Bolsonaro diz que governo prepara medidas contra alta de combustíveis e critica paridade internacional

Em uma entrevista para uma rádio de Roraima, Bolsonaro confirmou que terá nesta tarde uma reunião para discutir o assunto.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia no Palácio do Planalto

Acessibilidade


O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (7) que o governo federal prepara medidas para combater a alta dos preços dos combustíveis e afirmou que a paridade entre o valor do barril de petróleo no mercado internacional e o preço de combustíveis praticados nas bombas dos postos no Brasil “não pode continuar”.

Em uma entrevista para uma rádio de Roraima, Bolsonaro confirmou que terá nesta segunda à tarde uma reunião para discutir o assunto. De acordo com o jornal Estado de S. Paulo, estuda-se criar uma espécie de subsídio para garantir o preço local frente aos aumentos no mercado internacional, intensificados pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Hoje à tarde vamos fazer uma nova reunião, vamos buscar uma alternativa”, disse. “Se for repassar isso tudo agora (o aumento do petróleo no mercado internacional) daria um aumento de 50% nos combustíveis. A população não aguenta.”

Na entrevista, Bolsonaro voltou a criticar a regra interna da Petrobras que atrelou os preços dos combustíveis praticados no Brasil ao valor do barril do petróleo e à variação do dólar, adotada pela estatal no governo Michel Temer.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Tem uma legislação errada feita lá trás que dá paridade entre preço do petróleo e o preço do combustíveis. Isso não pode continuar”, afirmou.

Ao contrário do que disse o presidente, no entanto, a paridade não é uma lei, mas parte do estatuto da empresa.

Para a Petrobras, a norma garante a sanidade financeira da empresa, que deixou de subsidiar o valor dos combustíveis e repassa todos os aumentos às refinarias.

Compartilhe esta publicação: