Ata do BCE mostra preocupação com a inflação e urgência de ação

Com a inflação subindo a um nível recorde, o BCE confirmou os planos na reunião para acabar com um esquema de compra de títulos no terceiro tri

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Imagem mostra a sede do BCE em Frankfurt
REUTERS/Kai Pfaffenbach

Sede do BCE em Frankfurt

Acessibilidade


As autoridades do Banco Central Europeu expressaram preocupação generalizada com a propagação da inflação e defenderam a continuação da normalização da política monetária, mostrou hoje (19) a ata da reunião de 14 de abril do banco.

Com a inflação subindo a um nível recorde de 7,4%, o BCE confirmou os planos na reunião para acabar com um esquema de compra de títulos no terceiro trimestre, mas evitou quaisquer outros compromissos, inclusive sobre as taxas de juros, que permanecem negativas.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Os membros expressaram amplamente sua preocupação com os altos números da inflação”, disse o BCE na ata da reunião. “Os membros compartilharam amplamente a opinião de que a normalização gradual da postura da política monetária… deve ser continuada.”

“Alguns membros consideraram importante agir sem demora excessiva”, acrescentou o BCE. “Também foi visto o risco de que, se o Conselho do BCE não sinalizar um processo mais rápido de normalização da política monetária, as expectativas de inflação continuarão a aumentar.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O sentimento entre as autoridades mudou substancialmente nas cinco semanas desde a reunião, tornando a ata em grande parte ultrapassada.

Quase todos que falaram publicamente estão agora apoiando um aumento da taxa de juros em julho, a primeira alta pelo BCE em mais de uma década, e muitos estão pressionando para elevar sua taxa de depósito para território positivo este ano. Ela está atualmente em -0,5%.

A preocupação é que a inflação não é apenas alta, mas está se tornando ampla, aumentando o risco de que o rápido crescimento dos preços se torne enraizado bem acima da meta de inflação de 2% do BCE.

De fato, o núcleo da inflação, que elimina a volatilidade dos preços de alimentos e combustíveis, está em quase o dobro da meta do BCE e a grande maioria das previsões privadas e públicas coloca o crescimento geral dos preços bem acima da meta, mesmo em 2023.

No próximo passo, o BCE decidirá, em sua reunião de 9 de junho, encerrar as compras de títulos por volta do meio do ano e provavelmente dará pistas de que seguirá com um aumento dos juros no encontro de julho.

Algumas autoridades prefeririam aumentar os juros em junho, mas o banco prometeu que as compras de títulos não terminarão antes do terceiro trimestre e que as taxas só subirão depois disso.

Este cronograma tem essencialmente amarrado as mãos do BCE, tornando o dia 21 de julho a primeira data possível para um aumento das taxas sem quebrar a orientação.

Os mercados atualmente precificam 1,07 ponto percentual de aumento dos juros para o resto do ano, ou um pouco mais de um 0,25 ponto em cada reunião a partir de julho.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: