BRF aprova follow-on; veja os destaques do Forbes Radar

Últimas notícias sobre: Petrobras, Direcional, MRV, Even, Mitre, Melnick, Caixa Seguridade, Mater Dei, CSN e Energias do Brasil..

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (18), a BRF aprovou uma oferta subsequente de até 325 milhões de ações e ADRs. A empresa deve destinar R$ 500 milhões do valor arrecadado para aumento de capital.

A Petrobras registrou em 2021 um novo recorde anual de produção no pré-sal, atingindo 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Confira os destaques:

BRF (BRFS3)

A BRF aprovou uma oferta subsequente de até 325 milhões de ações e ADRs.
De acordo com o documento enviado ao mercado, o preço por ação e o valor total do follow-on não foram definidos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Do total arrecadado, R$ 500 milhões irão para o capital social da BRF, e o restante será destinado à formação de uma reserva de capital.

Petrobras (PETR3/PETR4)

A Petrobras registrou em 2021 um novo recorde anual de produção no pré-sal, atingindo 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed).

Esse volume corresponde a 70% da produção total da companhia no ano passado, que foi de 2,77 milhões de boed, de acordo com o documento enviado ao mercado.

A companhia afirmou que a produção no pré-sal vem crescendo rapidamente, e o recorde registrado em 2021 representa mais do que o dobro do volume que produziu na região há cinco anos.

Direcional (DIRR3)

A Direcional assinou acordo para a aquisição de 60% de participação em quatro projetos da Cyrela na região metropolitana do Rio de Janeiro. Juntos, os empreendimentos têm um potencial estimado de até R$ 625 em valor geral de vendas (VGV).

A concretização do negócio está sujeita à definição, pelas companhias e seus assessores, da melhor estrutura, e de eventuais aprovações necessárias, incluindo a do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), disseram as empresas em comunicado.

As companhias não detalharam quais são os projetos.

“As partes acreditam que, pelas análises preliminares feitas até a presente data, irão atingir, nos empreendimentos objeto desta parceria, aproximadamente, 3.560 unidades, com um VGV potencial estimado de R$ 624,7 milhões”, afirmou a Cyrela.

MRV (MRVE3)

A MRV divulgou ao mercado, na noite de ontem, a sua prévia operacional do 4º trimestre de 2021.

De acordo com o documento, a companhia bateu recorde de valor geral de vendas (VGV), totalizando R$ 2,4 bilhões, além de ter atingido o maior volume de lançamentos da história, com R$ 3,24 bilhões.

Even (EVEN3)

A Even informou que lançou o equivalente a R$ 925 milhões no 4º trimestre de 2021, de acordo com a prévia operacional divulgada ao mercado pela companhia.

As vendas do período totalizaram R$ 504 milhões nos últimos três meses do ano.

Mitre (MTRE3)

A Mitre encerrou o último trimestre do ano com R$ 1,1 bilhão em lançamentos, enquanto as vendas líquidas ficaram em R$ 314,4 milhões, de acordo com a prévia operacional enviada ao mercado pela companhia.

Segundo o documento, as vendas cresceram 113,6% em relação ao trimestre anterior.

Melnick (MELK3)

A Melnick registrou vendas líquidas de R$ 195 milhões no 4º trimestre de 2021, alta de 182% em relação ao mesmo período do ano anterior. As vendas líquidas subiram 4% de 2020 para 2021, passando de R$ 584 milhões para R$ 607 milhões.

Caixa Seguridade (CXSE3)

A Caixa Seguridade divulgou o seu Relatório de Desempenho Mensal de novembro de 2021, no qual o segmento de previdência apresentou o segundo melhor mês do ano, ultrapassando a marca de R$ 3 bilhões em contribuições.

A capitalização da companhia também cresceu 12,9% no mês. “O crescimento de novembro/2021 frente ao mesmo mês de 2020 é reflexo do amadurecimento das operações da XS4 (início da operação em agosto/2021) e a inclusão de capitalização como um dos produtos incentivados no painel de mensuração de desempenho das Redes de Varejo e Atacado”, afirmou a companhia no documento enviado ao mercado.

Mater Dei (MATD3)

A rede de saúde Mater Dei afirmou que seu conselho de administração aprovou a compra do Instituto de Cirurgia Plástica e Oftalmologia, em Goiás, parte de uma operação de R$ 250 milhões a ser feita pela unidade RMDS.

Segundo ata de reunião do conselho realizada em 10 de janeiro e divulgada nesta segunda-feira, a RMDS terá um aumento de capital de até R$ 250 milhões a ser pago pela Mater Dei em seis parcelas. O negócio envolve 95,5% do instituto, segundo o documento.

CSN (CSNA3)

A CSN informou que retomou as operações de extração e movimentação na mina Casa de Pedra, em Minas Gerais, que estavam paralisadas desde o início de janeiro por conta das fortes chuvas na região.

Energias do Brasil (ENBR3)

A Energias do Brasil (EDP) informou ao mercado que registrou queda de 1,5% no volume de energia distribuída no 4º trimestre de 2021,em comparação com o mesmo período de 2020. No ano, o volume de energia distribuída cresceu 5,5%, de acordo com a prévia operacional da companhia. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: