Marisa homologa aumento de capital em R$ 250 milhões; veja os destaques do Forbes Radar

Últimas notícias sobre: Ambipar, Taesa, Braskem, Notre Dame Intermédica, Oi e Alper.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (3), a Marisa anunciou que recebeu injeção de R$ 250 milhões, após emissão de 81 milhões ações ordinárias no âmbito do aumento de capital. O capital social da empresa passará de R$ 1,471 bilhão para R$ 1,721 bilhão.

Já a Ambipar informou a aquisição de 100% da empresa First Response, especialista em atendimentos de emergências ambientais com foco em incêndio, através de sua controlada Ambipar Holding Canadá.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja estes e outros destaques corporativos do dia:

Marisa (AMAR3)

A Marisa informou ao mercado que recebeu injeção de R$ 250 milhões, após a subscrição e total integralização de 81 milhões de ações ordinárias, emitidas pela companhia no âmbito do aumento de capital.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O volume da operação contou com a adesão de quase 5.000 investidores pessoa física. Do total de ações subscritas, cerca de 85% foram subscritas por fundos de investimento e cerca de 15% por investidores individuais.

Com a injeção de recursos, o capital social da Marisa passará para R$ 1,721 bilhão, dividido em cerca de 342 milhões de ações ordinárias.

Ambipar (AMBP3)

A Ambipar adquiriu 100% da empresa First Response, através de sua controlada integral indireta Ambipar Holding Canadá.

Fundada em 2007, a First Response é especialista em atendimentos de emergências ambientais com foco em incêndio, treinamentos, simulados e terceirização de bombeiros e equipamentos de combate a incêndios, sendo referência em seu segmento de atuação.

Em linha com o plano de expansão, esta é a quarta aquisição no Canadá e a décima primeira na América do Norte. A Ambipar passa a contar com 28 bases estrategicamente localizadas na região.

Taesa (TAEE11)

A Taesa comunicou que foi concluída a captação de recursos de longo prazo da companhia através da 11ª emissão de debêntures simples, no valor total de R$ 800 milhões, para distribuição pública.

Os recursos captados pela companhia serão utilizados para reforço de caixa e gestão ordinária dos seus negócios, incluindo o reforço de capital de giro e/ou alongamento do passivo financeiro da empresa.

As debêntures da primeira série terão prazo de vencimento de 3 anos contados da data de emissão.

Notre Dame Intermédica (GNDI3)

A Notre Dame Intermédica informou que a BRL Trust Investimentos reduziu as suas participações na empresa, que passaram a ser, de forma agregada, 50.818.754 ações ordinárias, correspondentes a um percentual inferior a 10% do capital social da companhia.

Braskem (BRKM5)

A Braskem comunicou que, com o objetivo de simplificar a estrutura de capital da companhia e equalizar os direitos entre os acionistas, o seu conselho administrativo aprovou a convocação de assembleia para deliberar sobre a conversão da totalidade das ações preferenciais classe “B” em ações preferenciais classe “A”.

As ações preferenciais classe “B” representam atualmente 0,06% do capital social da companhia. Ela esclarece que essa conversão, se aprovada pela Assembleia Especial, estará condicionada a uma nova aprovação na Assembleia Geral de Acionistas.

Oi (OIBR3)

A Oi informou ao mercado que o seu conselho administrativo deliberou o encerramento do mandato do Sr. José Claudio Moreira Gonçalves ao cargo de diretor estatutário sem designação específica da companhia.

Na sequência de sua atuação, Gonçalves assumirá responsabilidades executivas relacionadas à operação da Brasil Telecom Comunicação Multimídia, empresa subsidiária da Oi, onde auxiliará no desenvolvimento da infraestrutura de rede neutra em sua nova fase de crescimento.

Alper (APER3)

A Alper informou ao mercado que firmou um termo de confidencialidade e exclusividade com o Banese (Banco do Estado de Sergipe), após a empresa ter sido selecionada para participar da fase de negociação exclusiva do processo competitivo promovido pelo banco.

O processo prevê a realização de parceria estratégica pelo prazo de 20 anos, que poderá resultar na criação de uma nova sociedade corretora privada entre as duas empresas, e que deterá a exclusividade para a realização de operações de corretagem de seguros nos canais de distribuição do Banese.

Compartilhe esta publicação: