União Química produzirá vacina russa Sputnik Light contra Covid-19 para exportação

A União Química disse ter produzido milhões de doses da Sputnik V para venda em outros países, já que a vacina não tem aprovação para uso no Brasil.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Shamil Zhumatov/Reuters
Shamil Zhumatov/Reuters

A transferência da tecnologia da Sputnik Light para a União Química está em andamento.

Acessibilidade


A União Química informou hoje (17) que uma transferência de tecnologia permitirá à farmacêutica brasileira fabricar a vacina Sputnik Light contra Covid19 para exportação a países da América Latina, em uma parceria elogiada pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin.

A vacina, uma versão de dose única da vacina de duas doses Sputnik V, lançada no ano passado, está sendo aplicada como dose de reforço no México e na Nicarágua e foi aprovada para uso na Argentina, de acordo com o RDIF (Fundo Russo de Investimento Direto).

A União Química disse ter produzido milhões de doses da Sputnik V para venda em outros países por meio do RDIF, uma vez que a vacina não tem aprovação para uso no Brasil.

VEJA TAMBÉM: Desenvolvedores da Sputnik relataram teste da vacina no Brasil que não ocorreu, diz Anvisa

Sputnik Light já temos e já podemos produzir comercialmente”, disse o dr. Miguel Giudicissi, diretor científico da União Química, em entrevista à Reuters.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Durante visita do presidente Jair Bolsonaro a Moscou, Putin disse ontem (16) que a cooperação farmacêutica entre Rússia e Brasil tem “ganhado impulso” recentemente com a produção local da vacina Sputnik V.

O RDIF, fundo soberano que comercializa a vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleya de Moscou, disse que a transferência da tecnologia da Sputnik Light para a União Química está em andamento.

“A capacidade potencial de produção será de até 5 milhões de doses da vacina por mês”, disse um porta-voz do RDIF.

Giudicissi, da União Química, disse que o volume da produção da farmacêutica é definida pelo RDIF com base na demanda do mercado.

Ele acrescentou que o imunizante Sputnik Light foi feito usando os mesmos biorreatores de uso único fabricados pela General Electric, que a União Química utiliza para produzir as vacinas Sputnik V. A empresa forneceu o imunizante diretamente aos países vizinhos Argentina e Bolívia.

“O potencial mercado de vacina existe. O que você tem de produção pode ser vendido, porque a procura é muito grande”, disse Giudicissi.

Compartilhe esta publicação: