Braskem avalia parceria em unidade de biopolímeros, não tem acerto para cisão

A empresa afirmou que possui um compromisso de atingir 1 milhão de toneladas de capacidade de produção de plástico verde até 2030.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Instalações da petroquímica Braskem em Maceió (AL)

Acessibilidade


A Braskem disse hoje (23) que trabalha por meio de potenciais parcerias estratégicas e financeiras para atingir a meta de capacidade de produção do chamado “plástico verde”, mas que não tem qualquer “compromisso ou obrigação” para eventual cisão ou IPO de seu negócio de biopolímeros.

O posicionamento ocorre após o jornal Valor Econômico dizer que a Braskem contratou o Citi para uma potencial cisão de sua divisão de biopolímeros, citando fontes não identificadas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A Braskem afirmou que possui um compromisso de atingir 1 milhão de toneladas de capacidade de produção de plástico verde até 2030 e que as potenciais parcerias a ajudariam a entregar esse objetivo.

A unidade de biopolímeros, que produz resinas por meio de fontes renováveis, busca levantar cerca de US$ 500 milhões por meio de uma oferta pública inicial de ações (IPO) ou de uma parceria, segundo o jornal.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A divisão é avaliada em cerca de US$ 2 bilhões, diz o Valor.

Compartilhe esta publicação: