Engie (EGIE3) e Copel (CPLE6) formam parceria para participar de leilão; veja os destaques do Radar

Últimas notícias sobre: BR Properties, Eletrobras, Vibra Energia, CSN, Hapvida e Agribrasil

Isabella Velleda
Compartilhe esta publicação:

Acessibilidade


No Forbes Radar de hoje (19), a Engie assinou com a Copel Geração e Transmissão um termo de compromisso com o objetivo de constituir uma parceria para participar no Leilão de Transmissão Aneel 01/2022, previsto para ocorrer em 30 de junho.

Já a BR Properties anunciou acordos para venda de uma série de importantes edifícios e participações em empreendimentos imobiliários detidos pela empresa por R$ 5,92 bilhões.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

Veja esses e outros destaques corporativos do dia:

Engie (EGIE3) e Copel (CPLE6)

A Engie Brasil assinou com a Copel Geração e Transmissão um termo de compromisso com o objetivo de constituir uma parceria, na qual a Engie terá participação de 51%, para a potencial participação no Leilão de Transmissão Aneel 01/2022, previsto para ocorrer em 30 de junho de 2022.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Copel Geração e Transmissão é subsidiária integral da Copel.

“A parceria criada com a assinatura do Termo busca combinar as habilidades destas duas grandes empresas, para aumentar a competitividade no Leilão, possibilitando capturarmos oportunidades de crescimento nesse segmento”, disse em comunicado o diretor presidente e de relações com investidores da Engie, Eduardo Sattamini.

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties anunciou acordos para venda de uma série de importantes edifícios e participações em empreendimentos imobiliários detidos pela empresa em cidades incluindo Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília. Os acordos foram acertados com veículos do grupo canadense Brookfield por um valor total de R$ 5,92 bilhões.

O pagamento será recebido 70% na data de fechamento de cada venda e o restante em 12 meses após a conclusão de cada negócio, afirmou a companhia em fato relevante.

O negócio envolve três operações, com a primeira reunindo envolvendo os edifícios Glória e Manchete, no Rio de Janeiro. Em Brasília, a transação inclui o Edifício Palácio da Agricultura. Em São Paulo estão incluídos o edifício Panamerica Green Park, a Torre A do conjunto Nações Unidas, além de duas torres e 30% de uma terceira no empreendimento de alto padrão Parque da Cidade.

Eletrobras (ELET6)

Por sete votos a um, o TCU (Tribunal de Contas da União) deu aval à privatização da Eletrobras, em análise que tratou da modelagem e de parâmetros para o preço mínimo da oferta de ações, que poderia levantar ao menos cerca de R$ 25 bilhões, segundo avaliação preliminar do governo.

O sinal verde da Corte de Contas, apesar de forte oposição manifestada por um dos ministros, o revisor do processo, Vital do Rêgo, é um importante passo para que a Eletrobras possa concretizar sua oferta de capitalização em bolsa, prevista para ocorrer em junho.

Vibra Energia (VBBR3)

A Vibra Energia informou que realizará, em 30 de maio, o pagamento da parcela remanescente referente à remuneração aos acionistas sob forma de dividendos, aprovados em 28 de abril, relativos ao exercício de 2021.

O valor total dos dividendos a serem pagos será de R$ 131,8 milhões, equivalente a R$ 0,1171 por ação. Farão jus aos dividendos os acionistas na posição acionária do dia 28 de abril.

CSN (CSNA3)

A CSN confirmou o encerramento do atual programa de recompra de ações da companhia, aprovado em 6 de dezembro de 2021, e a abertura de um novo programa de recompra de ações, para aquisição, no período de 19 de maio de 2022 a 18 de maio de 2023, de até 58 milhões de ações ordinárias.

Hapvida (HAPV3)

A Hapvida anunciou que concluiu com sucesso a liquidação financeira de sua 3ª emissão de debêntures em série única. A oferta de R$ 2 bilhões recebeu excesso de demanda, refletida na compressão da taxa teto.

Segundo a empresa, o excesso de demanda evidencia a confiança dos investidores no modelo de negócios de longo prazo da companhia.

Agribrasil (GRAO3)

A Agribrasil informou nesta que teve prejuízo líquido de R$ 19,27 milhões no primeiro trimestre, ante lucro de R$ 4,19 milhões um ano antes, devido a um forte avanço nos custos, que ofuscaram o salto nas exportações de soja e milho. (Com Reuters)

Compartilhe esta publicação: