Berkshire Hathaway derruba JPMorgan e se torna a maior empresa dos Estados Unidos

Companhia do bilionário Warren Buffett lidera o ranking Global 2022 da Forbes .

Isabel Contreras
Compartilhe esta publicação:
Imagem: Johannes Eisele/AFP/Getty Images
Imagem: Johannes Eisele/AFP/Getty Images

Warren Buffett é a 5ª pessoa mais rica do mundo

Acessibilidade


Apesar de mais um ano de volatilidade causada pela pandemia global, e agravada por conflitos internacionais e gargalos na cadeia de suprimentos, as empresas dos Estados Unidos conseguiram continuar crescendo.

A 20ª lista anual Forbes Global 2000 classifica as maiores empresas de capital aberto do mundo de acordo com critérios como valor de mercado, vendas, lucros e ativos registrados durante os 12 meses encerrados em 22 de abril.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O valor de mercado combinado do grupo permaneceu quase estável – houve um aumento de 3% para US$ 9,9 trilhões (R$ 50,7 trilhões). Juntas, as empresas registraram vendas superiores a US$ 2,3 trilhões (R$ 11,7 trilhões) – alta de 4% em relação ao ano passado – e seus ativos foram avaliados em aproximadamente US$ 12,3 trilhões  (R$ 63 trilhões) – queda de 7%. Já os lucros subiram mais de 60%, para mais de US$ 509 bilhões (R$ 2,6 trilhões).

A Berkshire Hathaway, empresa do bilionário Warren Buffett (atualmente na 5ª posição do ranking da Forbes), registrou uma forte alta dos lucros, o que ajudou a impulsioná-la para o primeiro lugar na lista Forbes Global 2000 deste ano.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os sócios Buffett, 91, e Charlie Munger, 98, tiveram quase US$ 90 bilhões (R$ 461,7 bilhões) em lucros no ano passado, um aumento de 53% em relação ao ano anterior. A Berkshire divulgou um recorde de US$ 27,5 bilhões (R$ 141 bilhões) em lucros operacionais após impostos, resultado que levou a empresa a desbancar o JPMorgan Chase de Jamie Dimon.

Durante a reunião anual de acionistas da empresa, no mês passado, Buffett expressou otimismo e resiliência apesar das perspectivas assustadoras do mercado de capitais e da inflação crescente nos EUA. “Se você faz algo valioso e bom para a sociedade, não importa o que acontece com o dólar”, disse Buffett. “Às vezes os mercados fazem coisas malucas. Isso é bom para a Berkshire, não porque somos inteligentes, mas porque somos sãos.”

O JPMorgan agora ocupa o segundo lugar entre as empresas dos EUA e o quarto lugar na lista Global 2000, ficando atrás do ICBC e da Saudi Aramco. As ações do banco caíram 15% no período, desempenho abaixo do modesto crescimento de 2% do S&P 500.

Leia mais: As maiores empresas de tecnologia do mundo em 2022

A Amazon subiu para o terceiro lugar na lista das maiores empresas dos EUA, saindo da 5ª posição no ano passado e do 13º lugar no ano anterior. A gigante sediada em Seattle manteve um crescimento persistente impulsionado pelo crescimento das compras online.

As vendas subiram 22% no ano passado, para cerca de US$ 470 bilhões (R$ 2,4 trilhões), apesar dos preços mais altos e das taxas de juros que ameaçam os consumidores. O resultado garantiu à empresa o 2º lugar mundial em termos de vendas.

O crescimento da Amazon não deve parar por aqui. O avanço das vendas em suas principais categorias – incluindo móveis para casa, produtos de beleza e hobby – deve superar os concorrentes.

Apple, Bank of America, Alphabet, Microsoft e Wells Fargo permaneceram entre as 10 maiores empresas listadas do país. A gigante do varejo Walmart caiu do 9º para o 13º, mas manteve o primeiro lugar global em vendas, e o Citigroup caiu da 8a para a 15ª posição.

A produtora de petróleo e gás ExxonMobil subiu no ranking após um declínio acentuado durante a pandemia, e o crescimento consistente da operadora Verizon a impulsionou para o 10º lugar.

Depois de cair para a 133ª posição no ano passado, quando se enfraqueceu após a queda dos preços do petróleo nos primeiros dias da pandemia, a ExxonMobil, a maior produtora de petróleo dos EUA, garantiu a oitava posição da lista norte-americana deste ano. Os preços altíssimos da energia impulsionaram a recuperação da gigante, que lucro US$ 23 bilhões (R$ 117,9 bilhões) este ano.

O conglomerado de telecomunicações AT&T sofreu um destino semelhante no ano passado, quando caiu de 5º para 106º na lista, arrastado pelas dificuldades da DirectTV e perdas de mais de US$ 5 bilhões (R$ 25,6 bilhões).

Este ano, a empresa sediada em Dallas se recuperou e cresceu o suficiente para figurar entre as dez maiores empresas dos EUA. Sua principal concorrente, a Verizon, permaneceu firme durante a pandemia e estreou em 10º lugar do ranking dos EUA. As vendas aumentaram 5%, para US$ 134 bilhões (R$ 687,4 bilhões), e os ativos cresceram 16% em relação ao ano passado.

“Continuamos otimistas com a economia, pelo menos no curto prazo”, disse Jamie Dimon, do JPMorgan, na última divulgação de resultados. “Os balanços dos consumidores e das empresas, assim como os gastos dos clientes, permanecem em níveis saudáveis, mas mostram desafios geopolíticos e econômicos significativos à frente devido à alta inflação, problemas na cadeia de suprimentos e a guerra na Ucrânia.”

Confira as 10 maiores empresas dos Estados Unidos:

1. Berkshire Hathaway
2. JPMorgan Chase
3. Amazon
4. Apple
5. Bank of America
6. Alphabet
7. Microsoft
8. Exxon Mobil
9. Wells Fargo
10. Verizon

Compartilhe esta publicação: