NRF 2022: Ikea quer fazer produtos sustentáveis acessíveis a todos

Para CEO da fabricante de móveis, empresas que não priorizarem questões ambientais perderão consumidores.

Danielly Ortiz
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/NRF
Divulgação/NRF

Javier Quiñones, CEO e CSO da Ikea nos Estados Unidos, foi um dos destaques da maior feira de varejo do mundo

Acessibilidade


“A sustentabilidade tem que ser acessível para todos e não para poucos.” É assim que Javier Quiñones, CEO e CSO (chief sustainability officer) da Ikea nos Estados Unidos, resume a estratégia da gigante de móveis.

A declaração foi dada no painel “When climate becomes a business imperative” (quando o clima se torna um imperativo dos negócios) durante a NRF Big Show 2022, a maior feira de varejo do mundo.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Para o executivo, as empresas que não tiverem uma agenda sustentável como prioridade perderão consumidores, já que tem crescido consideravelmente o número de pessoas que consideram questões ambientais na hora de escolher produtos e serviços.

Umas das formas de fazer isso acontecer, na visão de Quiñones, é fazer com que o assunto sustentabilidade seja uma demanda da liderança da empresa, e não apenas uma prioridade da marca.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Se você não tem uma agenda sustentável forte, provavelmente ela vai desaparecer e menos consumidores vão querer comprar com você. Tem que ser algo que faz parte da sua vida, do seu modelo de negócio”, diz ele.

Nos últimos anos, a Ikea lançou uma série de projetos para transformar seu plano de sustentabilidade em realidade. Entregas domiciliares com emissão zero de carbono, programas de apoio e fomento a empreendedores sociais e uma iniciativa para dar segunda vida a móveis usados da marca são alguns dos pontos destacados pelo CEO.

“Há muitos anos que buscamos vender os móveis que estão em exposição com um preço menor, para que não haja desperdício. Em 2015, colocamos lâmpadas de LED nas lojas e começamos a vendê-las a um preço acessível para nossos clientes”, cita ele.

Leia mais: “Avatares serão uma extensão de nós”, diz executiva da Estée Lauder na NRF 2022

O tema da sustentabilidade é uma preocupação de longa data da Ikea. Há 20 anos, quando Quiñones começou a trabalhar na empresa, ele já participava de treinamentos e workshops sobre como tornar o negócio mais sustentável.

“Naquela época, eu não imaginava que estaria sentado aqui falando sobre sustentabilidade, mas já entendia que era necessário fazer algo pelo meio ambiente, tanto na empresa, quanto em casa.”

Quiñones encerrou sua participação no evento afirmando que o mercado do varejo tem potencial para criar um grande impacto no planeta.

“Nós empregamos milhões de pessoas no mundo. Podemos fazer tudo amanhã? Não. Vai ser uma jornada. Precisamos de um plano e precisamos fazer isso juntos.”

Para quem quer iniciar esse processo verde, o CEO dá algumas dicas.

“Um ótimo primeiro passo é ter um gerente de sustentabilidade, eles vão tentar colocar essa agenda como prioridade na empresa. O que ajuda também é estabelecer objetivos de longo prazo e objetivos de curto prazo”.

O CEO afirma que para a Ikea a preocupação com o meio ambiente já é algo natural e que até mesmo as propostas de novas ideias são filtradas pelo plano de sustentabilidade.

Quando questionado se o varejo está pronto para abraçar a agenda verde, Javier se mostra positivo.

“Eu sou otimista. Sempre vejo o copo meio cheio. Para mim, sustentabilidade tem que ser acessível para todos. Eu acredito que muitas empresas vão se juntar a nós”.

Um dos temas mais recorrentes na NRF 2022 foi a importância da sustentabilidade para atrair clientes e buscar soluções para a situação atual do planeta.

Para Javier Quiñones, CEO e chefe de sustentabilidade da Ikea, gigante dos móveis, o custo de não iniciar a mudança para uma empresa mais consciente vai ser alto.

Javier conta que, há 20 anos, quando começou a trabalhar na Ikea, já participava de treinamentos sobre como tornar a empresa mais sustentável.

“Eu não imaginava que estaria sentado aqui hoje falando sobre sustentabilidade, mas já entendia que era necessário fazer algo pelo meio ambiente, na parte profissional, do business, mas também na pessoal”, relembra o CEO.

Leia mais: Acreditamos nas oportunidades do metaverso, diz CEO da Ralph Lauren na NRF

Ikea saiu na frente, na análise do executivo, quando colocou a sustentabilidade no centro, com uma abordagem de 360 graus no plano sustentável da empresa. Para ele, é importante que os líderes das empresas falem o que estão fazendo, dividam a jornada, para que todos aprendam.

“Desde sempre buscamos vender os móveis que estão em exposição com um preço menor, para que não haja desperdício. Em 2015 colocamos lâmpadas de LED nas lojas e começamos a vendê-las a um preço acessível para nossos clientes”.

São várias as áreas onde a Ikea busca implementar o seu plano “People & Planet Positve”, pessoas e planeta positivo. O plano, disponível no site da empresa, traz as ambições para 2030. Juntamente com os funcionários, clientes e parceiros ao redor do mundo, a Ikea busca enfrentar as mudanças climáticas, o consumo insustentável e a desigualdade.

Algumas das estratégias utilizadas pela empresa são: dar uma segunda vida aos móveis Ikea, criar uma comunidade global de energia limpa, oferecer entregas domiciliares com emissão zero de carbono, apoiar empreendedores sociais e promover o equilíbrio de gênero e a igualdade social.

Umas das chaves, na visão do CEO é fazer com que o assunto sustentabilidade seja uma demanda da liderança da empresa, e não apenas uma prioridade da marca.

“Se você não tem uma agenda sustentável forte, possivelmente ela vai desaparecer e assim menos consumidores vão querer comprar com você. Tem que fazer parte da sua vida, do seu modelo de negócio”.

Javier encerra afirmando que o mercado do varejo tem potencial para criar um grande impacto no planeta.

“Nós empregamos milhões de pessoas no mundo. Podemos fazer tudo amanhã ? Não. Vai ser uma jornada. Precisamos de um plano e precisamos fazer isso juntos. A hora de agir e agora”.

Compartilhe esta publicação: