Weg anuncia distribuição de R$ 154,2 milhões em JCP; veja os destaques do Radar

Últimas notícias sobre: Tim, Petrobras, Eletrobras, Energisa, Positivo, Vibra, IRB e Copel.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (23), a Weg informou que irá distribuir JCP (juros sobre capital próprio) no valor bruto total de R$ 154,2 milhões, correspondente a R$ 0,0367 por ação, aos titulares de ações escriturais na sexta-feira (25).

A Tim também informou que foi aprovada a distribuição de R$ 195 milhões em JCP, correspondente ao valor bruto por ação de R$ 0,08056.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja esses e outros destaques corporativos do dia:

Weg (WEGE3)

A Weg informou que foi aprovada a distribuição de JCP no valor bruto total de R$ 154,2 milhões, correspondente a R$ 0,0367 por ação, aos titulares de ações escriturais em 25 de março de 2022.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O pagamento ocorrerá em 17 de agosto de 2022.

A empresa também anunciou que o seu conselho de administração autorizou o programa de recompra de ações, sem redução do capital social. A companhia poderá adquirir até 300 mil ações ordinárias de sua emissão.

Tim (TIMS3)

A Tim informou que foi aprovada a distribuição de R$ 195 milhões a título de JCP. O valor bruto por ação será de R$ 0,08056.

O pagamento ocorrerá no dia 27 de abril de 2022, sendo a data de 28 de março de 2022 aquela que servirá para identificar os acionistas com direito a receber tais valores.

Petrobras (PETR3;PETR4)

Eneva, PetroReconcavo e 3R Petroleum apresentaram ofertas vinculantes por um complexo de campos terrestres da Petrobras. Em comunicado, a Petrobras confirmou o recebimento das propostas nesta data.

“A Petrobras confirma que, nesta nova rodada, recebeu oferta vinculante do consórcio formado por Petrorecôncavo e Eneva, dentre outras ofertas, que serão analisadas e levadas à apreciação da diretoria executiva para decisão a respeito do avanço para a fase de negociação”, disse a estatal.

Segundo as companhias, a efetivação do negócio está sujeita à aceitação da oferta pela Petrobras, celebração de contrato e demais aprovações regulatórias competentes, como do órgão antitruste Cade e da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), dentre outros fatores.

O valor da oferta não foi revelado.

Eletrobras (ELET6)

A oferta de capitalização da Eletrobras só poderá ser lançada após publicação do documento 20-F, marcada para 25 de abril, disse o CEO da companhia, Rodrigo Limp, em teleconferência de resultados.

Ele acrescentou que o prazo também depende de uma última aprovação do TCU (Tribunal de Contas da União), que agora está analisando a modelagem, valuation e preço mínimo da operação de capitalização.

“Não temos informação sobre quando será a deliberação do tribunal, temos acompanhado e sempre que demandados, prestado todas as informações solicitadas”, afirmou.

A Eletrobras corre contra o tempo para realizar a capitalização e concluir sua privatização no cronograma atual, que prevê a liquidação da oferta de ações até 13 de maio. Essa é a data limite para que a operação seja realizada com base nos dados do quarto trimestre de 2021.

Energisa (ENGI11)

A Energisa anunciou a nova marca do Grupo Energisa, a (re)energisa, que integrará e representará os seus negócios não regulados de geração descentralizada através de fontes renováveis, comercialização de energia no mercado livre e serviços de valor agregado.

Agora, Alsol Energias Renováveis, Energisa Comercializadora e Energisa Soluções e Construções se transformam em uma marca única, mas sem mudanças em termos de razão social, portanto sem qualquer tipo de impacto nos contratos dos clientes.

Em fontes renováveis, a (re)energisa tem um plano ambicioso de investir cerca de R$ 2,3 bilhões em projetos até 2024. A atual capacidade instalada de geração distribuída de 78 MWp será ampliada em mais 460 MWp com a construção de mais de 150 usinas fotovoltaicas nos próximos três anos.

Positivo (POSI3)

A Positivo prevê alta de até 50% de suas receitas em 2022, uma vez que a crescente demanda por eletrônicos por parte de governos, além de contratos para eleições tende a compensar a queda das vendas de dispositivos para o varejo.

A companhia nacional de tecnologia em hardware divulgou que espera ter neste ano uma receita bruta de R$ 5 bilhões a R$ 6 bilhões. No ponto médio, o aumento seria de cerca de 38% sobre os R$ 3,986 bilhões obtidos em 2021.

Só na unidade de negócios com instituições públicas, a Positivo espera R$ 2 bilhões de receitas oriundas de licitações já ganhas, especialmente envolvendo fornecimento de produtos eletrônicos para educação pública, além de R$ 900 milhões com urnas eletrônicas.

Após um saldo nas vendas de computadores, telefones celulares e tablets no varejo durante parte de 2020 e 2021, na esteira das medidas de isolamento social, a Positivo registrou forte queda no varejo no final do ano passado, com a gradual flexibilização do lockdown.

As vendas no varejo representam 46% da receita bruta da companhia. Já o faturamento com empresas teve leve declínio de 0,8%.

PagSeguro (PAGS34)

A PagSeguro superou previsões de receita para o quarto trimestre, apoiada em forte aumento do volume de transações, e revelou números preliminares fortes dos primeiros meses de 2022.

A empresa de pagamentos informou que sua receita líquida de outubro a dezembro somou R$ 3,24 bilhões, alta de 55% sobre um ano antes e acima da previsão de analistas consultados pela Refinitiv, de R$ 3,06 bilhões.

A companhia atribuiu o desempenho ao volume de pagamentos processados (TPV) por meio de adquirência somou R$ 78,9 bilhões no período, montante 42,8% maior em um ano.

A Pagseguro fechou 2021 com 13,1 milhões de usuários ativos, o que significou um aumento de 5,2 milhões no ano.

Vibra (VBBR3)

A Vibra, maior distribuidora de combustíveis do Brasil, informou que teve lucro líquido de R$ 1,025 bilhão no quarto trimestre, queda de 67,4% ante igual período de 2020.

Apesar do recuo, o resultado superou as expectativas de analistas consultados em pesquisa da Refinitiv, que previam lucro de R$ 671 milhões.

IRB (IRBR3)

O IRB registrou lucro líquido de R$ 114,1 milhões no mês de janeiro de 2022, alta de 537,4% na comparação anual.

Copel (CPLE6)

A Copel registrou lucro líquido de R$ 396,2 milhões no quarto trimestre de 2021, baixa de 63,6% na base anual. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: