Número de imigrantes na lista de bilionários dos Estados Unidos bate recorde

Os 92 imigrantes da lista vêm de 35 países, mas fizeram suas fortunas na América do Norte.

Matt Durot
Compartilhe esta publicação:
Imagem/Forbes
Imagem/Forbes

Ao todo, quase metade dos membros nascidos no exterior do clube de bilionários da América do Norte tem sua fortuna derivada da tecnologia

Acessibilidade


Quando o fundador e CEO da Zoom, Eric Yuan, decidiu se mudar para os Estados Unidos após se formar na faculdade, em 1990, ele teve seu visto negado oito vezes em 18 meses. Determinado a se juntar a ídolos como Bill Gates, o filho de engenheiros de mineração na província de Shandong, na China, se recusou a aceitar um não como resposta.

“Eu disse a mim mesmo: Tudo bem, ótimo. Farei tudo o que puder até você me dizer que nunca mais poderei vir aqui”, disse Yuan à Forbes em 2019. “Caso contrário, não vou parar”.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A persistência de Yuan valeu a pena. Ele finalmente conseguiu um visto e foi para a Califórnia no verão de 1997 para trabalhar na WebEx como um dos primeiros funcionários da empresa. Duas décadas depois, a empresa rival de comunicações por vídeo que ele acabou fundando mudou fundamentalmente a maneira como nos conectamos em meio a uma pandemia global.

Yuan (cuja fortuna valia US$ 5,2 bilhões em 11 de março – a data que a Forbes usou para medir o patrimônio líquido da última lista de bilionários), é apenas um dos 92 cidadãos norte-americanos nascidos no exterior na lista da Forbes de 2022 que atualmente vive nos Estados Unidos. Você ouviu certo – 13% dos 735 cidadãos norte-americanos da lista são imigrantes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Com um patrimônio líquido combinado de US$ 711 bilhões, esses cidadãos norte-americanos nascidos no exterior representam 15% de toda a riqueza dos bilionários dos Estados Unidos. E eles construíram suas fortunas por conta própria – 92% deles começaram seus negócios do zero, em comparação com os 71% entre os bilionários americanos que nasceram nos EUA.

Esses imigrantes vêm de 35 países diferentes, de todos os continentes, exceto da Antártida. A pessoa mais rica do mundo, Elon Musk, da Tesla e SpaceX (US$ 219 bilhões), é um dos três nomes que nasceram na África do Sul. Outros cinco vêm de outras partes da África, incluindo Tope Awotona (US$ 1,4 bilhão), fundador e CEO da empresa de software de agendamento Calendly.

Aos 12 anos de idade em Lagos, Nigéria, Awotona testemunhou seu pai ser baleado e morto em um roubo de carro. Três anos depois, ele e sua família se mudaram para Atlanta, na Geórgia.

“Quando você vem de um país diferente e precisa se acostumar a novidades, aprende a se dar bem e a ter empatia com pessoas de todas as origens”, diz Awotona.

Outros recém-chegados às fileiras dos bilionários incluem o bilionário de jogos para celular Adam Foroughi, da AppLovin (US$ 1,3 bilhão), que nasceu no Irã um ano após a Revolução Iraniana de 1979, e o magnata de private equity jordaniano Ramzi Musallam (US$ 4 bilhões), cujos anos de estudos foram usados em mercados emergentes como Arábia Saudita e Tanzânia, onde seu pai, um cristão palestino nascido em Jerusalém, trabalhou para o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA.

Leia também: Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Porém, Israel é o país que produziu a maior quantidade de bilionários imigrantes na lista deste ano, com dez – incluindo os irmãos Tom e Alec Gores (US$ 6 bilhões e US$ 2,6 bilhões, respectivamente), que preenchiam prateleiras na mercearia de seu pai em Flint, Michigan, antes de se tornarem grandes em private equity, e a CEO da Oracle, Safra Catz (US$ 1,5 bilhão), uma das 10 mulheres imigrantes no ranking.

Eren Ozmen (US$ 2,6 bilhões), que possui e administra a empresa aeroespacial e de defesa privada Sierra Nevada Corporation com seu marido Fatih Ozmen (US$ 2,5 bilhões), é uma dessas mulheres. Os Ozmens são imigrantes turcos que vieram para os EUA para fazer pós-graduação no início dos anos 1980, atraídos pela terra de oportunidades da América.

“Quando éramos crianças, do outro lado do mundo, assistimos o pouso na lua em uma TV em preto e branco. Isso nos deu arrepios. Foi tão inspirador”, disse Fatih Ozmen à Forbes em 2018. “Olhe para os Estados Unidos e o que as mulheres podem fazer aqui, em comparação com o resto do mundo”, acrescentou sua esposa Eren.

Oito bilionários norte-americanos nasceram no Canadá, incluindo o ícone imobiliário Mortimer Zuckerman (US$ 3 bilhões), filho de imigrantes judeus ucranianos que se estabeleceram em Montreal e vendiam tabaco e doces, e os nativos de Alberta Robyn e Mark Jones (US$ 1,8 bilhão), fundadores da Goosehead Insurance, no Texas.

Sete bilionários imigrantes nasceram na China. Weili Dai (US$ 1,4 bilhão) jogou basquete semi-profissional em Xangai quando adolescente antes de fundar a empresa de semicondutores Marvell Technology com seu marido, Sehat Sutardja (cidadão americano nascido na Indonésia com fortuna estimada de US$ 1,3 bilhão). Andrew Cherng, que divide uma fortuna de US$ 3,2 bilhões com sua esposa e cofundadora da Panda Express, Peggy Cherng (imigrante de Mianmar), também nasceu no país asiático.

A Índia fica em quarto lugar na lista como o berço de sete bilionários, dos quais cinco fizeram fortuna em tecnologia, incluindo os capitalistas de risco Vinod Khosla (US$ 6,9 bilhões) e Ram Shriram (US$ 2,6 bilhões), o fundador da empresa de segurança cibernética Zscaler, Jay Chaudhry (US$ 11,4 bilhões), e o fundador da empresa de IA Amelia, Chetan Dube ($ 2,4 bilhões).

Os 92 elencados não incluem outros 36 bilionários não cidadãos que vivem e trabalham nos EUA, incluindo os irmãos John e Patrick Collison (valor estimado de US$ 9,5 bilhões cada), cofundadores irlandeses da gigante de pagamentos digitais Stripe, e a estrela pop Rihanna (US$ 1,7 bilhões), que mora em Los Angeles e é a primeira pessoa de Barbados a entrar no ranking da Forbes.

Ao todo, quase metade (41) dos membros nascidos no exterior do clube de bilionários dos EUA fizeram fortuna no ramo de tecnologia. A indústria de finanças e investimentos ocupa um distante segundo lugar, com 16 bilionários imigrantes. Na verdade, o Vale do Silício se tornou tão dependente de empreendedores imigrantes que moradores locais começaram a procurar um termo menos político para imigração.

“É realmente uma questão de enquadramento. Não devemos chamar a mão de obra altamente qualificada que vem pra cá de imigração”, disse o capitalista de risco e investidor inicial do Uber Jason Calacanis, em um episódio recente do podcast “All-In”. “Deveríamos estar lançando isso para a aquisição de talentos. Devemos olhar para isso como, ‘Os EUA estão tentando trazer mais talentos para que possamos ganhar as indústrias mais importantes.'”

Há sempre o risco de que estudantes de rivais econômicos como a China levem suas habilidades técnicas para casa – seis bilionários que conquistaram a cidadania norte-americana enquanto estudavam nos EUA fundaram ou administraram empresas chinesas.

Li Ge (US$ 8,8 bilhões) que recebeu um Ph.D. em química orgânica da Columbia antes de cofundar a WuXi AppTec, que fornece serviços de P&D e fabricação para as indústrias globais de produtos farmacêuticos, biotecnologia e dispositivos médicos. (A Forbes não considerou como imigrantes Li e 14 outros cidadãos americanos nascidos no exterior que vivem fora do país).

 

Porém, muitos outros nativos da China permaneceram nos EUA depois de se formar em faculdades americanas, incluindo o cofundador e CEO da DoorDash, Tony Xu (US$ 1,3 bilhão), cuja mãe desistiu de uma carreira em medicina para trabalhar em um restaurante chinês nos EUA enquanto seu marido cursava um Ph.D. na Universidade de Illinois. Ela acabou abrindo sua própria clínica médica e de acupuntura, que continua a operar na área da baía de São Francisco mais de 20 anos depois

“O DoorDash existe hoje para capacitar pessoas como minha mãe, que vieram aqui com o sonho de fazer isso por conta própria”, escreveu Xu no prospecto de IPO da empresa em 2020. “Lutar pelos oprimidos faz parte de quem eu sou e do que defendemos como empresa.”

Aqui está a lista completa de bilionários imigrantes na lista anual de bilionários do mundo da Forbes em 2022 (os patrimônios líquidos são de 11 de março):

1. Elon Musk

Patrimônio líquido: US$ 219 bilhões
Fonte da fortuna: Tesla e SpaceX
País: África do Sul

2. Sergey Brin

Patrimônio líquido: US$ 107 bilhões
Fonte da fortuna: Google
País: Rússia

3. Miriam Adelson

Patrimônio líquido: US$ 27,5 bilhões
Fonte da fortuna: cassinos
País: Israel

4. Rupert Murdoch e família

Patrimônio líquido: US$ 20,8 bilhões
Fonte da fortuna: jornais e rede de TV
País: Austrália

5. Jensen Huang

Patrimônio líquido: US$ 20,6 bilhões
Fonte da fortuna: semicondutores
País: Taiwan

6. Thomas Peterffy

Patrimônio líquido: US$ 20,1 bilhões
Fonte da fortuna: corretora de desconto
País: Hungria

7. Jay Chaudhry

Patrimônio líquido: US$ 11,4 bilhões
Fonte de fortuna: software de segurança
País: Índia

8. Pierre Omidyar

Patrimônio líquido: US$ 11,3 bilhões
Fonte da fortuna: eBay e PayPal
País: França

9. Jan Koum

Patrimônio líquido: US$ 9,8 bilhões
Fonte da fortuna: WhatsApp
País: Ucrânia

10. George Soros

Patrimônio líquido: US$ 8,6 bilhões
Fonte da fortuna: fundos de hedge
País: Hungria

11. Shahid Khan

Patrimônio líquido: US$ 7,6 bilhões
Fonte da fortuna: autopeças
País: Paquistão

12. Patrick Soon Shiong

Patrimônio líquido: US$ 7,3 bilhões
Fonte da fortuna: produtos farmacêuticos
País: África do Sul

13. Douglas Leone

Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões
Fonte da fortuna: capital de risco
País: Itália

14. Micky Arison

Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões
Fonte da fortuna: cruzeiros
País: Israel

15. Vinod Khosla

Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões
Fonte da fortuna: capital de risco
País: Índia

16. Philippe Laffont

Patrimônio líquido: US$ 6,5 bilhões
Fonte da fortuna: fundo de hedge
País: Bélgica

17. Rocco Commisso

Patrimônio líquido: US$ 6,1 bilhões
Fonte da fortuna: telecomunicações
País: Itália

18. Tom Gores

Patrimônio líquido: US$ 6 bilhões
Fonte da fortuna: private equity
País: Israel

19. Michael Moritz

Patrimônio líquido: US$ 5,9 bilhões
Fonte da fortuna: capital de risco
País: País de Gales

20. Charles Simonyi

Patrimônio líquido: US$ 5,8 bilhões
Fonte da fortuna: Microsoft
País: Hungria

Compartilhe esta publicação: