Itaú ultrapassa Nubank e se torna instituição financeira mais valiosa da América Latina

Empresas de tecnologia têm sido afetadas negativamente pelas expectativas de aumentos de juros nos EUA.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/Colaborador/Getty Images
SOPA Images/Colaborador/Getty Images

Papéis do banco digital caíram 6,34% na última sexta-feira (14)

Acessibilidade


O Nubank (NU) deixou de ser o banco mais valioso da América Latina após ver uma queda de 6,34% nas suas ações na última sexta-feira (14). O banco digital havia ganhado esse título após estrear na bolsa de valores de Nova York em dezembro. Agora, o posto é ocupado novamente pelo Itaú Unibanco.

O banco teve uma desvalorização de aproximadamente 9,8% em relação à sua estreia em Wall Street, em 9 dezembro de 2021, quando atingiu um valor de mercado de US$ 37,423 bilhões. O Itaú (ITUB4), por sua vez, acumulou alta de 9,5% no período, chegando a uma avaliação de US$ 39,212 bilhões.

No dia da estreia, o Nubank valia US$ 41,478 bilhões, enquanto o Itaú valia US$ 37,799 bilhões.

Outros grandes bancos que operam no Brasil, como Bradesco, Santander e Banco do Brasil, apresentam valores de mercado de US$ 33,899 bilhões, US$ 21,540 bilhões e US$ 15,791 bilhões, respectivamente, segundo levantamento da Economatica que considera o fechamento de hoje (17).

De maneira geral, empresas de tecnologia têm estado sob pressão nas últimas semanas, uma reação ao início do ciclo de aumento dos juros nos Estados Unidos. Segundo o Federal Reserve, banco central do país, haverá três reajustes de 0,25 ponto percentual nas taxas de juros até o fim de 2022.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Investidores acreditam que o primeiro aumento será anunciado já em março. Altas nos preços dos empréstimos costumam afetar negativamente empresas de grande crescimento.

Segundo James Bullard, presidente do Fed de St. Louis, a instituição “está em boa posição para tomar medidas adicionais à medida que for necessário controlar a inflação, incluindo elevar a taxa básica e ajustar o momento e o ritmo dos aumentos subsequentes dos juros.”

Compartilhe esta publicação: