Argentina fecha acordo com FMI para reestruturar dívida de mais de US$ 40 bilhões

Segundo presidente argentino, acordo não condicionará as políticas econômicas do país e não exigirá um corte abrupto nos gastos públicos.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Gabriel Bouys/Reuters
Gabriel Bouys/Reuters

Presidente da Argentina, Alberto Fernández

Acessibilidade


A Argentina chegou a um acordo com o FMI (Fundo Monetário Internacional) para reestruturar o pagamento de uma dívida de mais de US$ 40 bilhões, disse o presidente do país, Alberto Fernández, hoje (28) em meio à prolongada crise financeira que varre o país.

O país deve cancelar um pagamento de cerca de US$ 700 milhões em dívidas hoje e enfrentará cobranças onerosas nos próximos meses que, segundo especialistas, seriam impossíveis de enfrentar sem ajuda financeira.

“Tínhamos uma dívida impagável, que nos deixava sem presente e sem futuro, e agora temos um acordo razoável que nos permitirá crescer e cumprir nossas obrigações por meio de nosso crescimento”, disse Fernández em mensagem televisionada.

O presidente de centro-esquerda, que buscava um acordo que não implicasse impacto acentuado na economia que pudesse levar mais argentinos à pobreza, explicou que o acordo não condicionará as políticas econômicas do país e não exigirá um corte abrupto nos gastos públicos.

“Este acordo não nos condiciona, poderemos atuar exercendo nossa soberania e levar adiante nossas políticas de crescimento, desenvolvimento e justiça social”, disse Fernández.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O ministro da Economia, Martín Guzmán, deve revelar detalhes do acordo em entrevista coletiva ainda hoje (28).

O Poder Executivo argentino enviará o acordo ao Congresso para que seja aprovado pela oposição, com quem o governo mantém tensões que em dezembro levaram o Parlamento a rejeitar o projeto orçamentário oficial.

Na esteira do acordo, o risco-país da Argentina caía em 14 unidades no dia, para 1.889 pontos, segundo operadores.

Compartilhe esta publicação: