Comissão Europeia reduz estimativa de crescimento da zona do euro em 2022

Principais culpados são a nova onda de Covid-19, preços altos da energia e problemas contínuos no lado da oferta.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

Expectativa é de crescimento de 4% no PIB dos países da zona do euro em 2022, ante projeção de 4,3%

Acessibilidade


O crescimento econômico da zona do euro neste ano será mais lento do que o esperado antes devido a uma nova onda de infecções por Covid-19, preços altos da energia e problemas contínuos no lado da oferta, enquanto a inflação ficará muito mais elevada, disse a Comissão Europeia.

Em suas projeções econômicas regulares, o braço executivo da UE disse que o PIB dos 19 países que usam o euro crescerá 4,0% este ano e 2,7% em 2023.

VEJA TAMBÉM: Inflação global: qual a diferença entre a alta de preços no Brasil, nos EUA e na Europa?

A estimativa representa um corte em comparação com novembro, quando a Comissão projetou expansão de 4,3% em 2022 e 2,4% em 2023, e está perto da visão do Fundo Monetário Internacional, que prevê crescimento de 3,9% este ano e de 2,5% em 2023.

“Obstáculos múltiplos esfriaram a economia da Europa: a rápida disseminação da Ômicron, nova alta da inflação devido ao aumento dos preços de energia e interrupções persistentes na cadeia de oferta”, disse o Comissário Econômico Europeu, Paolo Gentiloni.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Com a expectativa de que esses obstáculos diminuam progressivamente, projetamos que o crescimento vai acelerar de novo.”

A Comissão projeta que a inflação este ano será de 3,5%, bem acima da meta de 2,0% do Banco Central Europeu e muito acima de sua própria projeção de novembro de 2,2%. Também é uma estimativa mais pessimista do que a do BCE em dezembro, quando o banco projetou inflação de 3,2% este ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Preocupado com a duração maior do que o esperado do aumento nos preços ao consumidor, o BCE adotou um tom mais duro com a inflação e começou a preparar os mercados para o fim de seu estímulo não convencional, com alguns membros da diretoria pedindo aumento dos juros já este ano.

Mas a Comissão, como o FMI, projeta que a inflação vai desacelerar de novo no próximo ano para 1,7%, abaixo da meta do BCE, de forma que um potencial aumento dos juros aconteceria exatamente quando a alta dos preços desacelerasse de novo. Em dezembro, o BCE projetou inflação de 1,8% para 2023.

“As pressões de preços devem permanecer fortes até o verão (do hemisfério Norte), e depois a inflação deve cair conforme se modera o aumento dos preços de energia e os gargalos de oferta diminuem. Entretanto, a incerteza e os riscos permanecem altos”, disse Gentiloni.

Compartilhe esta publicação: