Fintech britânica Ebury compra Bexs, aposta em pagamentos internacionais no Brasil

Compra da Bexs, que tem clientes como Americanas e TikTok, não teve seu valor revelado.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Com aquisição da Bexs, Ebury quer apostar no crescimento do comércio exterior do Brasil

Acessibilidade


A fintech britânica de câmbio Ebury anunciou hoje (11) a compra da Bexs, em aposta no crescimento de transações internacionais de pequenas e médias empresas do Brasil. O valor da transação não foi revelado.

Fundada em 2009 com foco em câmbio digital para empresas de menor porte, a Ebury opera mais de 130 moedas, por meio de 27 escritórios em 20 países. A fintech afirma movimentar US$ 23 bilhões em transações entre empresas por ano.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

A companhia tem como seu presidente do conselho de administração Sérgio Rial, ex-presidente-executivo no Brasil do banco espanhol Santander, que é acionista da Ebury desde 2019.

Já a Bexs, composta por uma corretora e um banco de câmbio, surgiu em 1989 como corretora, passando usar o nome atual em 2010, antes de expandir a atuação.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Primeiro, passou a oferecer soluções para portais de comércio eletrônico poderem vender em reais produtos importados. Depois, expandiu o leque de clientes, incluindo mecanismos conversão de moeda para que redes sociais globais pudessem remunerar usuários com micropagamentos em moeda local ou para corretoras viabilizarem investimentos de clientes no exterior.

A Bexs tem entre os clientes a empresa de comércio eletrônico Americanas e a rede social de vídeos curtos TikTok.

Em nota, o diretor comercial da Ebury, Fernando Pierri, afirmou que o movimento é uma aposta no crescimento do comércio exterior do Brasil.

“O país tem assinado acordos de livre comércio, a exemplo do selado com a União Europeia, e também vem aperfeiçoando suas regras cambiais. Isso tudo vai impulsionar a demanda por câmbio e contas no exterior”, afirmou.

Compartilhe esta publicação: