repactuação de dívidas: impostos, crédito habitacional, produtos de luxo e pensão alimentícia.

Se você está endividado, eu sugiro que você busque informações sobre a Lei do Superendividamento e verifique se é possível se beneficiar com ela.

Consumo consciente é o caminho para uma vida mais equilibrada

Além disso, também recomendo que você faça uma única promessa de ano novo: não contrair nenhuma dívida que possa ser evitada.

No momento em que você se impuser essa disciplina, começam as mudanças. Compreender o que é necessidade e desejo é fundamental para romper o ciclo e preparar terreno para começar a reestruturar suas finanças.

Todos nós precisamos de moradia, alimentação, saúde e educação. São necessidades básicas sem as quais não há dignidade humana. Em paralelo, todos temos desejos: uma roupa de determinada marca, um celular moderno, uma viagem, um show, etc. A lista de desejos é infinita e cada um tem a sua.

Não há nada de errado em ter desejos, ao contrário! O erro está em não planejar sua vida de forma a transformar os desejos em metas a serem alcançadas gradativamente.

Comece agora pelo mais difícil: organizar as contas, olhar de forma realista para seu comportamento de consumo e traçar um plano para realizar as mudanças necessárias.

Depois que vencer esta etapa, você vai perceber que não existem metas impossíveis, e estará muito mais motivado para planejar seu futuro financeiro. E eu estarei por aqui, pronto pra compartilhar contigo o que sei e te ajudar a trilhar o caminho de endividado a investidor com consistência, rumo à independência financeira.

Eduardo Mira é formado em telecomunicações, com pós-graduação em pedagogia empresarial e MBA em gestão de investimento. É analista CNPI, certificado CPA10 e CPA20, ex-gerente do Banco do Brasil e da corretora Modal.

Os artigos assinados são de responsabilidade exclusiva dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião de Forbes Brasil e de seus editores.

Compartilhe esta publicação: