Poupança tem saque líquido de R$5,35 bi em fevereiro, segundo Banco Central

Essa foi a quarta retirada líquida para meses de fevereiro da série histórica iniciada em 1995.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Saque líquido de R$ 5,35 bilhões da poupança é o quarto maior para meses de fevereiro da série histórica iniciada em 1995

Acessibilidade


A caderneta de poupança registrou saque líquido de R$ 5,35 bilhões em fevereiro, mostraram dados do Banco Central hoje (7).

Foi a quarta maior retirada líquida para meses de fevereiro da série histórica iniciada em 1995, perdendo apenas para períodos equivalentes nos anos de 2021 (-R$ 5,86 bilhões), 2016 (- R$ 6,64 bilhões) e 2015 (- R$ 6,26 bilhões).

LEIA TAMBÉM: Mercado passa a ver Selic a 8,25% em 2023, mostra Focus; projeção para PIB deste ano melhora

Do total, os saques superaram os depósitos no SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) no valor de R$ 2,44 bilhões. Já na poupança rural, as saídas foram de R$ 2,91 bilhões.

Em janeiro, havia sido registrado um saque líquido de R$ 19,7 bilhões, maior resgate já observado para todos os meses da série histórica.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O fluxo de recursos na poupança apresentou uma reversão de sentido ao longo de 2021, passando a acumular retiradas significativas.

Antes, em 2020, havia sido registrada uma captação recorde de mais de R$ 166 bilhões, impulsionada pelo pagamento do auxílio emergencial e pelo baixo nível da taxa básica de juros, o que aumentou a competitividade da poupança frente a outros investimentos.

Em 2021, com a retirada do auxílio emergencial e o agressivo aperto monetário implementado pelo Banco Central, houve um saque líquido de R$ 35,5 bilhões.

Com os juros básicos da economia acima de 8,5% ao ano (a Selic está agora em 10,75%), os depósitos na poupança voltaram a ter rendimento fixo de 0,5%, ou 6,17% ao ano, acrescido da taxa referencial, o que deixa a remuneração mais baixa do que outros investimentos de renda fixa.

Compartilhe esta publicação: