Mercado paralelo de cannabis em Nova York movimenta bilhões, mesmo após legalização

Dos estimados US$ 69 bilhões em vendas de maconha nos EUA em 2020, cerca de US$ 50 bilhões vieram do mercado paralelo.

Will Yakowicz
Compartilhe esta publicação:
VIEW Press/Getty Images
VIEW Press/Getty Images

Impostos altos são uma das razões que levam os mercados paralelos a prosperarem no país

Acessibilidade


À medida que a legalização da maconha ganha força, empresários abrem dispensários não licenciados em Nova York e em outras cidades para se posicionarem antes que a cannabis corporativa surja. Conheça a batalha por bilhões no mercado paralelo da maconha.

A família Elfand sabe como é ser alvo da guerra dos Estados Unidos contra as drogas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Em abril de 1998, Ralph Elfand e seu filho Jonathan foram presos por operar um local de cultivo de maconha dentro de um armazém no Brooklyn. Ralph, então com 59 anos, foi condenado a três anos de prisão por conspiração para fabricar e distribuir cannabis, enquanto Jonathan, 30, foi condenado a 10 anos.

Existiu um ponto na vida de Lenore Elfand em que todos os homens adultos de sua família estavam cumprindo pena por maconha. Mas depois que o estado de Nova York legalizou a droga em março de 2021, os Elfands decidiram abrir um dispensário – apesar de não terem licença.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Em setembro, Lenore, que nunca esteve no negócio, e seus irmãos abriram o Empire Cannabis Club – que cobra US$ 15 por uma assinatura de um dia, em troca da oportunidade de comprar buds, comestíveis e vapes, no bairro de Chelsea, em Manhattan.

O estado de Nova York legalizou a cannabis recreativa no ano passado, mas os reguladores ainda não concederam nenhuma licença às empresas, criando um ambiente quase sem lei entre a liberação da maconha e a ausência de um mercado oficial. (Nova York tem um mercado médico pequeno e altamente restritivo.)

Sem a ameaça de policiais arrombando portas, o mercado paralelo floresceu. Alguns empreendedores, incluindo os Elfands, decidiram ir atrás do que veem como uma oportunidade única na vida em Nova York: obter vantagem sobre o que é projetado para ser um mercado de US$ 4,2 bilhões dentro de cinco anos.

Empresas como a Curaleaf, do bilionário Boris Jordan (que registrou US$ 889 milhões em receita durante os três primeiros trimestres de 2021) e a Green Thumb Industries (US$ 650 milhões em receita durante o mesmo período), estão operando lojas de varejo para consumidores recreativos.

“Vimos estado após estado permitir que os grandes nomes entrem e assumam o controle enquanto os pequenos negócios ficam para trás”, diz Lenore em sua loja em uma noite de sexta-feira em janeiro, enquanto dezenas de membros chegam para estocar antes do fim de semana. “Decidimos avançar porque não temos chance, mas merecemos. Tivemos anos de injustiça.”

Os Elfands não estão sozinhos: dezenas de lojas floresceram pela cidade desde que o estado aprovou a legalização. Um advogado de defesa criminal chamado Lonny Bramzon abriu um “lounge de cannabis” sem licença na parte baixa de Manhattan. Enquanto Weed World Candies – que foi cofundada por um homem que se autodenomina “Dr. Dro”, e é famosa por seus caminhões que vendem pirulitos CBD -, tem uma grande loja perto do Madison Square Garden.

Há também oportunistas com configurações menos sofisticadas. Em uma quarta-feira à noite em meados de janeiro, na Times Square, cerca de uma dúzia de traficantes encheram a calçada, expondo pacotes de maconha da Califórnia em mesas, como se estivessem vendendo óculos escuros e pashminas, mas com táticas agressivas de vendas.

“Não estamos preocupados com nada”, dizia um vendedor. “A maconha é legal e desde que você tenha uma licença de vendedor ambulante, está tudo certo.” (Quando um repórter perguntou a um policial sentado em uma van por perto se vender maconha na calçada é legal, ele disse: “Sem comentários.”)

Os reguladores de cannabis de Nova York consideram a Empire, e as dezenas de outras lojas que surgiram na cidade, dispensários ilegais e sem licença. No início de fevereiro, o Escritório de Gerenciamento de Cannabis do Estado de Nova York enviou cartas de cessação e desistência para muitos deles, incluindo a Empire, ameaçando que, se não fechassem, não seriam elegíveis para uma licença – e poderiam estar no gancho para acusações criminais.

“Esses violadores devem interromper suas atividades imediatamente ou enfrentar as consequências”, disse o presidente do Conselho de Controle de Cannabis, Tremaine Wright, em comunicado.

Mas Steve Zissou e Sally Butler, advogados de longa data dos Elfands, dizem que a Empire não está operando em uma área cinzenta ou brecha – eles estão cumprindo a letra da lei. O Empire é um dispensário sem fins lucrativos, explica Zissou. Ele admite que é uma “estrutura imaginativa”, mas diz que a lei foi escrita vagamente e que seus clientes estão em total conformidade. “Não é mais complicado do que isso”, diz Zissou. “A lei permite.”

Sob as novas leis de maconha de Nova York, a cannabis não pode ser vendida sem licença. A lei define “venda” como uma “troca de algo por ‘compensação’” – mas não há definição para compensação. “Se você for ao Black’s Law Dictionary, ‘compensação’ não é o que está acontecendo aqui”, diz Butler. “Se alguma coisa, é consideração.”

Tais distinções são importantes agora. Os empreendedores de cannabis de Nova York estão nas linhas de frente da batalha sobre o que se espera que se torne o maior mercado de maconha recreativa do país depois da Califórnia (US$ 3,9 bilhões em vendas durante os três primeiros trimestres de 2021). Apesar das ameaças dos reguladores de cannabis do estado, a Empire não tem planos de fechar. Já abriu uma segunda unidade no Lower East Side de Manhattan e lançará mais duas lojas no Brooklyn.

“Se você quer paz, prepare-se para a guerra”, diz Zissou, citando o antigo ditado latino. “Se a batalha chegar [aos Elfos], eles estarão prontos.”

Embora 36 estados tenham legalizado alguma forma de cannabis, a maioria das vendas nos Estados Unidos hoje permanece ilegal. Dos estimados US$ 69 bilhões em maconha comprados nos EUA em 2020, cerca de US$ 50 bilhões foram vendidos no mercado negro, segundo pesquisa de Cowen. No ano passado, o mercado total atingiu US$ 72 bilhões, com 65% de todas as vendas sendo ilegais.

A dinâmica está projetada para mudar em 2026, quando Cowen estima que as vendas legais constituirão a maior parte do mercado. Em 2030, o mercado de cannabis dos EUA pode atingir US$ 100 bilhões, com operadores legais com uma participação de 65%.

Vivien Azer, analista sênior de pesquisa da Cowen especializada nos setores de bebidas, tabaco e cannabis, afirma que, embora o mercado legal certamente eclipsará o que muitos chamam de “mercado legado”, ele não o matará.

“Eliminar? Não sei se isso é realista”, diz Azer.

Mesmo em indústrias altamente regulamentadas, como o tabaco, o mercado paralelo continua a prosperar por causa dos impostos altíssimos: um maço de cigarros agora custa cerca de US$ 15 na cidade de Nova York, dos quais US$ 5,85 vão para impostos. Atualmente, estima-se que cerca de 5% dos US$ 50 bilhões do mercado de tabaco dos EUA sejam vendas no mercado paralelo, definidas como cigarros produzidos legalmente que são vendidos ilegalmente em uma jurisdição diferente para evitar impostos.

Talvez o maior obstáculo do ponto de vista da política de drogas seja que a lei pode incentivar muitos tons de cinza: os mercados legal, ilegal e quase-legal existem todos ao mesmo tempo e impostos e regulamentações podem afetar o tamanho de cada um.

Após o fim da proibição do álcool em 1933, por exemplo, o número de contrabandistas e bares clandestinos diminuiu, mas quando o governo aumentou os impostos sobre o álcool durante a Segunda Guerra Mundial, os contrabandistas floresceram.

“Você não tem um mercado branco, um mercado cinza e um mercado negro – o que você realmente tem é um espectro”, diz David Courtwright, historiador de políticas de drogas e autor de The Age of Addiction. “Quanto mais você aumenta os regulamentos e impostos, mais você terá atividades quase legais ou ilegais. Não é apenas a morte e os impostos que são inevitáveis ​​– é a morte, os impostos e os mercados paralelos. O segundo levando inevitavelmente ao terceiro.”

Embora o mercado paralelo de cannabis de Nova York seja robusto, praticamente todos os estados do país têm um problema semelhante, mas eles são mais pronunciados nos antigos epicentros do cultivo de maconha e jurisdições com altos impostos, como Califórnia e Oregon.

Na Califórnia, onde os impostos sobre a maconha podem chegar a 40%, os mercados negro e paralelo são tão grandes que os operadores legais estão tendo dificuldade em competir. Um executivo de cannabis, que não quis ser identificado, diz que muitas empresas licenciadas têm um pé no mercado legal e outro no mercado ilícito apenas para permanecer no negócio.

Em Oregon, onde os impostos sobre a maconha são de 20%, os reguladores do condado de Jackson declararam estado de emergência devido ao número de produtores ilegais de cannabis.

Mesmo a capital do país não está imune ao fenômeno do mercado paralelo. Em Washington, D.C., a maconha medicinal é legal, mas o uso recreativo ainda é uma área cinzenta. Continua sendo ilegal vender maconha, então empresários criaram negócios que vendem camisetas ou isqueiros por US$ 60 e depois “presenteiam” os clientes com um produto de cannabis de sua escolha. Essas lojas de presentes são “legais sob a letra da lei, mas violam a intenção e o espírito da lei”, diz Justin Strekal, fundador do Bowl PAC, um comitê de ação política de cannabis.

“Estamos falando de 80 anos de atividades ilícitas para atender à demanda do consumidor”, diz Strekal. “Teremos essa transição até que reguladores e formuladores de políticas abordem questões de acesso do consumidor, o que significa aumento de licenciamento para promover a concorrência e a diversidade”.

Agora que a cannabis é legal em Nova York, os empresários do mercado paralelo da cidade não sentem que precisam se esconder. Talvez o exemplo mais visível dessa nova geração de empreendedores seja o Green Truck, também conhecido como “Tio Budd”. A empresa opera seis pequenos ônibus reaproveitados em toda a cidade e as pessoas podem caminhar, ler o cardápio, oferecer uma “doação” e receber maconha em troca.

Jimmy, um dos proprietários da empresa, que não revelou seu sobrenome, disse que a empresa nascida no Harlem é de propriedade de negros e recruta “caras que vendem maconha no bairro” para ajudá-los na transição para o mercado legal quando as licenças estiverem disponíveis.

“A maioria dos traficantes de drogas são bons empresários”, diz Jimmy. “Dizemos a eles: ‘Olha, em vez de você ficar sentado na esquina vendendo maconha, trabalhe com nosso caminhão’. Estamos realmente indo para as pessoas que foram prejudicadas pelas leis da maconha, e estamos tentando trazê-las para a indústria com base em nosso entendimento da orientação que está sendo oferecida hoje pelo estado.”

Jimmy diz que sabe que eles estão operando em uma área cinzenta, mas acha importante garantir que as pessoas afetadas pela guerra às drogas se beneficiem da legalização. “O Green Truck é feito das pessoas para as pessoas”, diz ele. “É Harlem, é Nova York.”

Compartilhe esta publicação: