Geadas podem impactar inflação e choques climáticos têm efeito negativo, diz Campos Neto

O presidente do BC disse que as discussões sobre meio ambiente têm ligação com a política monetária

Reuters
Compartilhe esta publicação:

Foto do Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto

Acessibilidade


Choques climáticos trazem efeitos negativos sobre produtividade e atividade econômica e possíveis geadas à frente podem impactar a inflação de curto prazo, afirmou hoje (18) o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Em seminário promovido pelo Banco do Brasil e a Petrobras, Campos Neto disse que as discussões sobre meio ambiente e sustentabilidade têm ligação com a política monetária.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

“Estava fazendo uma reunião de inflação e estava falando da geada que vem por aí, qual é o impacto que isso pode ter em alimentos e na inflação de curto prazo”, disse. “Diversos choques climáticos recentes têm impactos negativos, ondas de calor, geadas, secas”.

No evento, Campos Neto ainda se mostrou contrário a ideias de criar uma tributação sobre emissões de carbono.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Escuto muito falar em um imposto de carbono, em alguns casos parece justificável, mas a gente acredita que o preço de marcado é sempre o melhor alocador de recursos na economia”, disse.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: