Dívida bruta recua a 79,6% do PIB em janeiro com superávit primário recorde

No mês, o superávit do governo central calculado pelo BC foi recorde em R$ 77,430 bilhões.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Janeiro é sazonalmente um mês mais favorável para as contas públicas

Acessibilidade


A dívida bruta do país voltou a recuar em janeiro e ficou abaixo de 80% do PIB pela primeira vez desde abril de 2020, favorecida por um superávit recorde das contas do setor público, mostraram números do Banco Central divulgados hoje (25).

A dívida bruta ficou em 79,6% do PIB (Produto Interno Bruto) no primeiro mês do ano, de 80,3% em dezembro. Foi o terceiro mês seguido de recuo do indicador, que chegou a encostar em 89% do PIB no auge dos gastos de enfrentamento à pandemia da Covid-19 em 2020 e 2021.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As receitas do setor público superaram as despesas não-financeiras em R$ 101,833 bilhões em janeiro, maior saldo mensal da série do Banco Central, com início em dezembro de 2001. O saldo superou as despesas com juros no mês –que caíram na comparação com janeiro do ano passado em meio a ganhos do BC com operações cambiais– e o país teve um raro superávit nominal, de R$ 84,061 bilhões, o maior já registrado.

Janeiro é sazonalmente um mês mais favorável para as contas públicas, com a concentração do recolhimento de alguns tributos e despesas menores no início do ano, e este ano a arrecadação foi impulsionada por receitas expressivas de impostos que incidem sobre o lucro das empresas e sobre o setor de petróleo e metais minerais, que têm ganho com os preços elevados das commodities.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

No mês, o superávit do governo central calculado pelo BC foi recorde em R$ 77,430 bilhões. Estados e municípios e estatais também tiveram saldos expressivos, de R$ 19,977 bilhões e R$ 4,426 bilhões, respectivamente.

A dívida líquida do setor público, que computa também os ativos do governo, como as reservas internacionais, foi a 56,6% em janeiro, contra 57,2% no mês anterior.

Compartilhe esta publicação: