Ibovespa abre em leve alta após IPCA atingir maior nível em seis anos

Dólar recua à espera das definições do Federal Reserve.

Vitória Fernandes
Compartilhe esta publicação:


Acessibilidade


O Ibovespa opera em leve alta de 0,04% na abertura do pregão de hoje (11), a 101.984 pontos perto das 10h10, horário de Brasília. Os investidores acompanham a resposta do mercado ao resultado do IPCA de dezembro. No cenário internacional, a atenção está voltada para o discurso ao Congresso dos EUA do chair do Federal Reserve, Jerome Powell, que deve abordar os próximos movimentos no combate à inflação.

O dólar recuava 0,09% ante o real por volta das 10h10. A moeda era negociada a R$ 5,6692.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A inflação ao consumidor no Brasil encerrou 2021 acima de 10%, quase o dobro do teto da meta e no nível mais elevado em seis anos, sob forte influência dos preços dos combustíveis no ano passado.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulou avanço de 10,06% em 2021, ultrapassando de longe o teto do objetivo oficial, que era de 3,75%, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O resultado acumulado no ano passado foi o mais elevado desde 2015, quando o índice chegou a 10,67%. Também ficou acima da expectativa em pesquisa da Reuters de alta de 9,97% e foi ainda muito superior ao avanço de 4,52% registrado em 2020.

Com o estouro da meta, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, terá que escrever uma carta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, explicando os motivos de o objetivo não ter sido cumprido, a sexta vez que isso ocorre desde a criação do sistema de metas para a inflação, em 1999.

“A alimentação fora do domicílio contribuiu com 3 pontos-base no aumento do IPCA, enquanto o grupo de vestuários fechou a conta para os 6 pontos-base de desvio. Para janeiro seguimos, por enquanto, na expectativa de alta de 0,54%. Evidente que alguns ajustes serão feitos, o que pode alterar a projeção, mas sem sobressaltos”, avaliou Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos.

Mercados internacionais

Nos Estados Unidos, a expectativa gira em torno do discurso de Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, o banco central dos EUA, que acontecerá na tarde de hoje, no Congresso.

No discurso, Powell deve destacar como irá usar as ferramentas do Fed para apoiar a economia e o mercado de trabalho e frear a inflação no país.

Na Ásia, as ações da China fecharam em baixa, uma vez que as expectativas de altas de juros mais rápidas nos Estados Unidos e surtos de Covid-19 no país asiático pesaram sobre o sentimento, com ações de defesa e tecnologia da informação liderando as perdas.

O Hang Seng, de Hong Kong, desvalorizou 0,03%; e o BSE Sensex, de Mumbai, fechou o dia em alta de 0,37%. Já na China continental, o índice Shanghai perdeu 0,73%; e no Japão, o índice Nikkei recuou 0,90%.

Na Europa, o Banco Central Europeu (BCE) não vê a inflação na zona do euro acima de sua meta de 2% no médio prazo, disse o economista-chefe Philip Lane ao jornal italiano Il Sole 24 Ore em entrevista publicada hoje.

A inflação anual no bloco subiu a 5% em dezembro, outra máxima recorde e bem acima da expectativa de analistas de 4,7%.

Lane reiterou que o BCE projeta que a inflação vai recuar este ano e se estabilizar abaixo da meta de 2% em 2023 e 2024.

Por lá, às 10h10 de Brasília, o Stoxx 600 ganhava 0,96%; na Alemanha, o DAX sobe 1,17%; o CAC 40 em alta de 1,23% na França; na Itália, o FTSE MIB sobe 0,93%; enquanto o FTSE 100 tem valorização de 0,67% no Reino Unido. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: