Embraer (EMBR3) conclui venda de subsidiárias em Portugal por US$ 172 milhões; veja os destaques do Radar

Últimas notícias sobre: Minerva, Priner, Localiza, Copasa, Eletrobras, Petrobras, Marcopolo e mais.

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (3), a Embraer concluiu a venda das suas subsidiárias Embraer Portugal Estruturas Metálicas e Embraer Portugal Estruturas em Compósitos para a Aernnova Aerospace Corporation, por US$ 172 milhões.

Já a Minerva informou que o seu primeiro produto certificado Carbono Neutro, produzido no Uruguai, teve o primeiro embarque para clientes internacionais realizado ontem (2).

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja esses e outros destaques corporativos do dia:

Embraer (EMBR3)

A Embraer concluiu a operação referente à alienação, por sua subsidiária Embraer Portugal, da totalidade da participação societária nas sociedades Embraer Portugal Estruturas Metálicas e Embraer Portugal Estruturas em Compósitos para a Aernnova Aerospace Corporation.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O negócio havia sido avaliado em US$ 172 milhões em janeiro.

Minerva (BEEF3)

A Minerva informou que o seu primeiro produto certificado Carbono Neutro, produzido no Uruguai, teve o primeiro embarque para clientes internacionais realizado ontem (2).

“Com a inclusão do selo CO² neutral, concedido por uma organização independente com sistemas de certificação em mais de 100 países, a Minerva Foods pode assegurar que, em todas as etapas de desenvolvimento do produto certificado, realizou a mensuração de emissões correspondentes aos escopos 1 e 3, promovendo compensação a partir do uso de créditos de carbono”, afirmou a empresa em comunicado.

Priner (PRNR3)

A Priner aprovou o pagamento de dividendos no valor bruto de R$ 1,5 milhão, correspondente a R$ 0,0395 por ação ordinária, com base na posição acionária de amanhã (4). O pagamento ocorrerá no dia 13 de maio.

Localiza (RENT3)

A Localiza registrou um lucro líquido de R$ 517,4 milhões no primeiro trimestre de 2022, alta de 7,3% em relação a um ano antes.

Copasa (CSMG3)

A Copasa registrou lucro líquido de R$ 167,5 milhões no primeiro trimestre de 2022, o que representa uma alta de 23,8% na comparação anual.

Leia mais: Inscreva-se na seleção para a lista Under 30 2022

Eletrobras (ELET6)

A Eletrobras afirmou que notificou a Securities and Exchange Commission (SEC) sobre o adiamento da publicação de seu formulário 20F-2021, inicialmente previsto para ontem (2), para 17 de maio.

A publicação do documento é um passo importante para o cronograma de privatização da companhia, visto que o formulário traz informações gerais sobre a Eletrobras, incluindo questões relacionadas a riscos para os investidores.

“O adiamento se deu em função da necessidade de prazo adicional para a preparação da divulgação sobre a Assembleia Geral Extraordinária da Madeira Energia, controladora da Santo Energia, realizada no último dia 29 de abril”, afirmou a empresa.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras elevou o preço do querosene de aviação (QAV) em vários polos no último domingo (1º), numa alta média que ficou próxima de 7%, segundo a Abear, associação que reúne as empresas aéreas.

De acordo com a Abear, os dados da Petrobras apontam uma alta acumulada no ano de cerca de 49%, com a companhia repassando custos da alta do preço internacional do petróleo. Os novos preços começaram a vigorar nesta semana após uma alta de cerca de 18% em abril. Somente no ano passado, o valor do QAV acumulou aumento de 92%, de acordo com a associação.

O QAV representa mais de um terço dos custos das companhias aéreas. “Mais uma vez, o reajuste anunciado pela Petrobras comprova como as companhias aéreas enfrentam diariamente a alta dos custos estruturais…”, disse o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz.

Marcopolo (POMO4)

A Marcopolo registrou lucro líquido de R$ 98 milhões no primeiro trimestre de 2022, revertendo prejuízo de R$ 14,7 milhões registrado na mesma etapa de 2021.

Lojas Quero-Quero (LJQQ3)

A Lojas Quero-Quero registrou prejuízo líquido de R$ 11,6 milhões no primeiro trimestre de 2022, revertendo lucro líquido de R$ 11,6 milhões registrado no mesmo trimestre do ano anterior.

Pague Menos (PGMN3)

A Pague Menos registrou lucro líquido ajustado de R$ 24,4 milhões no primeiro trimestre de 2022, baixa de 44,8% na comparação anual. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: