Banco Mundial vê economias reduzindo dependência da Rússia para energia

Malpass espera que o comércio e o investimento transfronteiriços continuem, argumentando que a fragmentação dos blocos diminuirá a produtividade global.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Yves Herman/Reuters
Yves Herman/Reuters

Presidente do Banco Mundial David Malpass

Acessibilidade


O presidente do Banco Mundial, David Malpass, disse hoje (20) que espera um “forte esforço” das principais economias para reduzir sua dependência da Rússia para fornecimento de energia e da China para cadeias de fornecimento, embora os fluxos de comércio e investimento transfronteiriços devam continuar.

Questionado sobre o risco crescente de uma fragmentação da economia global após a invasão da Ucrânia pela Rússia, Malpass disse que há uma dependência excessiva da energia russa e das cadeias de suprimentos chinesas e que as mudanças em andamento são necessárias.

“Isso pode ser bom para a China”, disse ele em coletiva de imprensa. “Como cadeias de suprimentos específicas são menos dependentes da China, isso permite que a China se mova para outros setores e anseie pelos mercados para o futuro.”

Malpass disse esperar que o comércio e o investimento transfronteiriços continuem, apesar dos ajustes, argumentando que a fragmentação em blocos separados diminuiria a produtividade global.

“Não vejo isso como um passo negativo. É um passo necessário para o mundo olhar para o crescimento do comércio regional”, disse ele. “Tenho certeza de que o mundo continuará negociando.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Malpass disse estar vendo uma forte percepção entre os membros do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) reunidos em Washington nesta semana no sentido de manter os mercados abertos e até expandir o acesso aos mercados para ajudar a lidar com a atual crise de segurança alimentar.

Compartilhe esta publicação: