Opep+ aumenta produção de petróleo ignorando crise na Ucrânia

Grupo tem aumentado a produção em 400.000 barris por dia.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Angus Mordant/Reuters
Angus Mordant/Reuters

Desde agosto, a Opep+ tem aumentado a produção em 400.000 barris por dia

Acessibilidade


Os produtores de petróleo da Opep+ decidiram hoje (2) manter os planos de aumento modesto na produção de petróleo em abril, ignorando a crise da Ucrânia durante as conversações e também apelos de consumidores por mais óleo à medida que os preços disparam.

O petróleo subiu acima de US$ 110 o barril nesta semana, o maior patamar em quase oito anos, à medida que as sanções ocidentais contra a Rússia se intensificaram devido à invasão da Ucrânia e interromperam o fornecimento do segundo maior exportador de petróleo do mundo.

LEIA TAMBÉM: Presidente do BC russo diz a funcionários que economia enfrenta situação extrema

Por volta das 12h (horário de Brasília), Brent subia 6%, operando acima de US$ 111 o barril.

As medidas ocidentais também afetaram muitos compradores de petróleo russo e causaram problemas para as exportações do Cazaquistão, outro membro da Opep+, grupo que inclui a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, a Rússia e produtores de petróleo aliados.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Opep+ tem aumentado a produção em 400.000 barris por dia a cada mês desde agosto, à medida que desfaz os cortes realizados quando a pandemia reduziu a demanda.

Eles resistiram aos pedidos dos Estados Unidos e de outros consumidores por mais oferta.

Em um comunicado após a reunião de hoje (2) que anunciou a decisão de manter os planos existentes, o grupo não fez menção à crise na Ucrânia, referindo-se apenas a “desenvolvimentos geopolíticos” que estavam perturbando o mercado.

“Os fundamentos atuais do mercado de petróleo e o consenso sobre suas perspectivas apontavam para um mercado bem equilibrado e que a volatilidade atual não é causada por mudanças nos fundamentos do mercado, mas por desenvolvimentos geopolíticos atuais”, disse o comunicado da Opep+.

Após as conversas de hoje (2), que duraram menos de um quarto de hora e a reunião mais curta já registrada, uma fonte disse: “Não houve sequer uma palavra pronunciada sobre a questão da Ucrânia”.

Compartilhe esta publicação: