Investidores nos EUA recorrem a ações mais seguras diante de preocupações econômicas

As consequências da guerra na Ucrânia continuam sendo um motivo de cautela para os investidores.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Os setores de saúde, serviços públicos, bens de consumo básico e imobiliário têm registrado ganhos

Acessibilidade


Investidores de ações dos Estados Unidos preocupados com a incerteza geopolítica e a batalha do banco central americano contra a inflação estão migrando para setores considerados mais seguros, argumentando que podem resistir melhor a tempos turbulentos e tendem a oferecer mais dividendos.

Os setores de saúde, serviços públicos, bens de consumo básico e imobiliário têm registrado ganhos até o momento em abril, mesmo com a queda do mercado mais amplo, seguindo uma tendência que fez eles superarem o índice S&P 500 neste ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O apelo a esses setores tem sido particularmente forte nos últimos meses, já que os investidores temem que o Federal Reserve sufoque a economia dos EUA à medida que aperta a política monetária para combater a alta de preços ao consumidor.

Embora o crescimento seja forte agora, vários grandes bancos de Wall Street levantaram preocupações de que as medidas agressivas do Fed possam causar uma recessão conforme avançam na economia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O mercado do Tesouro norte-americano enviou um sinal alarmante no mês passado, quando os rendimentos de curto prazo de alguns vencimentos de títulos do governo subiram acima dos de longo prazo. O fenômeno, conhecido como curva de juros invertida, já precedeu recessões passadas.

Enquanto isso, as consequências da guerra na Ucrânia continuam sendo uma preocupação para os investidores.

Enquanto o S&P 500 caiu quase 8% em 2022, o setor de serviços públicos ganhou mais de 6%, consumo básico avançou 2,5%, saúde recuou 1,7% e imobiliário teve declínio de 6%.

Compartilhe esta publicação: