China corta a taxa de empréstimo mais do que o esperado para reanimar o setor habitacional

Autoridades prometeram novas medidas para combater a desaceleração na segunda maior economia do mundo

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Foto mostra projetos imobiliários em construção em Shenzhen, China
REUTERS/David Kirton

Projetos imobiliários em construção em Shenzhen, China

Acessibilidade


A China cortou hoje (20) sua taxa de referência para hipotecas por uma margem inesperadamente ampla, sua segunda redução este ano conforme Pequim procura reanimar o setor habitacional para sustentar a economia.

Autoridades prometeram novas medidas para combater a desaceleração na segunda maior economia do mundo, atingida pelos surtos de Covid-19 que provocaram medidas rigorosas e restrições de mobilidade, e causaram enormes interrupções na atividade.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Muitos participantes do mercado acreditam que o movimento desta sexta-feira também foi uma resposta ao apelo do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, para acelerar decisivamente os ajustes e deixar a economia voltar à normalidade rapidamente.

“A redução de hoje da taxa primária de empréstimo (LPR) de cinco anos deve ajudar a impulsionar um renascimento nas vendas de moradias, que passaram de ruim a pior recentemente”, disse Julian Evans-Pritchard, da Capital Economics, em uma nota.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Mas a falta de qualquer redução da LPR de um ano sugere que o banco central está tentando manter o afrouxamento direcionado e que não devemos esperar estímulos em larga escala do tipo que vimos em 2020.”

A China, em uma fixação mensal, reduziu a taxa primária de empréstimo (LPR) de cinco anos em 15 pontos base, para 4,45%, a maior redução desde que a China renovou o mecanismo de taxas de juros em 2019 e mais do que os cinco ou 10 pontos apontados pela maioria em uma pesquisa da Reuters. A LPR de um ano ficou inalterada em 3,70%.

Muitos economistas do setor privado esperam que a economia da China encolha neste trimestre em relação ao ano anterior, em comparação com crescimento de 4,8% do primeiro trimestre. Indicadores recentes mostraram que as medidas rigorosas relacionadas à Covid e as restrições de mobilidade têm tido um grande impacto.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: