Carteira recomendada: commodities se destacam em março com Vale na liderança entre bancos e corretoras

Mineradora recebeu 17 indicações, seguida por PetroRio (PRIO3) e Suzano (SUZB3).

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:
Teradat/Getty Images
Teradat/Getty Images

Levantamento da Forbes considera 20 carteiras de ações dos principais bancos e corretoras do país

Acessibilidade


Com expectativas de que a empresa continue a gerar um fluxo de caixa sólido e mantenha níveis atrativos de remuneração aos acionistas, a Vale (VALE3) voltou a liderar o ranking da Forbes de ações mais recomendadas, recebendo 17 indicações em março.

Essa é a 17ª vez seguida que a mineradora figura em primeira colocação no ranking, realizado a partir do levantamento de 20 carteiras dos principais bancos e corretoras do país.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Apesar dos menores preços do minério de ferro e da maior incerteza sobre o nível de crescimento da China, que podem limitar o desempenho do papel no curto prazo, seguimos com uma visão positiva para as ações da Vale”, avaliam analistas do Banco Safra.

Na última semana, os papéis da mineradora acumularam alta de mais de 15%. O conflito entre Rússia e Ucrânia e as expectativas de melhora na demanda chinesa fizeram subir o preço das commodities metálicas, beneficiando a companhia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Vale recentemente anunciou dividendos de R$ 3,70 por ação a serem pagos no dia 16 de março, referentes ao posicionamento acionário do dia 8.

Em segundo lugar, houve empate entre PetroRio (PRIO3) e Suzano (SUZB3), que receberam oito indicações cada.

A petroleira também foi beneficiada pelos conflitos no leste europeu, que levaram a uma assimetria global nos mercados de oferta e demanda de petróleo. Na manhã de hoje (3), os contratos futuros do petróleo Brent superaram US$ 119 por barril.

A Suzano, por sua vez, se destacou pelos múltiplos financeiros descontados e pela alta dos preços no mercado de celulose. “A pressão da queda do câmbiol foi sentida, mas o patamar ainda reforça a tese de investimentos e a forte geração de caixa da empresa”, comentam analistas da Terra Investimentos.

Em terceiro lugar, ficaram Petrobras (PETR4) e Itaú Unibanco (ITUB4), com sete indicações cada.

Analistas afirmam que o banco ainda possui indicadores saudáveis de inadimplência e índice de cobertura acima de sua média histórica, apesar da deterioração da qualidade da carteira de crédito. Outro ponto positivo é o bom desempenho do Iti, banco digital do Itaú, que já conta com 14,6 milhões de contas, sendo 86% de não-correntistas do Itaú.

A Weg (WEGE3), que havia ocupado o segundo lugar no ranking de fevereiro, caiu para a quinta posição neste mês. Analistas destacam que as ações da empresa iniciaram o ano com queda de mais de 10%, marcando fundo na região dos R$ 28. Porém, o seu atual patamar de R$ 30 permite projetar a retomada dos níveis de R$ 35 a R$ 38.

Confira as ações recomendadas pelos 20 bancos e corretoras consultados pela Forbes e os comentários de analistas sobre os papéis de maior destaque em março.

Vale (VALE3): 17 recomendações

XP Investimentos:

Atribuímos a forte alta nas ações da Vale à valorização dos preços de minério de ferro no mês. No final de fevereiro, os preços do minério de ferro negociaram por US$ 143/t em Cingapura, alta de 9% em relação a janeiro. (…) No entanto, mesmo considerando uma curva de minério de ferro mais conservadora no futuro, ainda vemos a Vale apresentando um sólido FCF (fluxo de caixa) e fortes dividendos nos próximos anos.

CM Capital:

A Vale é uma das maiores empresas de mineração do mundo e também a maior produtora de minério de ferro de pelotas e de níquel. Voltou a ter um mês positivo e anunciou pagamento de dividendos (4,01%) para o dia 08/03. Suportes imediatos ficam na região dos R$ 87,00 – R$ 83,60.

PetroRio (PRIO3): 8 recomendações

Terra Investimentos:

A PetroRio cresceu forte nos últimos anos, com bom histórico de criação de valor impulsionado por uma série de aquisições nos últimos oito anos que lhe deram o controle de vários ativos importantes, maximizando a produção de sua base de ativos e com uma redução acentuada nos custos. Os potenciais de curto prazo estão nos preços altos do petróleo, na produção dos novos poços nas áreas de Polvo e Frade e um ativo interessante no setor tão exposto à Petrobras.

Toro Investimentos:

Com um desempenho econômico satisfatório em relação à sua reestruturação, apresentando melhoria nas margens bruta, líquida e EBITDA, a companhia se apresenta em uma posição privilegiada para aproveitar o cenário internacional, com os preços de petróleo em patamares mais altos.

Itaú (ITUB4): 7 recomendações

Safra:

Mantemos Itaú em nossa carteira recomendada, tendo em vista a boa perspectiva do banco para 2022, seguindo o forte guidance divulgado no resultado do 4T21, no qual o banco vislumbra um ROE de 20% de forma sustentável e um bom crescimento de carteira de crédito para 2022. Acreditamos que o banco deve apresentar bom volume de crescimento de crédito, com melhora de mix e com uma inadimplência ainda em patamares saudáveis.

Guide Investimentos:

O Itaú reportou um bom resultado, com lucro líquido recorrente de R$ 7,2 bilhões no 4T21, 2% acima de nossas estimativas e 5,7% acima do consenso de mercado. O resultado melhor que a expectativa ocorreu apesar de um resultado de tesouraria mais pressionado no trimestre, reflexo de um crescimento da carteira e da margem financeira com clientes acima do guidance de 2021.

Compartilhe esta publicação: