O que é DeFi? Conheça as finanças descentralizadas

As finanças descentralizadas são desenvolvidas na blockchain e funcionam a partir de contratos inteligentes.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:
Olemedia/Getty Images
Olemedia/Getty Images

Taxas mais baixas e maior velocidade para realizar transações são algumas das vantagens do DeFi sobre as finanças tradicionais

Acessibilidade


As finanças descentralizadas, também chamadas de DeFi, são consideradas por muitos o futuro do sistema financeiro. Elas funcionam por meio da tecnologia blockchain e permitem criar sistemas de pagamentos, realizar transações financeiras e contratar empréstimos sem a necessidade de intermediários.

“A grande revolução está na quebra da necessidade de confiar em uma terceira parte, como bancos e governos. Em DeFi, tudo é realizado por códigos automáticos, conhecidos como ‘contratos inteligentes’”, explica Orlando Telles, sócio-fundador e diretor de research da Mercurius Crypto.

Os contratos inteligentes, ou smart contracts, são as linhas de código que permitem criar aplicações na blockchain. Esta, por sua vez, funciona como um grande computador descentralizado; vários validadores participam da rede e atestam a validade dos contratos inteligentes.

Aplicações em DeFi

Existem dois tipos principais de aplicações desenvolvidas através de DeFi:

Exchanges descentralizadas

As exchanges descentralizadas, também chamadas de DEX, visam cumprir o mesmo papel das bolsas do mercado tradicional. Elas são utilizadas por usuários que desejam comprar e vender ativos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O diferencial é que, neste caso, não existe uma empresa ou instituição que intermedeie essas trocas – no Brasil, por exemplo, esse papel é desempenhado pela B3. As operações feitas nas exchanges descentralizadas ocorrem diretamente entre os usuários, no modelo peer-to-peer, e são controladas por algoritmos e contratos inteligentes.

A Uniswap (UNI) é, atualmente, a maior exchange descentralizada do mercado. Mais de US$ 1 bilhão (aproximadamente R$ 4,7 bilhões) é negociado diariamente na plataforma.

Leia mais: As melhores corretoras de criptomoedas do mundo

É preciso notar, porém, que nem toda exchange de criptomoedas é uma exchange descentralizada. As mais famosas, como Binance e Coinbase, por exemplo, são centralizadas: há uma empresa e uma equipe por trás das operações.

Protocolos de lending

Os protocolos de lending são plataformas que permitem a realização de empréstimos em criptomoedas.

Os usuários que têm interesse em emprestar valores depositam suas criptomoedas em pools de liquidez e recebem juros por isso. Já aqueles que querem fazer um empréstimo usam suas criptomoedas como garantia.

Rafael Lima, head de operações estruturadas da Rispar (fintech de crédito com garantia em criptomoedas), explica que essas operações também ocorrem através de contratos inteligentes e costumam ser mais rápidas e baratas do que o sistema financeiro tradicional.

“Todas as taxas e regras são claramente definidas, deixando pouco espaço para erro humano. O risco mais comum é a falha de programação que expõe vulnerabilidades a hackers”, diz.

Atualmente, a Aave (AAVE) é o principal protocolo de lending no mercado de criptomoedas.

Vantagens e desvantagens

Segundo os especialistas, as principais vantagens das finanças descentralizadas são a utilização da tecnologia blockchain e a ausência de um ente centralizado.

Essas duas características fazem esse ambiente ter taxas mais baixas, maior velocidade de transações e a possibilidade de acesso por qualquer lugar do mundo.

Já as desvantagens se referem, principalmente, à falta de segurança. Como comenta Telles, ainda existem muitos protocolos DeFi que apresentam falhas no funcionamento do código e, por isso, ficam suscetíveis a ataques hacker.

“Esse tipo de acontecimento era mais comum em meados de 2020, quando os primeiros protocolos estavam começando a ganhar robustez de capital. Atualmente, as falhas são mais raras e tendem a acontecer mais em protocolos novos”, avalia.

Como ganhar dinheiro com DeFi

Existem duas formas principais de investir e ganhar dinheiro com DeFi.

A primeira delas, mais simples, é através da compra de tokens nativos das plataformas DeFi. Os tokens normalmente desempenham uma função de governança dentro dessas plataformas: isso significa que o usuário que detém um token tem direito a participar das votações que decidem sobre atualizações e outras mudanças importantes.

Porém, eles também podem ser negociados como criptoativos comuns, que se valorizam e desvalorizam. O token da Uniswap (UNI), por exemplo, caiu cerca de 55% desde o início do ano.

A segunda maneira é através do staking, que acontece quando os usuários deixam as suas criptomoedas travadas na blockchain a fim de validar operações e promover liquidez.

“Por serem descentralizados, os protocolos DeFi não possuem liquidez própria, como seria o caso de um grande banco, e dependem de terceiros que possam prover liquidez para as operações”, explica Telles. “Em troca desse capital que fica ‘alugado’ nos protocolos, os provedores de liquidez ganham uma rentabilidade”.

Futuro das finanças

Da mesma maneira que a chegada das fintechs desestabilizou o setor bancário tradicional, as finanças descentralizadas “alfinetam” o mundo das finanças tradicionais. Isso acontece principalmente porque os protocolos DeFi aprimoram a movimentação digital do dinheiro e permitem a criação de ferramentas inéditas, afirma Lima.

Segundo os especialistas, o DeFi é o próximo passo da busca por um sistema financeiro mais ágil e transparente. “No entanto, o DeFi ainda precisar passar por processos de escalabilidade e regulamentação, que estão começando a ser desenvolvidos”, afirma Telles.

Compartilhe esta publicação: