Fechamento Ibovespa: Ibovespa fecha acima dos 115 mil pontos e dólar chega a R$ 5,12

É a primeira vez neste ano que o índice supera marca; moeda estrangeira acumula cinco semanas de quedas.

Amanda Péchy
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


O Ibovespa fechou hoje (16) em leve alta de 0,31%, a 151.181 pontos, após uma sessão favorável para o índice, que anda na contramão das principais bolsas internacionais e retornou ao patamar de 115 mil pontos após cinco meses.

A bolsa brasileira contou com o impulso da Petrobras (PETR3, PETR4), que subiu acompanhando a alta dos preços do petróleo. No fim do pregão, as ações da petrolífera reduziram os ganhos após notícias de avanços nas negociações entre Irã e Estados Unidos.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve, banco central dos EUA, mostrou um tom menos duro com a inflação do que o esperado pelo mercado, o que também beneficiou o Ibovespa.

“O grande mote da ata do Fed foi que a instituição pretende ‘avisar’ os mercados de seus movimentos para não gerar surpresas. Foi uma ata mais dolce [doce]”, avalia Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Fed se encontra em uma sinuca de bico: se ajustar os juros rapidamente para conter a inflação, que está em patamar historicamente alto, corre riscos de precipitar fatores de realização nos mercados e pode causar um crash ou hard landing. Se for muito devagar, a inflação vai se perpetuar.

“Muitos fundos já estão mudando de posições, se diversificando e saindo dos mercados com potencial de risco. É um dos motivos por que países emergentes como o Brasil, que estava com os preços de ativos muito baixos, e agora está com uma taxa de juros elevada, estão atraindo capital externo”, explica Nicola Tingas, economista-chefe da Acrefi.

Influenciado por esses fatores, o dólar chegou ao valor mais baixo de 2022, fechando a R$ 5,12, uma queda de 1,01% no dia. Esta já é a sexta semana consecutiva de valorização do real frente à moeda americana.

O destaque do pregão ficou para os papéis de varejistas como Assaí (ASAI3), que subiram 7,14%, e Carrefour (CRFB3), 5,31%. Entre as maiores altas, está a CVC (CVCB3), com avanço de 5,96% e Natura (NTCO3), com 5,93%.

A Weg (WEGE3) e a JBS (JBSS3), já com tendência de queda ao longo do dia, lideraram as perdas de hoje. Os papéis da empresa frigorífica recuaram 3,88%, depois que o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) leiloou 50 milhões de suas ações.

A Weg cedeu 4,81% após decepcionar o mercado com um balanço que revelou redução da margem Ebitda.

Em Wall Street, os principais índices fecharam em queda com receio dos dois lados quanto às novas altas na taxa de juros: defensores de uma postura hawkish [dura com a inflação] temem descontrole dos preços, enquanto defensores de uma postura mais branda temem um crash dos mercados.

A volatilidade é temperada pela preocupação com a disputa política entre Rússia e Ucrânia. O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, e observadores militares de países da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) supervisionaram exercícios militares no país hoje.

O Dow Jones fechou em queda de 0,16% a 34.934 pontos; o S&P 500 recuperou-se e teve ganho leve de 0,09%, a 4.475 pontos; e o Nasdaq perdeu 0,11%, a 14.124 pontos. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: