Carrefour Brasil vê vendas mesmas lojas de varejo alimentar com forte alta em abril

O desempenho deu confiança para a empresa esperar um nível de margens no "curto prazo" pelo menos no mesmo patamar do primeiro trimestre.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

O Carrefour Brasil segue apostando no formato de hipermercados que tem apresentado “desempenho muito forte”

Acessibilidade


O grupo Carrefour Brasil teve em abril um crescimento de vendas no conceito mesmas lojas de mais de 20% no segmento de varejo alimentar, disse hoje (6) o presidente-executivo da companhia, Stéphane Maquaire, em conferência com analistas.

“Pelo efeito da inflação, mas cresceu em volumes também”, disse o executivo, após a companhia divulgar na noite da véspera lucro de primeiro trimestre quase estável, com vendas mesmas lojas do segmento de varejo alimentar crescendo 8,4% ano a ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

O desempenho deu confiança para a empresa esperar um nível de margens no “curto prazo” pelo menos no mesmo patamar do primeiro trimestre, apesar do ambiente inflacionário e da concorrência, disse o vice-presidente financeiro David Murciano.

E após o rival GPA ter se desfeito de sua área de hipermercados, o Carrefour Brasil segue apostando no formato que tem apresentado “desempenho muito forte” nas categorias de têxteis e bazar, no momento em que o consumo segue pressionado pela alta dos preços.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Achamos que hiper tem relevância no mercado brasileiro… Estamos aproveitando da força do alimentar e não temos visão negativa sobre o formato hiper, porque temos hipermercados de proximidade na realidade no país”, disse o presidente do grupo.

Ele acrescentou que o formato de hipermercados também tem relevância estratégica na aposta em digitalização de vendas do grupo, servindo como centros de distribuição mais próximos dos clientes.

Questionado sobre a integração com as lojas do Grupo Big, Maquaire afirmou que tem expectativa de que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprove o negócio “nas próximas semanas” e que as sinergias calculadas atualmente para a transação são maiores que as estimadas antes.

Compartilhe esta publicação: