Zona do euro pode ter virado a página da inflação baixa, diz economista-chefe do BCE

Ele citou mudanças na economia global, entre outros fatores, para explicar a posição.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Gary He/Reuters
Gary He/Reuters

Vários fatores indicam que a inflação baixa que prevaleceu de 2014 a 2019 pode não ressurgir mesmo pós-pandemia

Acessibilidade


A inflação ultrabaixa vista na zona do euro até recentemente não deve retornar mesmo após o término da pandemia, disse o economistachefe do BCE (Banco Central Europeu), Philip Lane, citando mudanças na economia global entre outros fatores.

Lane havia descartado a noção de uma nova era para a inflação até recentemente, mas ele vem revisando seu entendimento, preparando o terreno para uma mudança de política monetária no BCE após quase uma década de taxas de juros ultrabaixas e compras maciças de títulos.

VEJA TAMBÉM: Banco Central Europeu mantém política monetária apesar de inflação recorde

“Existem vários fatores que indicam que o ambiente de inflação excessivamente baixa que prevaleceu de 2014 a 2019 (período em que a inflação anual média foi de apenas 0,9%) pode não ressurgir mesmo após o término do ciclo da pandemia”, disse Lane em evento do provedor de notícias MNI.

Ele creditou isso ao apoio econômico sem precedentes implantado pelos governos da zona do euro e pelo próprio BCE em resposta à pandemia de coronavírus, mas também a mudanças estruturais, como menos exportações da China.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O BCE está sob pressão do mercado para aumentar as taxas dos depósitos bancários, atualmente em -0,5%, em face da inflação teimosamente alta da zona do euro. A taxa de alta dos preços atingiu 5,1% em janeiro, bem mais que o dobro da meta de 2% do BCE.

Lane disse que o ritmo de qualquer mudança de política monetária dependeria da perspectiva do BCE sobre se a inflação vai se estabilizar acima ou abaixo de 2%.

“O tamanho e a frequência dos movimentos das taxas de juros dependem do tipo de regime em que você acha que está”, disse Lane. “Não estou dizendo que (25 pontos-base) é um incremento ruim, mas há outros incrementos possíveis.”

Como ele não prevê uma inflação fora de controle, Lane disse que o “gradualismo” faria sentido nas atuais circunstâncias — um ponto também feito anteriormente por seu colega de BCE e presidente do Banco da Espanha, Pablo Hernández de Cos.

O FMI (Fundo Monetário Internacional) apoiou a postura monetária estimulativa do BCE em um post de blog hoje (17), prevendo que a inflação cairia abaixo da meta do banco central após “aumentos transitórios” decorrentes de problemas de oferta que podem se estender até o próximo ano.

O BCE publicará suas próprias projeções em 10 de março, quando também deverá traçar um caminho para encerrar seu programa de estímulo via compra de títulos — o que seria um precursor de juros mais altos.

As autoridades do BCE citaram as compras de títulos como elemento que manteve a economia à tona durante a pandemia de coronavírus, mas também estão cada vez mais preocupadas com os riscos de centenas de bilhões de euros em dívidas no próprio balanço do BCE.

Compartilhe esta publicação: