UBS obtém melhor lucro do 1º trimestre em 15 anos

O banco com sede em Zurique divulgou lucro líquido de US$ 2,14 bilhões no trimestre encerrado no fim de março.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Imagem: Getty Images/ NurPhoto
Imagem: Getty Images/ NurPhoto

Durante o mesmo período do ano anterior, os resultados do banco de investimento foram prejudicados por uma perda de US$ 774 milhões

Acessibilidade


O UBS divulgou nesta terça-feira (26) que obteve forte receita comercial e teve o melhor lucro líquido de primeiro trimestre em 15 anos, ao mesmo tempo em que sinalizou que seus clientes de gestão de patrimônio continuarão cautelosos nos próximos meses devido a incertezas geopolíticas e macroeconômicas.

O banco com sede em Zurique divulgou lucro líquido de US$ 2,14 bilhões no trimestre encerrado no fim de março, superando expectativa média de US$ 1,79 bilhão compilada por pesquisa com 21 analistas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A área de banco de investimento do UBS teve um aumento de 126% no lucro antes dos impostos, uma vez que um aumento na receita de negociação nos mercados globais ajudou a compensar um declínio nos mercados de capitais e na receita de consultoria, que foi atingida pela desaceleração das atividades de fusão e aquisição e IPO.

Durante o mesmo período do ano anterior, os resultados do banco de investimento foram prejudicados por uma perda de US$ 774 milhões gerado pelo colapso do cliente norte-americano Archegos. Excluindo isso, a receita de mercados globais teria aumentado 4%, disse o UBS.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os ganhos de receita operacional na gestão de patrimônio nas Américas, Suíça e Europa foram amplamente eliminados por uma desaceleração na atividade de clientes do UBS na Ásia.

A divisão conseguiu compensar parcialmente a queda na receita baseada em transações por meio de um aumento na receita líquida de juros, que foi ajudada pelo aumento das taxas de juros nos Estados Unidos e maiores volumes de depósitos e empréstimos, bem como tarifas recorrentes mais altas, impulsionadas por US$ 19,4 bilhões em novas entradas de capital de clientes.

O UBS reconfirmou os planos de recomprar cerca de US$ 5 bilhões de suas próprias ações em 2022, dando uma perspectiva mista para o ano.

Um provável impacto nas transações e nas receitas recorrentes, no entanto, provavelmente seria “mais do que compensado” por meio de uma maior receita líquida de juros, que o banco espera elevar em cerca de US$ 1 bilhão no restante de 2022, disse o diretor financeiro, Kirt Gardner.

Compartilhe esta publicação: