Forbes Top 50 Blockchain: conheça as empresas que usam a tecnologia

Companhias bilionárias investiram em inovação e economizaram milhões de dólares.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Quase metade das companhias da lista tem sede fora dos Estados Unidos; 14% são chinesas

Acessibilidade


Você percorreu um longo caminho, blockchain! Desde a primeira lista Blockchain 50 da Forbes, publicada em 2019, as empresas bilionárias (por vendas ou valor de mercado) do levantamento anual foram além dos projetos piloto e agora contam com a tecnologia de “livro-razão”, ou “registro distribuído” (“distributed ledger”, em inglês), para fazer um trabalho sério.

Grande parte da ação, no entanto, acontece nos bastidores dos negócios, na parte de verificação de sinistros de seguros ou de realização de negócios imobiliários. A tecnologia também se tornou vital para as cadeias de suprimentos, seja atestando que produtos não vêm de zonas de conflito – como o cobalto – ou rastreando autopeças para a Renault.

Quase metade das empresas da lista Forbes Top 50 Blockchain está sediada fora dos Estados Unidos; 14% são chinesas. A grande novidade deste ano são empresas de capital de risco (venture capital), que investiram juntas mais de US$ 32 bilhões no setor em 2021.

SAIBA MAIS: Blockchain: mitos e verdades sobre a popularização da tecnologia

Criptomoedas, como bitcoin e ether, ocupam todas as manchetes, especialmente depois de passarem por um boom no ano passado e, em seguida, perderem mais de US$ 1 trilhão em valor de mercado desde novembro. Mas, de muitas maneiras, as criptomoedas especulativas são a aplicação blockchain menos intrigante.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O impacto mais duradouro dessa tecnologia ocorrerá à medida que mais e mais multinacionais usarem blockchain em suas operações diárias, aumentando infinitamente a eficiência de seus negócios.

Por Maria Abreu, Nina Bambysheva, Justin Birnbaum, Lauren Debter, Michael del Castillo, Steven Ehrlich, Chris Helman, Katie Jennings, Jeff Kauflin, Javier Paz, Jon Ponciano e Marie Schulte-Bockum.

Adobe

San Jose, Califórnia
Em outubro de 2021, a empresa por trás do Photoshop e do PDF lançou o Content Attribution, que permite que os criadores exportem suas imagens diretamente para certas exchanges de tokens não fungíveis (NFTs), como KnownOrigin, OpenSea, Rarible e SuperRare.

O recurso permite que os artistas protejam seus trabalhos contra fraudes, provando irrefutavelmente sua origem antes leiloar as obras como NFTs. O serviço estará disponível para todos os 20 milhões de assinantes da Creative Cloud da Adobe.

Plataforma de blockchain: Ethereum
Executivos envolvidos: Will Allen, vice-presidente da Adobe, supervisor da Iniciativa de Autenticidade de Conteúdo

Allianz

Munique, Alemanha
A gigante de seguros (foram US$ 164 bilhões em vendas nos últimos 12 meses) usa blockchain para simplificar registros de sinistros de automóveis transfronteiriços na Europa. Equipes diferentes e bancos de dados incompatíveis costumavam gerar muitos emails, e os processos levavam meses para serem resolvidos.

Agora, há um único registro de origem de cada sinistro. O tempo de processamento foi reduzido para minutos e os custos caíram 10%. A tecnologia é usada por 25 subsidiárias da Allianz para processar 850 mil sinistros.

Plataformas de blockchain: Hyperledger Fabric, Corda
Executivos envolvidos: Bob Crozier, arquiteto-chefe da Allianz Technology e chefe global de blockchain do Allianz Group

Andreessen Horowitz

Menlo Park, Califórnia
Indiscutivelmente a maior investidora de criptomoedas do mundo, a firma de capital de risco também conhecida como “a16z” levantou cerca de US$ 3,1 bilhões em três fundos dedicados a blockchain nos últimos três anos. Isso inclui o enorme Crypto Fund III, de US$ 2,2 bilhões, lançado em junho de 2021. No total, a empresa financiou pelo menos 60 startups que trabalham com blockchain e foi uma das primeiras investidoras da Coinbase, agora avaliada em US$ 34 bilhões.

A a16z também espera moldar a regulamentação de criptomoedas – a firma recentemente contratou ex-funcionários da SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos), do Departamento do Tesouro e do Departamento de Justiça norte-americano para pressionar o legislativo.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum, Solana, Flow, Celo, Near, Arweave e outras
Executivos envolvidos: Chris Dixon, sócio e líder da a16z Crypto

Ant Group

Hangzhou, China
Desde julho de 2020, a empresa afiliada do Alibaba dedicou 10 mil desenvolvedores ao blockchain. Eles já criaram 30 aplicativos, gerando mais de 100 milhões de documentos rastreados por blockchain, incluindo patentes, comprovantes e recibos de depósito.

O aplicativo AntChain mais maduro é o Trusple (Trust Made Simple), que conecta compradores internacionais de produtos e componentes – miçangas da indústria de vestuário, por exemplo – a seis milhões de vendedores chineses. O aplicativo simplifica impostos, alfândegas e frete, e permite que os bancos concluam o pagamento instantaneamente, reduzindo os custos de auditoria e o risco de inadimplência.

Quase 20 bancos globais, incluindo CitiBank, BNP Paribas, DBS (Singapura) e Mizuho (Japão), fornecem financiamentos por meio da plataforma.

Plataforma de blockchain: AntChain
Executivos envolvidos: Geoff Jiang, presidente do Grupo de Negócios de Tecnologia Inteligente, Ant Group

Anthem

Indianápolis, Indiana

A licenciada da Blue Cross Blue Shield que registrou US$ 137 bilhões em vendas está testando o blockchain para tentar acelerar um processo administrativo misterioso conhecido como “coordenação de benefícios”, que determina qual é a seguradora principal de um sinistro.

O processo normalmente requer uma série de faxes (sim! Faxes!) e telefonemas, e pode levar até três meses. Por meio de um livro-razão compartilhado com a Health Care Service Corporation, com sede em Chicago, as empresas agora fazem essa operação em minutos ou horas para um grupo de pacientes que utilizam o programa Medicaid no Texas. A aplicação de blockchain da Anthem processa cerca de três a cinco mil verificações por mês.

Plataforma de blockchain: Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Rajeev Ronanki, presidente de plataformas digitais da Anthem

Aon

Dublin, Irlanda
Cancelamentos não intencionais de apólices são um grande problema para as seguradoras e geralmente ocorrem quando um cliente paga menos do que deve, ou se esquece de pagar uma mensalidade.
Em 2021, a corretora de seguros Aon (US$ 12 bilhões em vendas nos últimos 12 meses) fez uma parceria com a seguradora Zurich para migrar o processo de cobrança para um livro-razão de blockchain imutável – gerando uma diminuição de dois dígitos nos avisos de cancelamento.

A tecnologia, conhecida como Adept, foi desenvolvida por uma subsidiária da Acord, órgão sediado em Pearl River, em Nova York, que estabelece os padrões para seguradoras globais. A Aon espera trazer mais dez empresas para sua blockchain este ano.

Plataforma de blockchain: Corda
Executivos envolvidos: Christa Davies, CFO

A.P. Moller – Maersk

Copenhague, Dinamarca
A segunda maior transportadora de contêineres do mundo (US$ 54,5 bilhões em 12 meses) agora conta com 250 portos e 20 transportadoras marítimas usando sua blockchain proprietária TradeLens, que reduz o tempo e a burocracia do rastreamento de contêineres enquanto eles são transportados pelos portos marítimos globais.

A gigante de roupas esportivas Puma, que despacha suas mercadorias no norte da Alemanha, agora pode rastrear um contêiner específico em segundos, em vez de horas, de acordo com a Maersk.

O TradeLens, que a Maersk co-desenvolveu com a IBM em 2018, rastreou mais de 55 milhões de remessas de contêineres e agora está sendo usado por outros gigantes do transporte, como a alemã Hapag-Lloyd e a Ocean Network Express de Singapura.

Plataformas de blockchain: TradeLens, Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Christian Hammer, diretor de tecnologia

Baidu

Pequim, China
A quarta maior empresa de tecnologia da China tem 20.000 desenvolvedores criando (principalmente) aplicativos financeiros em seu blockchain de código aberto. No ano passado, eles geraram US$ 47 milhões em receita, quase insignificante para a empresa de US$ 15,5 bilhões (vendas), mas o futuro parece brilhante.

Em setembro, o Baidu ganhou seu maior contrato até hoje: um acordo de US$ 25 milhões com o governo de Tongxiang, uma cidade a sudoeste de Xangai. A empresa vai construir um software para rastrear a cadeia de suprimentos de cerca de US$ 5 bilhões em fibras sintéticas usadas para fazer roupas no centro industrial têxtil. A eficiência de mover o fluxo de trabalho para um livro-razão compartilhado já reduziu os custos de empréstimos em 50 pontos-base. O Baidu estima que o blockchain ajudou a reduzir o consumo de energia da cadeia de suprimentos em 17% e pode remover 15.000 toneladas de dióxido de carbono do meio ambiente a cada ano.

Plataforma de blockchain: XuperChain
Executivos envolvidos: Xiao Wei, gerente-chefe da Baidu Blockchain

BHP

Melbourne, Austrália
Em 2020, a BHP, a mineradora multinacional anglo-australiana de US$ 61 bilhões (vendas), vendeu seu primeiro carregamento “sem papel” de minério de ferro australiano para a China. Isso evoluiu para que, em 2021, todos os documentos e dados de emissões do comércio de concentrado de cobre para a China estivessem concentrados em sua plataforma blockchain MineHub.

Desde então, a BHP adotou a rastreabilidade baseada em blockchain para garantir que não haja “diluição” do níquel que vende para a fábrica de baterias da Tesla em Xangai e para rastrear as emissões de carbono do cobre que envia do Chile para a fabricante de cabos elétricos Southwire em Carrollton, Geórgia, nos EUA. A BHP agora está negociando com fornecedores para usar blockchain para garantir que a borracha dos 6.000 pneus de caminhões que usa a cada ano seja produzida sem trabalho escravo ou desmatamento ilegal.

Plataformas de blockchain: MineHub, Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Michiel Hovers, diretor de vendas e marketing do grupo

Block

São Francisco
A outra empresa do cofundador do Twitter Jack Dorsey, anteriormente conhecida como Square, gerou US$ 42 milhões em taxas da corretora de bitcoin do Cash App apenas no terceiro trimestre de 2021. É uma maneira segura e fácil para os novatos em criptomoedas entrarem no jogo: Block gerou US$ 9,8 bilhões na receita das vendas de bitcoin nos 12 meses encerrados em setembro de 2021.

Dorsey deixou o Twitter em novembro e é um defensor de criptomoedas, assim a Block deve se apoiar em seu novo nome. Em julho, criou um negócio chamado TBD, focado na construção de um sistema financeiro descentralizado para construir um sistema de mineração de bitcoin de alta eficiência energética.

Plataforma de blockchain: Bitcoin
Executivos envolvidos: Jack Dorsey, CEO

BNY Mellon

Nova Iorque
Este banco de 238 anos está abraçando totalmente o futuro: a instituição que Alexander Hamilton começou agora quer ser o rei dos serviços de back-office para ETFs de criptomoedas. A empresa já possui 90% de participação de mercado no Canadá, o que significa que fornece serviços fiscais e administrativos para a maioria dos 17 EFTs de criptomoedas atualmente negociados no país. Em outubro, anunciou outro grande candidato ao EFT, o Bitcoin Trust, de US$ 23 bilhões, da Grayscale. A Fireblocks, com sede em Nova York, que fornece serviços de custódia de criptomoedas, é um novo investimento do BNY Mellon, avaliado em US$ 8 bilhões.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum
Executivos envolvidos: Roman Regelman, CEO de serviços de ativos e chefe de digital; Mike Demissie, chefe de ativos digitais; Ben Slavin, chefe global de EFTs

Boeing

Chicago
A Boeing está em parceria com a TrustFlight do Canadá e a desenvolvedora RaceRocks para construir o chamado sistema de registro digital de aeronaves, que ajuda as companhias aéreas a ficarem atualizadas acerca da manutenção necessária. Isso expande a iniciativa blockchain anterior da Boeing, ao lado da plataforma GoDirect Trade da Honeywell, que em 2020 vendeu com segurança US$ 1 bilhão em peças de aeronaves da Boeing. Com o tempo, eles vislumbram uma plataforma global de registros de aeronavegabilidade, que poderia economizar 25% em custos de manutenção – ou seja, bilhões de dólares por ano – em todo o setor.

Plataformas de blockchain: Go Direct, Hyperledger Fabric, Hyperledger Indy
Executivos envolvidos: Charles S. Sullivan, presidente, Boeing Canada Operations

Breitling

Greenchen, Suíça
A relojoaria de luxo agora rastreia 320.000 relógios no blockchain, dando aos clientes acesso ao histórico detalhado do produto e prova de autenticidade. A Breitling também usa a tecnologia para entrar no mercado de revenda: clientes poderão obter uma avaliação instantânea do produto através de sua carteira digital e, do outro lado, verificar o número de proprietários anteriores e o histórico de reparos.

Em fevereiro, a Breitling permitirá que proprietários europeus comprem, vendam ou troquem relógios online; já permite que os clientes troquem relógios antigos por crédito na loja. Está realizando testes na Suíça para permitir que os clientes alertem rapidamente a polícia sobre bens roubados por meio de sua carteira digital e está experimentando reivindicações de garantia baseadas em blockchain para relógios perdidos.

Plataforma de blockchain: Ethereum
Executivos envolvidos: Antonio Carriero, diretor digital e de tecnologia

China Construction Bank

Pequim, China
O segundo maior banco do mundo, com US$ 4,7 trilhões em ativos, até agora processou US$ 141 bilhões em transações em blockchains privados para tudo, desde financiamento da cadeia de suprimentos até pagamentos internacionais. Entre seus produtos mais recentes está o EasyPay, projetado para tornar grandes transações burocráticas mais simples para as corporações, com menos erros e menos necessidade de auditorias.

Se uma empresa em Guangxi quiser comprar óleo de palma de Labuan, na Malásia, as contrapartes podem colocar seu contrato comercial, recibos e guias de transporte no livro-razão compartilhado. As agências locais do CCB podem processar os dois lados da negociação em paralelo, em vez de sequencialmente. O resultado: o tempo total do acordo é reduzido de dois dias para cerca de dez minutos. A plataforma agora conecta 14 mil agências bancárias.

Plataformas de blockchain: Tianshu BaaS, CCB Chain, BC Trade 2.0
Executivos envolvidos: Lei Xing, gerente sênior da CCB Financial Technology Company

CME Group

Chicago
Em outubro, o valor em dólar dos futuros de criptomoedas da Chicago Mercantile Exchange atingiu US$ 4,7 bilhões diariamente, tornando temporariamente a CME a maior bolsa de derivativos de criptomoedas do mundo. Nesse mesmo mês, a SEC aprovou o primeiro ETF de futuros de bitcoin dos EUA, o Proshares Bitcoin Strategy ETF (BITO), que agora possui US$ 1 bilhão em ativos. A CME lançou contratos futuros de criptomoedas para ethereum, bem como futuros “micro” bitcoin e “micro” ethereum, adaptados para quem deseja investir US$ 150.000 ou menos.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum
Executivos envolvidos: Tim McCourt, chefe global de índice de ações e investimentos alternativos

Coinbase

São Francisco
A maior exchange de criptomoedas dos EUA abriu seu capital em abril de 2021, e seu valor de mercado chegou a US$ 94 bilhões antes de se estabelecer nos recentes US$ 40 bilhões. No terceiro trimestre de 2021, a Coinbase registrou mais receita (US$ 1,3 bilhão) e lucro líquido (US$ 406 milhões) do que em todo o ano de 2020, enquanto sua base de clientes aumentou de 43 milhões para 73 milhões nos primeiros nove meses do ano.

A seguir: diversificação. Seu software “Coinbase Cloud” visa ajudar os desenvolvedores a criar aplicativos de criptografia e, em outubro, anunciou um mercado NFT para competir com o OpenSea. Um mês depois, o CEO Brian Armstrong disse aos investidores que a Coinbase NFT poderia se tornar “tão grande ou maior” do que seus negócios de trading.

Plataformas blockchain: Bitcoin, Ethereum e dezenas de outras
Executivos envolvidos: Brian Armstrong, CEO

De Beers

Londres
A produtora de diamantes de US $ 5,1 bilhões (vendas de 12 meses) registrou mais de 400.000 pedras, no valor de cerca de US $ 2 bilhões, em sua blockchain Tracr – um aumento de 50% desde janeiro de 2021. A plataforma registra o corte, a cor, a clareza e o quilate de um diamante e, em seguida, rastreia a cadeia de suprimentos. Os usuários podem verificar instantaneamente a origem e a autenticidade da pedra com uma simples digitalização, eliminando a necessidade de uma verificação por correio cara e demorada.

A Tracr agora tem mais de 30 participantes do setor, incluindo Zales, Jared e Kay Jewelers.

Plataformas de blockchain: Tracr, Ethereum
Executivos envolvidos: Jason McIntosh, diretor de produto, Tracr

Depository Trust & Clearing Corporation

Jersey City, New Jersey
Se você comprou ou vendeu um título nos EUA no ano passado, é provável que os serviços de compensação e liquidação tenham sido fornecidos pela DTCC, de longe a maior empresa de pós-serviços do mundo. Em setembro, a DTCC – que processou US$ 2,3 quatrilhões em negócios em 2020 (valor nominal total dos títulos; vendas de US$ 2 bilhões em 12 meses) –, concluiu com sucesso um teste de seis meses em um projeto de blockchain que reduzirá tanto erros quanto o tempo de acordos (de dois dias para menos de um).

O principal serviço da DTCC continua sendo títulos cotados na bolsa, mas seu novo aplicativo Digital Securities Management tem como alvo empresas pré-IPO com ações negociadas de forma privada.

Plataformas de blockchain: ION, DSM, Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Rob Palatnick, diretor administrativo e chefe global de pesquisa tecnológica; Jennifer Peve, diretora administrativa e chefe de estratégia

Digital Currency Group

Stamford, Connecticut
Pense no DCG como um conglomerado de criptomoedas. A empresa possui cinco grandes empresas desse ativo: a plataforma de negociação Genesis, o site de notícias Coindesk, a exchange de ativos digitais e carteira Luno, a empresa de mineração de bitcoin Foundry e, por fim, a Grayscale, a maior gestora de ativos digitais do mundo, com mais de 150 empresas de portfólio e US$ 39,6 bilhões sob gestão.

Em novembro, a DCG arrecadou US$ 700 milhões em uma venda privada de ações liderada pelo Softbank em uma avaliação de US$ 10 bilhões, elevando o patrimônio líquido do fundador Barry Silbert para US$ 3,2 bilhões. A mais nova startup da DCG, Foundry, aproveitou a proibição de mineradores de criptomoedas da China em maio para criar o maior pool de mineração de bitcoin do mundo, fornecendo 19% do poder total de processamento da rede.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum, Litecoin e outros
Executivos envolvidos: Barry Silbert, CEO

Fidelity

Boston
A Fidelity começou a minerar bitcoin em 2015, quando estava sendo negociada abaixo de US$ 500. Ela tornou-se uma das primeiras intituições tradicionais a se interessar por criptomoedas e hoje administra ativos de US$ 11,1 trilhões. Mas, fiel à sua natureza conservadora, a gigante (2020: vendas de US$ 21 bilhões) evitou que os clientes de varejo pudessem adquirir criptomoedas diretamente. Seu principal nicho de cripto hoje não é o varejo, mas o fornecimento de serviços de custódia e pesquisa para clientes institucionais, por meio de sua unidade Fidelity Digital Assets.

O número desses grandes clientes dobrou para quase 200 em 2021. Em seguida: expansão no exterior. No ano passado, a Fidelity lançou um EFT de bitcoin canadense e garantiu uma licença permanente de criptoativos do regulador financeiro do Reino Unido.

Plataforma de blockchain: Bitcoin
Executivos envolvidos: Tom Jessop, chefe da Fidelity Digital Assets

FTX

Nassau, Bahamas
Liderada por Sam Bankman-Fried, de 29 anos, o bilionário de criptomoedas mais rico do mundo (patrimônio líquido: US$ 26,5 bilhões), a FTX domina o cenário hipercompetitivo das exchanges de criptomoedas. Ele lida com cerca de 10% do valor de face de US$ 3,4 trilhões de derivativos (principalmente futuros e opções) negociados por investidores de criptomoedas a cada mês. A FTX embolsa 0,02% de cada uma dessas negociações, em média, por cerca de US$ 750 milhões em receita quase livre de risco e US$ 350 milhões em lucro.

Além disso, a empresa arrecadou um recorde de US$ 1,5 bilhão em financiamento privado no ano passado, elevando sua avaliação de US$ 1,2 bilhão para US$ 25 bilhões. Ansiosa para se tornar um nome familiar, a FTX está investindo centenas de milhões de dólares em marketing e adotando uma série de embaixadores-celebridades, incluindo Tom Brady, David Ortiz e Kevin O’Leary.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum, Solana e dezenas mais
Executivos envolvidos: Sam Bankman-Fried, CEO

Fujitsu

Tóquio, Japão
A empresa de telecomunicações e hardware de computador de US$ 32 bilhões (vendas de 12 meses) administra um laboratório de inovação blockchain em Bruxelas com mais de 40 clientes – de uma startup de comércio de arroz à gigante cervejaria Anheuser-Busch. As empresas usam o laboratório para testar novas ideias, apoiadas pela experiência técnica da Fujitsu.

Em novembro, por exemplo, a empresa de purificação de água Botanical Water Technologies começou a construir uma plataforma de negociação usando a tecnologia de livro-razão da Fujitsu, que permitirá que usinas de açúcar, destilarias e fabricantes de cola vendam ou reutilizem a água que normalmente descartariam durante a produção. A plataforma, lançada em abril, rastreará a água à medida que for purificada, vendida e entregue, e dará às empresas a opção de doar uma parte de sua água purificada para comunidades com escassez de água.

Plataformas de blockchain: Hyperledger Fabric, Besu e Cactus, além de Ethereum
Executivos envolvidos: Frederik De Breuck, chefe do Enterprise Blockchain Solution Center; Shingo Fujimoto, gerente do laboratório de dados e segurança da Fujitsu Research

Industrial and Commercial Bank of China

Pequim
O maior banco do planeta (US$ 5,6 trilhões em ativos) tem 40 aplicações de blockchain, que no ano passado movimentaram um total de mais de US$ 48 bilhões. Entre as aplicações mais inovadoras está o Icago, que premia os usuários por utilizarem veículos “verdes”, sejam trens, ônibus ou carros elétricos. A blockchain do banco conecta carteiras de clientes do ICBC a dados de transporte do governo. Os créditos de carbono, emitidos pela comissão de trânsito como tokens não fungíveis, podem ser resgatados pela nova moeda digital do banco central da China.

No futuro, as emissões de carbono securitizadas serão vendidas como títulos para empresas que buscam atender aos requisitos de redução de carbono. Em Qingdao, cidade conhecida por sua cerveja, o programa removeu 99.000 kg de carbono em 2021. Este ano, o programa se expandirá para Shenzhen, Xangai, Chengdu e outras sete cidades.

Plataforma de blockchain: Emperor Seal Chain
Executivos envolvidos: Chaowei Liu, gerente principal

JPMorgan Chase

Nova York
A rede Onyx Digital Assets do JPMorgan está fazendo ondas no enorme mercado de recompra – mercado noturno de títulos do governo –, que movimenta US$ 1,5 trilhão por dia. Ao usar contratos inteligentes e a JPM Coin, uma versão digitalizada do dólar americano, as negociações de recompra da Onyx são liquidadas em tempo real em vez de durante a noite, reduzindo o risco de liquidação e o processamento manual.

O aplicativo de recompra intradiário até agora permitiu a movimentação de US$ 230 bilhões em negócios, completando cerca de US$ 1 bilhão em transações por dia. Em junho, o Goldman Sachs começou a usar o Onyx.

Plataformas de blockchain: ConsenSys Quorum
Executivos envolvidos: Umar Farooq, CEO da Onyx pelo JPMorgan

Kakao Corporation

Jeju-si, Coreia do Sul
O maior aplicativo de mensagens da Coreia do Sul, o KakaoTalk, é usado por quase 90% dos 52 milhões de habitantes do país. Em maio de 2021, lançou um mercado para negociar NFTs. Chamada de KraafterSpace, a exchange é totalmente integrada ao OpenSea, o mercado NFT de São Francisco arrecadou US$ 13,3 bilhões, de acordou com avaliação recente. No KraafterSpace, os usuários podem comprar obras de arte tokenizadas diretamente pelo aplicativo de mensagens do Kakao com a carteira digital Klip Drops.

Tanto o KrafterSpace quanto o Klip Drops são construídos na própria blockchain da Kakao, Klaytn, que tem mais de 800.000 usuários ativos. Separadamente, em agosto, a Kakao lançou o fundo Klaytn Growth, de US$ 515 milhões, para apoiar desenvolvedores dispostos a contribuir para o ecossistema de seu blockchain.

Plataforma de blockchain: Klaytn
Executivos envolvidos: David Shin, chefe da Klaytn Global Adoption

LINE Corporation

Tóquio, Japão
Parte da Z Holdings, o conglomerado de internet japonês de US$ 36 bilhões (valor de mercado) – que também é dono do Yahoo Japan e do concorrente japonês do PayPal –, o LINE é o maior aplicativo de mensagens do país, com 300 milhões de usuários. A empresa desenvolveu uma blockchain, também chamada LINE, de propriedade do Softbank Group e do conglomerado de internet sul-coreano NAVER Corporation.

Seus serviços incluem troca de criptomoedas, mercado NFT e carteira digital com mais de 254.000 contas registradas. A criptomoeda associada, LINK, é um grande sucesso, atraindo quase um milhão de mineradores. No final de janeiro, tinha um valor de mercado de US$ 669 milhões.

Plataforma de blockchain: LINE Blockchain
Executivos envolvidos: Woosuk Kim, CEO da Unblock e LINE Tech Plus; Keun Koo, chefe de desenvolvimento de blockchain da Unchain

Marathon Digital Holdings

Las Vegas
Cinco anos atrás, a Marathon era conhecida principalmente como troll de patentes, entrando com uma série de ações (a maioria resolvida fora dos tribunais) contra gigantes corporativos como Apple, Amazon, Dell, Yahoo, Pinterest e Twitter. Em 2017, a operação teve receita anual inferior a US$ 1 milhão e valor de mercado inferior a US$ 10 milhões.

Em 2017, a empresa se voltou completamente para a mineração de bitcoin. Hoje, é negociada na Nasdaq e tem um valor de mercado de US$ 2 bilhões, em receita de menos de US$ 100 milhões. Grande beneficiária da proibição de mineração de bitcoin da China, a Marathon atualmente detém pelo menos 8.133 bitcoins no valor de US$ 300 milhões.

A empresa pretende colocar em funcionamento mais 70.000 servidores no início de 2022, aumentando para 199.000 seus computadores dedicados à mineração de criptomoedas, o que deve atender a aproximadamente 1,2% da atividade global de mineração de bitcoin.

Plataforma de blockchain: Bitcoin
Executivos envolvidos: Fred Thiel, CEO

MasterCard

Purchase, Nova York
Vinte e quatro cartões de cripto, incluindo Gemini, Uphold, CoinJar e BitPay, foram lançados pela Mastercard. Seus clientes podem gastar seus ativos digitais em 80 milhões de fornecedores em todo o mundo. Em outubro, a gigante dos cartões de crédito fez parceria com a Bakkt, uma subsidiária da Intercontinental Exchange (proprietária da Bolsa de Valores de Nova York), que fornecerá tecnologia para permitir que ainda mais emissores de Mastercard possam acomodar transações de criptomoedas.

A Mastercard também administra uma incubadora de blockchain chamada “Start Path”, que até agora auxiliou 12 startups de criptomoedas, dando-lhes acesso direto aos produtos, clientes, workshops e orientação da empresa multinacional.

Plataformas de blockchain: Terra, Rootstock, Monero, Bitcoin Cash, Litecoin, Bitcoin, Ethereum, Avalanche
Executivos envolvidos: Raj Dhamodharan, vice-presidente executivo de ativos digitais e produtos e parcerias de blockchain

Meta

Menlo Park, Califórnia
A decisão do Facebook trocar de nome para Meta e entrar no “metaverso” teórico pode ser uma benção para o blockchain, assim como para o Facebook, com sua comunidade global de 2,9 bilhões de membros. Afinal, um mundo virtual imersivo e abrangente é um ambiente natural para criptomoedas, avatares personalizados, NFTs, jogos de blockchain, carteiras digitais e muito mais.

Vamos torcer para que o Facebook tenha mais sucesso com o metaverso do que fez com a Libra, sua criptomoeda badalada que foi anunciada em 2019, renomeada “Diem” em 2020 e vendida para o banco californiano Silvergate Capital em janeiro de 2022 por US$ 182 milhões. Até o momento, pouco se sabe sobre a tecnologia subjacente ao metaverso do Facebook.

Plataforma de blockchain: Desconhecida
Executivos envolvidos: Mark Zuckerberg, CEO

MicroStrategy

Tysons, Virgínia
O provedor de software empresarial MicroStrategy e seu CEO, Michael Saylor, são os maiores proprietários corporativos de bitcoin da América. A empresa da área de Washington D.C., que nominalmente fabrica softwares de negócios para lidar com burocracias, se transformou durante a pandemia em uma potência de negociação de criptomoedas.

A MicroStrategy agora detém 124.391 moedas no valor de US$ 4,6 bilhões e registrou quase US$ 846 milhões em lucros de negociação de criptomoedas desde agosto de 2020.

Plataforma de blockchain: Bitcoin
Executivos envolvidos: Michael Saylor, CEO

NBA (National Basketball Association)

Nova York
A plataforma Top Shot da NBA transformou o negócio de memorabilia esportiva, trazendo NFTs para fãs que normalmente não teriam acesso aos produtos. Alimentado pela blockchain “Flow” da Dapper Labs, sediada em Vancouver, British Columbia, os usuários podem comprar, vender e coletar “momentos”, semelhantes a cartões comerciais digitais – como uma enterrada de LeBron James que recentemente foi vendida por um recorde de US$ 230.023.

Sua popularidade também não está diminuindo. Desde novembro de 2020, 1,3 milhão de pessoas criaram contas no Top Shot, e as vendas totais subiram de US$ 2,5 milhões para US$ 992 milhões. O grande sucesso do Top Shot gerou uma curiosidade mais ampla sobre criptomoedas na liga. A NBA formou um subcomitê de blockchain para avaliar oportunidades futuras, lançou uma versão para a WNBA do Top Shot e entrou em uma parceria de vários anos com a exchange de criptomoedas Coinbase.

Plataforma de blockchain: Flow
Executivos envolvidos: Adrienne O’Keeffe, vice-presidente de parcerias globais e mídia

NCR

Atlanta
A fabricante de caixas eletrônicos de 141 anos quer criar uma enorme rede global de 1,5 milhão de locais que permitirá que os transeuntes comprem bitcoin e outras criptomoedas. Em janeiro, comprou a LibertyX, com sede em Boston, uma empresa de caixas eletrônicos de bitcoin que possui 30.000 máquinas espalhadas pelos Estados Unidos. Em junho, a NCR gastou US$ 2,5 bilhões para comprar a Cardtronics, uma empresa de Houston com 285.000 caixas eletrônicos em Circle Ks, CVSs e Krogers nos EUA e em outros nove países. Bitcoin, ethereum e algumas outras criptomoedas devem estar disponíveis nessas máquinas até o segundo semestre do ano.

Plataforma de blockchain: Bitcoin
Executivos envolvidos: Tim Vanderham, CTO

Nornickel

Moscou, Rússia
Por meio de seu Swiss Global Palladium Fund, o maior produtor mundial de paládio e níquel refinado (US$ 17,7 bilhões, vendas de 12 meses), emitiu US$ 1,3 bilhão em contratos tokenizados para seus metais preciosos e básicos, incluindo ouro, prata, platina, paládio, cobre e níquel. Os contratos, armazenados na blockchain Atomyze, ajudam usinas como Umicore, Traxys e Glencore a rastrear a origem e impactos ambientais de seus metais e facilitam o ajuste dos níveis de estoque.

Plataforma de blockchain: Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Marco Grossi, CEO, Atomyze AG; Alexander Stoyanov, CEO, Global Palladium Fund

Oracle

Austin, Texas
Em 2030, cerca de 40% de todos os carros novos serão elétricos. A demanda por cobalto, usado em baterias de veículos elétricos, está aumentando. Quase dois terços do suprimento mundial de cobalto são extraídos na República Democrática do Congo, um país devastado pela guerra e onde o trabalho infantil e outros abusos dos direitos humanos são comuns.

A Oracle e a startup britânica Circulor, que rastreia a cadeia de suprimentos de matérias-primas, construíram uma plataforma blockchain para descobrir a proveniência de recursos de alto risco em áreas de conflito, como o cobalto. Muitos dos maiores fabricantes de veículos elétricos do mundo, incluindo Volvo, Mercedes-Benz e Polestar, contrataram o serviço, construído na blockchain da Oracle.

Plataformas de blockchain: Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Wei Hu, vice-presidente sênior de tecnologias de alta disponibilidade

Paradigm

São Francisco
Lançada em 2018 pelo cofundador da Coinbase, Fred Ehrsam, e pelo ex-parceiro da Sequoia Capital, Matt Huang, a Paradigm rapidamente se tornou uma das empresas de criptomoedas mais proeminentes do mundo. Os investimentos, que variam de US$ 1 milhão a mais de US$ 100 milhões, incluem FTX, Coinbase, Chainalysis, Uniswap e Sky Mavis. Dezesseis já estão avaliados em US$ 1 bilhão ou mais.

Em novembro, a Paradigm anunciou um novo fundo de US$ 2,5 bilhões, o maior fundo de capital de risco centrado em criptomoedas de todos os tempos.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum e outros
Executivos envolvidos: Fred Ehrsam e Matt Huang, cofundadoresPayPal

Paypal

São José, Califórnia
Em outubro de 2020, o PayPal lançou um serviço de corretagem de criptomoedas como parte de seu grande plano de se tornar um super aplicativo financeiro completo. Os usuários de criptomoedas se envolvem com o aplicativo duas vezes mais do que os clientes regulares, e sua oferta de recompensas de criptomoedas por meio do cartão de crédito Venmo tem sido um grande sucesso entre os usuários mais jovens.

Embora a empresa agora permita que os clientes dos EUA comprem até US$ 100.000 em criptomoedas por semana, a maioria das transações é muito menor; o volume diário de negociação é estimado em abaixo de US$ 50 milhões. Olhando para o futuro, a empresa quer expandir suas ofertas de criptomoedas além dos EUA e do Reino Unido e está explorando o lançamento de sua própria stablecoin.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash, Litecoin
Executivos envolvidos: Dan Schulman, presidente e CEO; Jose Fernandez da Ponte, vice-presidente sênior e gerente geral de blockchain, criptomoedas e moedas digitais

Ping An (OneConnect)

Shenzhen, China
Por meio da plataforma de financiamento blockchain de sua subsidiária OneConnect, a sexta maior empresa do mundo fez mais de US$ 12 bilhões em empréstimos para um milhão de pequenas e médias empresas na província chinesa de Guangdong desde janeiro de 2020. O software da OneConnect usa dados do governo para analisar o perfil de risco de quem pede empréstimos para bancos, reduzindo o processamento de transações para menos de 10 minutos – uma enorme economia de dinheiro para suas as 788 instituições financeiras que são suas clientes.

Em novembro, uma subsidiária da OneConnect fez parceria com o Banco Popular da China para usar blockchain para rastrear e processar o financiamento de importações e exportações da China continental e Hong Kong.

Plataforma de blockchain: FiMAX
Executivos envolvidos: Li An, diretora associada de produto

Providence

Renton, Washington
Em 2019, Providence, um sistema de saúde católico sem fins lucrativos, adquiriu a Lumedic, startup de tecnologia em saúde de Seattle. O prêmio? A blockchain da Lumedic, que ajuda a resolver problemas administrativos demorados, como “autorização prévia” – quando um médico precisa verificar com a seguradora de um paciente para garantir que certas cirurgias ou medicamentos sejam cobertos. Em 2021, 16 dos hospitais de Providence e quatro clínicas nos estados de Washington, Montana e Oregon estavam usando seu livro-razão compartilhado para acelerar o tempo de processamento de autorização prévia de dias para horas. No ano passado, mais de 40.000 tratamentos foram processados ​​na blockchain da Lumedic.

Plataforma de blockchain: Corda
Executivos envolvidos: Kimberly Sullivan, diretora de ciclo de receita, Providence; Mike Nash, CEO

Renault

Boulogne-Billancourt, França
Em resposta aos crescentes requisitos técnicos dos reguladores europeus, a montadora francesa (US$ 53 bilhões em vendas em 12 meses) lançou a plataforma blockchain Xceed em abril para rastrear milhares de peças de automóveis que entram em cada veículo fabricado em 16 fábricas em toda a Europa.

Se alguma característica – como o tamanho de um parafuso ou o posicionamento do apoio de cabeça – não estiver de acordo com o padrão, o fabricante é alertado automaticamente e pode notificar os fornecedores com o apertar de um botão, economizando semanas em auditorias. Os parceiros incluem os principais fornecedores, como a Faurecia, uma das maiores fabricantes mundiais de interiores automotivos, com receita anual de US$ 18 bilhões.

Até 2024, a Renault espera recrutar 3.500 fornecedores em uma tentativa de rastrear cada uma de suas mais de 6.000 peças e recursos regulamentados. A Renault também iniciou 20 outras iniciativas internas de blockchain, abordando tudo, desde transações de compra de carros até rastreabilidade da cadeia de suprimentos.

Plataforma de blockchain: Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Odile Panciatici, vice-presidente de blockchain

Grupo Samsung

Seul, Coreia do Sul
A maioria dos americanos conhece a Samsung por TVs e outros eletrônicos, mas esses são apenas um aspecto do maior chaebol (conglomerado) da Coréia do Sul (US$ 220 bilhões em vendas em 12 meses). Também fabrica navios, administra parques temáticos, vende seguros de vida – e, desde 2020, o braço de TI do conglomerado, Samsung SDS, usa uma plataforma de empréstimos baseada em blockchain para facilitar a solicitação de empréstimos governamentais por pequenas e médias empresas.

Anteriormente, essa solicitação exigia documentos de três partes – o governo, o garantidor de crédito e o banco –, o que levava em média três semanas para ser processado. A plataforma reduz a burocracia, cortando o tempo de processamento para 12 dias e economizando cerca de 13.000 horas de trabalho por ano.

Plataforma de blockchain: Nexledger
Executivos envolvidos: Jihwan Rhie, chefe de Planejamento de Negócios Blockchain

Signature Bank

Nova York
Em 2015, o Signature se tornou um dos primeiros bancos a aceitar clientes de criptomoedas. Foi um movimento acertado: o total de depósitos de criptomoedas ultrapassou US$ 22 bilhões, e o banco processou mais de US$ 200 bilhões em pagamentos em sua rede proprietária baseada em blockchain ethereum, Signet.

Este ano, a empresa começou a oferecer empréstimos lastreados em bitcoin. Também fez parceria com o emissor de stablecoin TrueUSD para permitir que os clientes cunhem e enviem pagamentos instantâneos usando o ativo denominado em dólar. O mercado é fã: nos últimos 12 meses, o estoque da Signature quase dobrou.

Plataformas de blockchain: Signet, Ethereum
Executivos envolvidos: Frank Santora, diretor de pagamentos

Société Générale

Paris, França
No ano passado, o terceiro maior banco da França lançou o Cast Framework por meio de sua subsidiária Forge. O software permite que as principais empresas financeiras e startups de criptomoedas criem títulos digitais em conformidade com as regulamentações em uma blockchain.

Um pedido recente estava ajudando o Banque de France a refinanciar US$ 45 milhões em títulos lastreados por algumas das carteiras de hipotecas residenciais do banco, rastreadas em uma blockchain. O uso do blockchain reduziu o tempo de transação e economizou em custos de auditoria. A SocGen também está desenvolvendo uma biblioteca chamada de “contrato inteligente”, de códigos reutilizáveis específicos para serviços financeiros, e solicitou uma licença regulatória francesa que permitirá gerenciar ativos digitais para clientes.

Plataforma de blockchain: MakerDAO
Executivos envolvidos: Jonathan Benichou, diretor financeiro, SG Forge

Sotheby’s

Nova York
A casa de leilão de arte de 278 anos, conhecida por vender Picassos, Van Goghs e Warhols, agora está alegremente vendendo imagens de desenhos animados e obras cyberpunk pixeladas. Em abril de 2021, a Sotheby’s realizou sua primeira venda de NFTs, no valor de US$ 16,8 milhões. Isso foi apenas o começo: ao todo, a Sotheby’s faturou mais de US$ 100 milhões com o criptoativo no ano passado, contribuindo para o recorde de vendas brutas da casa de leilões de US$ 7,3 bilhões.

Em setembro, aproveitando a mania de fotos exclusivas NFT para colocar no perfil das mídias sociais, a Sotheby’s vendeu 101 imagens de macacos, parte da coleção Bored Ape Yacht Club de 10.000 avatares de animais, por US$ 24,4 milhões. A casa de leilões agora aceita lances em moeda fiduciária e criptomoeda.

Plataforma de blockchain: Bitcoin, Ethereum
Executivos envolvidos: Stefan Pepe, CTO, Sotheby’s; Sebastian Fahey, diretor administrativo da EMEA e líder executivo da Sotheby’s Metaverse

Stone Ridge Holdings Group

Nova York
Em 2017, a empresa financeira que já possuía uma gestora de ativos de US$ 13 bilhões, lançou o New York Digital Investment Group (NYDIG), uma subsidiária destinada a ajudar investidores institucionais a comprar e manter criptomoedas.

Desde então, Stone Ridge comprou cerca de 20.000 bitcoins (no valor de US$ 740 milhões) e em dezembro passado o NYDIG levantou US$ 1 bilhão de nove VCs, incluindo WestCap e Bessemer Venture Partners, em uma avaliação de US$ 7 bilhões. Os clientes institucionais incluem JPMorgan, Wells Fargo e Morgan Stanley; no ano passado, consolidou parcerias com os gigantes de software bancário FIS e Fiserv.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum, XRP, Litecoin, Bitcoin Cash
Executivos envolvidos: Ross Stevens, presidente executivo; Robby Gutmann, CEO

Tech Mahindra

Pune, Índia
O braço de tecnologia do conglomerado indiano Mahindra Group (receita de 2021: US$ 5,1 bilhões) desenvolveu mais de 60 produtos baseados em blockchain, abrangendo telecomunicações, mídia e entretenimento, manufatura, varejo e energia. Um dos mais interessantes: VaccineLedger, que foi desenvolvido em colaboração com uma startup financiada pela Unicef ​​e Gavi, a aliança de vacinas que supervisiona um banco de dados mundial de vacinas Covid-19 com a Organização Mundial da Saúde.

A blockchain ajuda a prevenir a falsificação e reduz o número de vacinas que são desperdiçadas, rastreando as vacinas do fabricante ao destinatário. Ele registra dados relacionados à custódia, temperatura, localização e pedidos de compra de cada frasco. A VaccineLedger já opera em dois estados da Índia, com planos de expansão global.

Plataforma de blockchain: Hyperledger Fabric
Executivos envolvidos: Rajesh Dhuddu, líder de prática global de blockchain e segurança cibernética

Tencent

Shenzhen, China
Na última década, a Tencent construiu um “super aplicativo” chinês, usado por mais de 1 bilhão de pessoas para tudo, desde jogos e mídias sociais até mensagens e compras. Agora está desenvolvendo uma plataforma blockchain completa, a Tencent Cloud Blockchain.

Dez províncias e cidades, incluindo Hainan, Guangdong e Pequim, já o utilizam para emitir contas eletrônicas de serviços de saúde e transporte. Em agosto de 2021, a blockchain da Tencent havia processado mais de 15 milhões de transações em apenas uma cidade.

Plataformas de blockchain: ChainMaker, Hyperledger Fabric, FISCO BCOS
Executivos envolvidos: Powell Li, gerente geral da Tencent Cloud Blockchain

Twitter

São Francisco
A ágora do mundo cripto, onde Elon Musk descaradamente bombeia memecoins e onde milhões de pequenos comerciantes tentam alavancar aos céus suas últimas compras em apenas 280 caracteres ou menos. Havia 220 milhões de tweets sobre NFTs em 2021 e mais 60 milhões apenas em janeiro de 2022. E só porque seu CEO obcecado por criptomoedas, Jack Dorsey, saiu em novembro para dedicar todo o seu tempo ao Block, não significa que o Twitter está abandonando sua reivindicação de um futuro descentralizado.

A empresa dobrou a aposta em ferramentas de criação, que pemitem por exemplo que um usuário dê bitcoin a outras pessoas da plataforma e exiba suas coleções de NFTs como fotos de perfil – por uma taxa.

Plataformas de blockchain: Bitcoin, Ethereum
Executivos envolvidos: Parag Agrawal, CEO

Visa

São Francisco
A gigante dos cartões de crédito fez parceria com mais de 60 plataformas cripto, incluindo FTX, BlockFi, Coinbase e Binance, para facilitar o uso de moeda digital por meio de cartões vinculados aos ativos digitais. Todos os 80 milhões de comerciantes da Visa agora aceitam criptomoedas como pagamento, com os fundos convertidos automaticamente em moeda fiduciária antes de recebê-los.

Embora as transações possam ser caras, a Visa deixa essa dor de cabeça para seus parceiros, que cobram até 2,5% no caso da Coinbase. Os consumidores gastaram mais de US$ 6 bilhões usando cartões cripto Visa desde outubro de 2020.

Plataformas de blockchain: Bitcoin Ethereum
Executivos envolvidos: Terry Angelos, vice-presidente sênior e chefe global de fintech

Walmart

Bentonville, Arkansas

Depois de centenas de infecções por listeria, salmonela e E. coli no ano passado, e milhões de quilos de alimentos recolhidos, a FDA finalmente parece estar levando a sério a segurança alimentar.

O órgão anunciou em setembro de 2020 que fabricantes e varejistas serão responsáveis ​​por rastrear mais de uma dúzia de tipos de alimentos de risco, como alface romana, queijos macios e peixes em todos os pontos da cadeia de suprimentos, a fim de identificar e descartar itens contaminados mais rapidamente.

O Walmart rastreia hoje 1.500 itens no blockchain, o triplo de um ano atrás. Suas iniciativas de segurança alimentar estão se tornando mais visíveis para os compradores: um projeto piloto recente do Sam’s Club na China permitiu que os compradores digitalizassem um código QR para obter informações sobre onde o produto foi cultivado e quando foi colhido.

Plataformas de blockchain: Hyperledger Fabric, Walmart Blockchain
Executivos envolvidos: Archana Sristy, diretora sênior, blockchain, Walmart Global Tech; Tejas Bhatt, diretor sênior de inovação global em segurança alimentar

WeBank

Shenzhen, China
Um dos mais recentes aplicativos de blockchain do WeBank incentiva a vida sustentável, recompensando os usuários por fazer coisas como caminhar, pegar o ônibus ou reciclar roupas.

O banco digital chinês, que é 30% de propriedade da Tencent, emite Green Bud Points por meio de um miniaplicativo no WeChat que pode ser trocado posteriormente por vouchers e presentes.

Todos os registros são armazenados em seu blockchain para garantir transparência e rastreabilidade. A plataforma já tem 1 milhão de usuários ativos diários e relata que registrou uma redução de mais de 2.500 toneladas de emissões de carbono em 2021. No geral, o WeBank tem mais de 70.000 codificadores trabalhando em sua blockchain proprietária “FISCO BCOS”.

Plataforma de blockchain: FISCO BCOS
Executivos envolvidos: Henry Ma, vice-presidente executivo e diretor de informações

Compartilhe esta publicação: