Dívidas privadas são risco oculto a países em desenvolvimento, alerta Banco Mundial

46% das pequenas e médias empresas nos países em desenvolvimento ficam para trás nos pagamentos da dívida dentro de seis meses.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Johannes P. Christo/Reuters
Johannes P. Christo/Reuters

Logo do Grupo Banco Mundial

Acessibilidade


Os países em desenvolvimento precisam fortalecer rapidamente seus setores financeiros, disse o Banco Mundial hoje (15), alertando que os riscos estão aumentando junto com a inflação, as taxas de juros e a falta de transparência sobre dívidas soberanas e privadas.

O Banco Mundial destacou suas preocupações de longa data com a falta de transparência sobre empréstimos chineses e empréstimos garantidos no setor de dívida soberana, mas também chamou a atenção para os riscos crescentes do setor privado em seu mais recente Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As pesquisas do banco mostraram que 46% das pequenas e médias empresas nos países em desenvolvimento devem ficar para trás nos pagamentos da dívida dentro de seis meses, mas o número foi duas vezes maior em certos países, disse a economista-chefe Carmen Reinhart em entrevista à Reuters.

A parcela de empréstimos inadimplentes permaneceu abaixo do que se temia no início da pandemia, mas Reinhart disse que políticas de tolerância e padrões contábeis relaxados podem estar obscurecendo um “problema oculto de empréstimos inadimplentes“.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“O que te pega no final não é tanto o que você vê, mas o que você não vê”, disse ela, alertando contra a complacência com a saúde financeira das famílias e empresas. “Temo que em muitos países não estejamos nem na fase de reconhecimento.”

O relatório pede maiores esforços para melhorar a transparência sobre a dívida do setor privado, uma gestão mais proativa de empréstimos inadimplentes, incluindo soluções extrajudiciais, bem como um trabalho acelerado para lidar com o estresse da dívida soberana.

Compartilhe esta publicação: