Confiança do consumidor recua em março por preocupação com inflação, mostra FGV

A inflação oficial brasileira permanece acima de 10% no acumulado em 12 meses.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Pilar Olivares/Reuters
Pilar Olivares/Reuters

Confiança dos consumidores brasileiros sobre o momento atual recuou devido à preocupação com a inflação

Acessibilidade


Os consumidores brasileiros mostraram preocupação com a inflação e o endividamento em março, e a confiança caiu para o nível mais baixo desde o início do ano, segundo dados da Fundação Getúlio Vargas divulgados hoje.

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da FGV teve em março queda de 3,1 pontos e foi a 74,8 pontos, menor patamar desde janeiro (74,1 pontos).

“A insatisfação dos consumidores sobre a situação financeira familiar atinge o menor nível desde abril de 2016 influenciado pela inflação, lenta recuperação do mercado de trabalho e endividamento das famílias, principalmente das famílias com menor poder aquisitivo”, explicou em nota a coordenadora das sondagens, Viviane Seda Bittencourt.

“Diante das perspectivas negativas sobre a economia, os consumidores voltam a ficar cautelosos e diminuem seu ímpeto de compras nos próximos meses”, completou ela.

Em março, houve piora tanto das avaliações sobre a situação atual como das expectativas em relação aos próximos meses, segundo a FGV.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Índice de Situação Atual (ISA) perdeu 2,6 pontos, atingindo 65,3 pontos, o menor nível desde abril de 2021 (64,5 pontos) depois de duas altas seguidas.

O indicador que mede a satisfação sobre a situação financeira atual das famílias caiu 5,2 pontos, para 56,9 pontos, menor nível desde abril de 2016 (56,8 pontos).

O Índice de Expectativas (IE), por sua vez, caiu 3,2 pontos, para 82,5 pontos.

A inflação oficial brasileira permanece acima de 10% no acumulado em 12 meses. O mercado de trabalho vem apresentando melhora gradual, mas o país ainda tem mais de 12 milhões de pessoas desempregadas de acordo os últimos dados do IBGE.

Compartilhe esta publicação: