Receio pela segurança jurídica no país leva Ibovespa ao vermelho, dizem analistas

Perdas são reduzidas por conta da Petrobras, que sobe na esteira da alta do petróleo.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Adam Smigielski/Getty Images

Acessibilidade


Após abrir a sessão em tom positivo, puxado pelos mercados internacionais, o Ibovespa inverteu o sentido e passou a operar em terreno negativo na tarde de hoje (3). Às 15h57 do horário de Brasília, o índice registra queda de 0,50%, a 104.300 pontos, e analistas apontam para cenário macroeconômico e temores fiscais como os principais motivos.

“O que pressiona o índice hoje são as empresas sensíveis à alta na curva de juros”, comenta Antonio Carlos Pedrolin, líder da mesa de renda variável da Blue3. “Os juros estão subindo por conta do Boletim Focus, que piorou a perspectiva da inflação de 2023, saindo de 3,38% para 3,41%, e do PIB de 2022, saindo de 0,42% para 0,36%. Então as construtoras, incorporadoras e as varejistas estão caindo forte.”

“O que está segurando um pouco esta queda é a Petrobras, que agora sobe 2,50% por conta da Líbia, que diminuirá a sua produção de petróleo”, complementa. O analista menciona também a alta dos bancos, que se recuperam das perdas da semana passada devido às notícias da desoneração nas folhas de pagamento.

Analistas do Terra Investimentos também comentam sobre o retorno dos temores fiscais: “Ricardo Barros [líder do governo na Câmara], em entrevista, defendeu a revisão do teto de gastos devido ao ‘excesso de arrecadação pelo avanço do comércio eletrônico, que o governo precisa gastar’.”

“Alguns pontos que foram defendidos foram maiores gastos com a tragédia na Bahia e boa remuneração para o funcionalismo público, classe que vem ameaçando greve nas últimas semanas, buscando reajustes salariais”, dizem os analistas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo Felipe Vella, analista técnico da Ativa Investimentos, a notícia retoma o “sentimento de receio pela segurança jurídica no país.”

“Essa é a realidade hoje, de janeiro, e pelo visto é a realidade do ano. Começou dando sinais de que poderíamos viver uma nova história, mas pelo visto voltamos à realidade”, aponta Piter Carvalho, economista da Valor Investimentos.

O dólar opera em alta de 1,67%, negociado a R$ 5,6682. Alexandre Netto, chefe de câmbio da Acqua-Vero Investimentos, disse que essa alta é “um reflexo da forte desvalorização do dólar contra o real no pregão anterior”, com “alguns agentes realizando lucro, outros tomando posição em um dólar mais baixo”. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: